LANÇAMENTOS DA SEMANA: Suede, Trentemøller, Aerofall, The Orielles & mais


The Orielles band, 2022
The Orielles

Singles, EP’s, álbuns, o volume de lançamentos é imenso e, sabemos de antemão que é impossível cobrir a vastidão de novidades que pipocam todos os dias nas plataformas de streamings, nos sites de música, etc. Lançamentos da Semana passa a ser “um braço” da Coluna Parabólica. Segue alguns trabalhos lançados durante essa semana e respectivos áudios/videoclipes.

That Boy on the Stage, do Suede

Nesse momento já sabemos que o Suede tem mais um álbum chegando e que a banda segue apresentando as faixas desse novo trabalho, intitulado Autofiction. “That Boy on the Stage” se junta a “She Still Leads me On” e “15 Again” e já apresenta um pouco do panorama do novo disco, chamado pelo vocalista Brett Anderson de “nosso disco Punk”. Sobre a faixa, Brett afirmou ser “sobre a pessoa que nos tornamos”.

Into the Silence, de Trentemøller

Responsável por um dos grandes álbuns de 2022, o produtor e músico Anders Trentemøller aproveitou uma pausa na agenda de shows e resolveu voltar ao estúdio para gravar “Into the Silence”. Segundo o músico, ele queria gravar uma faixa para a vocalista Dísa, que tem lhe acompanhado nas apresentações da turnê: ” After finishing our first leg of the tour, I immediately went to the studio and wrote the music for this song. It really came to me easily as I felt quite inspired. Dísa then wrote this beautiful and bittersweet text that compliments the music so well I think. And her unique voice just melts into the music in a very natural way.”

Heads, de Aerofall

A banda Shoegaze/Noise-Rock russa, de Rostov na Donu, Aerofall vem com seu terceiro disco em outubro, RH, e “Heads” é um dos singles do novo álbum. São cinco anos desde o ótimo Forms (2017), o lançamento é pelo selo independente japonês Hands and Moment e para jogar o disco na praça a banda enfrentou diversas dificuldades,. Baixo pronunciado, trama de guitarras fazendo um inferninho noise é o que há de se encontrar por aqui. Ah, tem também os vocais matadores da guitarrista Yana Komeshko.

Slight Variations, de Fujiya & Miyagi

Slight Variations é o novo da banda baseada em eletrônica Fujiya & Miyagi, que já havia apresentado um primeiro single, “Digital Hangover”, e agora solta a faixa que dá nome ao novo disco. Nono álbum de estúdio do grupo, Slight Variations dá continuidade aos álbuns de inéditas da banda de Brighton, cujo último lançamento foi o álbum Flashback, de 2019. “Há dois significados por trás de Slight Variations como título. O primeiro é que, embora biologicamente sejamos praticamente iguais, são as diferenças que tendem a nos definir e causar atritos e mal-entendidos. O segundo é um aceno para a sugestão de que todos os nossos discos soam semelhantes uns aos outros, quando todos soam bem diferentes para mim. Há um fio em tudo o que fazemos, mas sempre tentamos levar as coisas adiante”, ponderou o vocalista e guitarrista David Best.

Beam/s, do The Orielles (FOTO DE DESTAQUE)

Sedutor e corajoso talvez sejas dois bons adjetivos para definir o novo single “Beam/s” do trio mancuniano The Orielles. Os vocais hipnóticos justificam a sedução, e a escolha de uma canção de quase oito minutos para single define a postura do grupo. Repleta de variações ao longo do percurso, a faixa faz parte de Tableau – que trará dezesseis faixas -, vindouro álbum de Esmé Hand-Halford, Sidonie Hand-Halford e Henry Carlyle-Wade. Segundo a banda, a faixa se chamava inicialmente Brian Emo, e acrescentaram que: “Esta é uma música que viajou, cresceu e se adaptou conosco através de todas as estações”. O novo disco precede outros tr~es trabalhos lançados pelo grupo: Silver Dollar Moment (2018), Disco Volador (2020) e La Vita Olistica (2021)

Vibe, do Editors

Surgida no boom do revivalismo Pós-Punk dos anos 2000, o Editors segue mudando sua sonoridade. É verdade que a banda já havia flertado com a eletrônica em trabalhos anteriores, sem que tenha alcançado resultados muito empolgantes. Passados quatro anos desde Violence (2018), a banda liderada pelo guitarrista/pianista/vocalista Tom Smith vem com EBM (Eletronic Body Music?), o primeiro álbum com Blanck Mass, novo membro do grupo, que nas palavras de Smith: “Ben has certainly been a shot of adrenaline in our creative process. The songs are so immediate and in your face”. “Vibe” é o quarto single do disco, que sai no 23 próximo.

Monster, de The Soft Moon

The Soft Moon apresentou mais uma do album Exister, é “Monster”, que veio junto com um provocante videoclipe em que a câmera foca na imagem de um homem em processo de transformação. “The song to me evokes a real sense of underlining ache. I knew immediately that the video should be a metamorphosis, a person’s body transforming into something hideous. It’s definitely a literal visual interpretation of what the song is about but I really wanted the transformation from one physical shape to the other to be slow, painful and almost organic”, disse o diretor Bryan M Ferguson. Exister será lançado no dia 23/09 pela Sacred Bones Records.

BONUS

Literary Mind, de Sprints

There’s No Way, de Unloved

Promise, de Knifeplay

Marcy, de Milly

Previous Assustados Titãs lançam 'Olho Furta-Cor' e ficam cada vez menores
Next Os 30 anos de 'Copper Blue', do Sugar, álbum que trouxe a volta do peso das guitarras

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *