THE SLOW SHOW – Lust And Learn (2019)



“Lust And Learn encanta o ouvinte por meio de uma banda aprendendo a amadurecer.”

The Slow Show é uma banda britânica (de Manchester) que teve sua origem por volta de 2010. Entretanto foi em 2015 que lançaram o début White Water atraindo atenção de público e crítica. Os belos arranjos, a música poética para enaltecer os sentimentos, sonoridade buscando traçar um elo musical que transita entre The National, Elbow e Tindersticks, a voz nasalada e comovente de Rob Goodwin mesmo proferida em frases curtas. Características essas que ajudaram a banda em sua construção musical.

Como é de praxe nos trabalhos do grupo, as aberturas sempre convencem e levam o ouvinte a percorrer o caminho adiante, sem medo e sem remorsos. Lust And Learn não poderia ser diferente. Com uma das aberturas mais bonitas de 2019, a instrumental “Amend” tem levada melancólica que apresenta um piano de diversos tons e aos poucos abre espaço para a bateria, mas a faixa é, na verdade, um ensaio para o começo da sensível e emblemática “Eye To Eye”. Como é prazeroso ouvir o refrão ‘this city gets me down’ ecoando pela faixa na voz tocante de Goodwin.

Lust And Learn é um disco que mantém o padrão balanceado das composições e que define um grupo assumindo sua identidade. Arranjos criativos e belos trabalhos vocais (inclua também o coro de vozes) se sintonizam em prol de melodias cativantes e grudentas.

“Vagabond” ganha vida com sopros e remete a uma sonoridade similar ao Beirut (outra influência dos ingleses?), “Exit Wounds” e “Hard To Hide” trazem um dueto memorável entre a cantora Kesha Ellis e Goodwin realçando a importância de unir vocal feminino e masculino em canções, “Sharp Scratch” trafega soberana entre a calmaria de um folk e a explosão de uma orquestra ensurdecedora com direito a explosão de guitarras.

Chegando perto de uma década de existência, ganhando maturidade e com uma discografia em constante ascensão, The Slow Show tem suas similaridades e limitações musicais sim, porém faz música que toca o coração do ouvinte, que é, talvez, a primeira meta que essa arte precisa cumprir.

NOTA: 8,0


NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:

MÉDIA: 8,0


::LEIA TAMBÉM:
THE NATIONAL – I AM EASY TO FIND (2019)
STUART A. STAPLES – ARRHYTHMIA (2019)


::FAIXAS:
01. Amend
02. Eye To Eye
03. Low
04. Hard To Hide
05. St. Louis
06. Loser’s Game
07. Breath Air
08. The Fall
09. Vagabond
10. Sharp Scratch
11. Exit Wounds
12. Places You Go


::Mais Informações: Facebook/Site oficial


::Ouça “Hard To Hide”:

Anteriores DARKSIDERS III (Gunfire Games, 2018)
Próximo MUNA – Saves The World (2019)

2 COMENTÁRIOS

  1. Avatar
    Ângelo
    16/09/2019
    Responder

    Parabéns pela boa resenha Salvalaio… Álbum interessante que, de certa forma, foge um pouco do que se tem produzido. Também meu total apoio por manter o site na ativa – vida longa ao Urge!

  2. Avatar
    Eduardo Salvalaio
    19/09/2019
    Responder

    Obrigado, Ângelo, por seu comentário e pelo elogio. Conforme dito na resenha, o The Slow Show tem uma sonoridade que reúne características de outras bandas como The National e Tindesrticks, mas não deixa transparecer alguma em específico e cada vez mais vai assumindo sua identidade e criando melodias cativantes. Quanto a atividade do site, com certeza essas informações não podem parar até mesmo para divulgarmos bandas que ainda passam batidas mesmo nessa dimensão imensa que é a internet. E aqui a gente faz essa busca e divulgação, até mesmo eu já descobri muitas coisas interessantes através de meus colegas e dos colaboradores e participantes do site.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.