WIFI RALPH: QUEBRANDO A INTERNET (Ralph Breaks The Internet, 2018)


“Apesar de continuação, ‘WiFi Ralph” caminha com pernas próprias”

Desde a aquisição da Pixar pela Disney, na década passada, o estúdio tem ganhado um folego de sobrevida no mundo das suas próprias animações. Como diretor criativo dos estúdios de animação e assessor principal da Walt Disney Imagineering – o departamento encarregado de desenhar e construir os parques temáticos da Disney -, John Lasseter, a mente criativa por trás dos estúdios Pixar, ganhou carta branca para fazer uma revolução na forma como seriam produzidos os filmes da produtora.

Suas animações começaram a ressurgir aos poucos, mostrando uma aura de magia que tinha se perdido com o passar dos tempos. Recuperando o prestigio e sucesso de público e principalmente de critica com protagonistas femininas fortes em filmes como “Frozen”, “Moana”, “Zootopia” e “Detona Ralph”.

Este último foi uma das melhores animações desse retorno. Apresentava um filme com um personagem complexo, que não se encaixava no papel que havia sido estabelecido para ele. Esse tipo de negação permeava toda a animação, incluindo o restante dos personagens, que evoluíam com o passar do filme. Seguindo a Jornada do Herói, Ralph vai de encontro aos prognósticos de sua existência.

Um filme complexo travestido de animação para crianças que se tornou sucesso de critica e público. Mesmo com todas as mudanças influenciadas pela Pixar, o filme apresentava marca e textura das animações Disney e sucessos de outrora.

“WiFi Ralph: Quebrando a Internet” traz uma nova trama, com antigos e novos personagens e uma nova abordagem. A amizade entre Ralph e Vanellope, cresceu com o passar do tempo, mas com uma diferença: Ralph conseguiu ser reconhecido pelo trabalho que desempenha e gosta da sua vida como ela se encontra, sem mudanças, sem nenhuma novidade, e tendo sempre ao fim do dia a companhia de sua amiga para partilhar os bons momentos de sua vida. Enquanto Vanellope, por mais que adore a companhia de seu grande amigo, sente que sua vida é monótona, e começa a manifestar a necessidade de mudanças. E essa mudança acontece quando ambos descobrem a existência da internet.

Com um mundo de possibilidades, o roteiro consegue dar vida ao ambiente da internet de forma crível e criativa.

Grandes páginas da internet são mostradas como corporações. A maneira como funcionam e como as pessoas são representadas nesse mundo é fantástica. Tudo foi pensado de forma ser o mais realista possível, e diverte o público ao mostrar todo aquele mundo sendo descortinado. Google, Twitter, Youtube, Ebay e outros são representados para dar uma relação de imersão, desde os spams até os jogos de novíssima geração e seus personagens ultra-realistas. Destaque em uma cena especifica e que é mostrada no trailer: quando Vanellope encontra no site da Disney as princesas daquele estúdio, cada uma com sua personalidade.

Outro detalhe a ser observado é o que diz respeito os comentários, representado de uma forma nociva, retratado de forma fiel ao motivo do termo: Nunca Leia os Comentários!

Com a utilização de planos abertos, para dar a impressão da imensidão daquele novo mundo a ser desbravado, o longa apresenta uma imensidão com cores e imagens vivas, o que torna o passeio por esse mundo uma experiencia das mais belas entre as animações da Disney. Em alguns momentos, devido ao cuidado e apuro técnico, lembra “Zootopia”, com todos os detalhes dos diversos mundos animais. E o som, pontuando a ação dos personagens, casa perfeitamente com o que é mostrado na tela.

Não se deve falar de filmes de animação sem comentar como cada vez mais os atores “digitais” se mostram mais humanos que muitos atores reais, mostrando uma vivacidade e simpatia a ponto do expectador simpatizar e se importar com estes.

Inferior ao primeiro filme, mas com sua própria aura, “WiFi Ralph” demonstra que a Disney precisava apenas se reinventar para encontrar o caminho de volta aos trilhos e se mostrar como uma das grandes do mercado das animações. É um filme que precisa ser visto em tela grande para curtir toda a experiencia daquele mundo.

:: NOTA: 7,8
__________________________

NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Salvalaio: –
Eduardo Juliano: –
Luciano Ferreira: –

MÉDIA: 7,8
__________________________

:: LEIA DE ISAAC: HEREDITÁRIO (HEREDITARY, 2018)

:::

:: FICHA TÉCNICA:

Gênero: Animação, Aventura, Comédia
Duração: 1h52min
Direção: Phil Johnston, Rich Moore
Roteiro: Phil Johnston, Pamela Ribon
Produção: John Lasseter, Clark Spencer
Vozes: John C. Reilly, Sarah Silverman, Gal Gadot, Taraji P. Henson, Jack McBrayer, Jane Lynch, Alan Tudyk
Lançamento: 21 novembro 2018 (EUA), 03 janeiro 2019 (BRA)
Censura: Livre
IMDB: WiFi Ralph: Quebrando a Internet

:::

 

:: Assista abaixo ao trailer:

Anteriores FOALS :: Dois álbuns e single "Exits"
Próximo MUDHONEY - Digital Garbage (2018)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *