OCTOBER FACTION (October Faction, 2020 – Primeira Temporada)


Cena da série October Faction para resenha

“Homens, criaturas, drama familiar e Sci-Fi se misturam em série mediana da Netflix.”

Fred Allen (J.C. MacKenzied) e Deloris Allen (Tamara Taylor) formam um casal que, a primeira vista, parece normal. Mas, na verdade, ambos são caçadores de criaturas como demônios, vampiros, lobisomens, bruxas e orcs que vagam pelo mundo. Desde a adolescência, o casal foi recrutado por uma sociedade secreta chamada Presídio que atua em diversos países e possui inúmeros caçadores. Para tal tarefa, Fred e sua esposa precisam levar uma vida disfarçada e escondem, principalmente dos filhos gêmeos Viv (Aurora Burghart) e Geoff (Gabriel Darku), as suas verdadeiras profissões. Quando Fred recebe a notícia de que seu pai morreu e que precisa retornar a sua cidade natal, a situação fica mais complicada e muitas verdades e revelações virão à tona.

O diretor Damian Kindler (Krypton, A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça) faz uma adaptação da graphic novel de Damien Worm e Steve Niles (também autor da HQ 30 Dias de Noite – Contos de Terror). Sim, a série ganha muitos aspectos dos quadrinhos como cenas rápidas de ação, linguagem visual bem marcante e diálogos ágeis. Unindo elementos de filmes que exploraram os quadrinhos como Sin City e de séries famosas de terror a exemplo de Sobrenatural, a criação de Kindler fica numa regularidade e se perde sobretudo depois da metade da temporada ao querer juntar muitos detalhes na tela que acabam não justificando a principal proposta que ela almejava: ter uma trama focada e bem sustentada entre homens e criaturas convivendo no mesmo espaço.

A série acaba abordando várias gêneros/temáticas. Parte para o horror quando faz várias referências às criaturas que ficaram famosas dentro do gênero, coloca sci-fi no caldeirão quando traz o cientificismo e a tecnologia envolvida pela Presídio na captura dos monstros e não deixa de lado a carga dramática trabalhando em demasia com o drama familiar. Os filhos Viv e Geoff são bem destacados pela trama por nunca conseguirem fazer amizades tão facilmente e pela dificuldade de adaptação pelas frequentes mudanças de países. Na terra natal dos seus pais então, sofrem bastante para se ajustarem aos outros jovens.

Dessa forma, a série tenta trabalhar com outras questões que comumente geram polêmicas como bullying, homossexualismo, elitismo e traição entre amigos, pena que tudo resvala para um roteiro adolescente demais com uma rebeldia juvenil insossa que acaba não fazendo jus e até empaca um pouco o progresso da trama com personagens que parecem desnecessários.

Os pais acabam trazendo um pouco da graça ao seriado. Por meio de um humor leve ou até mesmo negro, a dupla garante alguns bons momentos: a cena do supermercado, por exemplo, onde o casal discute quem deve ficar com a faca ou com o revólver para abater supostos demônios que estão no estabelecimento. Por meio de constantes flashbacks, vamos conhecendo melhor a dupla, como se conheceram e como partiram para essa profissão, o que, de certa forma, até faz o espectador ter um carisma com ambos os personagens.

October Faction vai apresentando outros personagens ao longo dos episódios. Não erra ao colocar a história de todos, contando de forma correta com muitos flashbacks como cada um chegou ali e qual sua finalidade na trama, em contrapartida, o excesso de alguns elementos na série bem como de personagens acaba soando exagerado e muitos ficam desfocados no término da temporada (resta aguardar como poderão ser encaixados caso haja uma segunda temporada). A narrativa também entrega revelações contundentes até o final para dessa forma chocar bastante o espectador, inclusive em relação a própria família Allen.

Numa conclusão que reúne vários interesses e descobertas, a série tenta se segurar colocando alianças inesperadas, reviravoltas e mudanças de personalidade. E claro, não podem faltar as lacunas e os ganchos para uma posterior temporada (porém é preciso mexer em alguns elementos para retornar melhor e mais atraente).

NOTA: 6,0


NOTA DOS REDATORES:

Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:
Marcello Almeida:

MÉDIA: 6,0


LEIA TAMBÉM:

RESENHA: A CAÇADA (Hunters, 2020 – Primeira Temporada)
RESENHA: LOVE, DEATH & ROBOTS (Love, Death & Robots, 2019)


:: FICHA TÉCNICA:
Temáticas: Drama, Horror, Sci-fi
Emissora: Netflix
Temporadas: 1 (a segunda ainda não foi confirmada)
Episódios: 10 (com duração entre 35 a 50 minutos)
Criador da série: Damian Kindle
Produtores: Damian Kindler, James Thorpe, Eric Bimberg, Thomas Walden, Lydia Antonini, outros
Elenco: Tamara Taylor, J. C. MacKenzie, Wendy Crewson, Megan Follows, Aurora Burghart, Gabriel Darku, Maxim Roy, outros
Censura: 16 anos
Avaliações: IMDB / Rotten Tomatoes

 


:: Assista ao trailer:

Anteriores CITY AND COLOUR - A Pill for Loneliness (2019)
Próximo SHOPPING - All or Nothing (2020)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *