PEARL JAM – Gigaton (2020)


Pearl Jam, foto resenha Gigaton

“Após espera de sete anos, Gigaton é o Pearl Jam entre a ousadia e o mais do mesmo”

Após um longo hiato de sete anos, os remanescentes do Grunge estão de volta com álbum de inéditas. Pearl Jam retorna a cena com Gigaton. Para muitos, esse pode ser aquele disco que você vai amar ou odiar. Mas uma coisa é certa, em meios a tantos murmúrios, o novo álbum do traz uma elucidação: eles estão dizendo “I’m Still Alive”. Ou seja, a banda está mais do que viva.

As primeiras impressões mostraram um Pearl Jam almejando trilhar por novos caminhos na sonoridade, buscando uma inovação. Em Gigaton continuam sendo o velho Pearl Jam. Algumas faixas são mais do mesmo, a banda não ousou tanto assim. Preferiu não arriscar por caminhos desconhecidos.

Para quem esperava um som inovador, renovado, o álbum pode não agradar e deixar a desejar por não seguir adiante com as ideias apresentadas na ótima “Dance of the Clairvoyants”, com batidas de sintetizadores, lembrando David Bowie e Simple Minds; com uma letra beirando o pessimismo e um tanto realística para os tempos sombrios e tristes que rodeiam o mundo devido a pandemia do Covid-19: “Quando o passado é o presente. E o futuro não existe mais. Quando todo amanhã, é igual ao que era antes”,  diz a letra.

Ou se você se empolgou com a explosiva “Superblood Wolfmoon”, que trouxe até inovações de realidade aumentada. Onde se abria um aplicativo e direcionava a câmera do celular para lua para uma reprodução da canção em alta tecnologia. Uma canção folclórica apresentando um Eddie Vedder descrente na humanidade: “ Mas o mundo começou a girar. Sempre senti como se ele estivesse acabando. E o amor não se sustenta. Cada um de nós está ferrado!”.

Gigaton tem seu potencial desperdiçado por fórmulas já batidas. Poderia ser um dos melhores álbuns do ano se seguisse o caminho de produção e criatividade apresentado nas faixas citadas.

O álbum apresenta músicas na média, com o Pearl Jam, sendo o Pearl Jam. Eddie Vedder e Cia. poderiam fazer o mesmo que o Arctic Monkeys fez com  Tranquility Base HotelCassino (2018), onde eles ousaram e mudaram totalmente a sonoridade da banda. Experimentaram mais, deixaram as guitarras um pouco de lado.

A ótima balada “Seven O’Clock” segura a linha do disco com sua atmosfera meio psicodélica e com Vedder cantando sobre não ter desânimo: “Levantei do meu desânimo e o deixei na cama. Deixo ele lá ainda dormindo ou talvez o mate, melhor ainda?”.

Há rumores de que o álbum nasceu do pessimismo de Vedder, dos conflitos políticos nos EUA e da incerteza do futuro. Algo que é bem pertinente nas letras das canções, como a boa “River Cross” que encerra o álbum. Uma canção lenta levada por sintetizadores calmos.

Gigaton é aquele disco que não vai acrescentar nada em sua vida, mas com certeza apresenta o suficiente para agradar fãs. Entra para a família daqueles discos que se faz necessário ouvir algumas vezes para ser compreendido, embora continue a sensação de que faltou ousadia.

NOTA: 7.0


| OUÇA “DANCE OF THE CLAIRVOYANTS” EM NOSSA PLAYLIST DE 2020:: PLAYLIST URGE! 2020 |


NOTA DOS REDATORES:

Eduardo Salvalaio:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:

MÉDIA: 7.0


:: LEIA TAMBÉM:

RESENHA: MUDHONEY – Digital Garbage (2018)
NOTÍCIA: SOFIE JELL :: BANDA LANÇA O EP “BEAUTY LIES IN THE EYES” : OUÇA AQUI


Capa do álbum Gigaton, do Pearl Jam

:: FAIXAS:
01. Who Ever Said
02. Superblood Wolfmoon
03. Dance of the Clairvoyants
04. Quick Escape
05. Alright
06. Seven O’Clock
07. Never Destination
08. Take The Long Way
09. Buckle Up
10. Come Then Goes
11. Retrograde
12. River Cross


:: Ouça o álbum:


:: Assista ao videoclipe de “Dance of the Clairvoyants”:

Anteriores 10 PERGUNTAS PARA LOS VOLKS
Próximo A CASA (Hogar / The Occupant, 2020)

2 COMENTÁRIOS

  1. Avatar
    João Pedro
    31/03/2020

    “Há rumores de que o álbum nasceu do pessimismo de Vedder, dos conflitos políticos nos EUA e da incerteza do futuro”

    Mas isso tem um todos os discos.
    No mais, resenha bem fraca.

  2. Avatar
    01/04/2020

    Olá, João Pedro. Obrigado pelo seu comentário. Seria interessante que nos dissesse por que achou a resenha fraca.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *