PIROSHKA – Brickbat (2019)


Foto da banda Piroshka para resenha do álbum "Brickbat"

“Projeto de egressos da cena indie inglesa rende álbum interessante”

O nome é incomum, “Piroshka”, uma variação de Piroska, que traduzindo do húngaro seria “pequena chapeuzinho vermelho”. É interessante por não remeter a nada e também porque sempre que googlearmos cairemos irremediavelmente no recém formado combo britânico.

Por detrás do grupo, nomes “comuns” para quem acompanha a cena indie inglesa dos anos 80 e 90, desconhecidos decerto para a maioria dos mortais: Mick Conroy (baixista do Modern English), KJ “Moose” McKillop (guitarrista do finado Moose e esposo de Miki), Justin Welch (baterista da finada banda Elastica) e Miki Berenyi, (guitarrista, vocalista e musa do também finado Lush). Alguns dirão supergrupo, nesse caso, um exagero.

Se você não conhece e nem ouviu nenhuma dessas bandas, principalmente o dream-pop delicado construído por Berenyi com seu Lush, então tudo será novidade na música do grupo.

O “principalmente” ali atrás é porque, embora a música do Piroshka queira fugir das associações, os vocais de Berenyi trarão a aura da sua finada banda inevitavelmente. E isso tanto pode ser bom quanto ruim.

A notícia boa é que as composições ficaram divididas entre o quarteto, gerando arranjos e referências mais diversas dos que se pode encontrar em qualquer álbum do Lush ou de alguma das outras bandas citadas, ainda que aqui e ali surja uma cançãozinha com frescor dream-pop consanguíneo do Lush. Ao mesmo tempo, é um disco que musicalmente está direcionado para o presente, embora não se fixe em nenhuma tendência musical.

“Brickbat” é diversificado e coeso, variando entre momentos deliciosos “Village of the Damned”, “Blameless” e “What’s Next”; outros interessantes “This Must Be Bedlam” e “She’s Unreal”; e outros apenas OK. É aquilo que a proposta de pronto sugere: um grupo de amigos que amam música e se juntam para tocar, compor e o que vier será consequência, a diferença é que ao invés de jovens iniciantes, é um grupo de coroas tarimbados e calejados por esse troço chamado music business.

:: NOTA: 7,5


NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Eduardo Salvalaio:
Isaac Lima:

MÉDIA: 7,5


::LEIA TAMBÉM:

LUSH – Blind Spot EP (2016)
PIROSHKA :: TUDO SOBRE “BRICKBAT”, ÁLBUM DO NOVO GRUPO DE MIKI BERENYI


Capa do álbum "Brickbat", da banda Piroshka

::FAIXAS:
01. This Must Be Bedlam 02:56
02. Village Of The Damned 04:56
03. Never Enough 03:58
04. Blameless 04:22
05. What’s Next 04:46
06. Hated By The Powers 05:29
07. Run For Your Life 03:34
08. Heartbeats 03:29
09. Everlastingly Yours 04:29
10. She’s Unreal 05:18
::


:: Ouça o álbum:

Anteriores JENNY LEWIS – On The Line (2019)
Próximo RADIOHEAD :: Ed O'Brien lançará esperado álbum solo em setembro

2 COMENTÁRIOS

  1. Ângelo Fernandes
    Ângelo Fernandes
    10/04/2019
    Responder

    Pois é… Projeto bacana com gente (músicos) bacana, resultado: interessante despretensão. Resenha eficiente (dá o recado de forma direta e com informações até essenciais) sendo ao mesmo tempo uma boa dica.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.