THE NATIONAL – I Am Easy To Find (2019)



“I Am Easy To Find é o The National encontrando outras formas de valorizar sua discografia.”

The National cresceu. Uma banda com início quieto, sem muito estardalhaço. Com o tempo, ao lançar discos mais maduros, ganhou fãs e hoje pode ser considerada como uma das mais queridas do cenário musical. Grupo que se manteve firme em sua formação com competentes membros: as guitarras dos gêmeos Dressner, o baixo elegante de Scott Devendorf, a bateria desnorteante de Bryan Devendorf, muito menos podemos nos esquecer do carismático líder Matt Berninger e seus vocais derramando poesia. Some a isso a construção de uma sonoridade influenciada pelo melhor do Post-Punk com inserções de violinos, pianos e sopros para se atingir um casamento perfeito com o orquestrado. Porém, algo ronda o The National nos últimos anos. Existe um clima de atipicidade (bem-vinda) em seus discos que começou a tomar forma principalmente desde o trabalho anterior, ‘Sleep Well Beast’ (2017).

Sem sair por completo da sombra do pós-punk, Matt e companhia viram que a necessidade de alcançar outros territórios sonoros era preciso para avançar na maturidade.

A constante colaboração de cantoras nos últimos trabalhos tem progredido bastante. Nesse álbum temos a participação de Lisa Hannigan, Mina Tindle, Sharon Van Etten e Gail Ann Dorsey (ex-baixista de David Bowie) que surpreende num belo dueto com Matt em ‘You Had Your Soul With You’. Essa presença feminina garante uma aproximação e um equilíbrio maior sobretudo com as letras que ganham tons confessionais e românticos. Além disso, o disco ganha um leque variados de vocais não focando apenas em Matt Berninger.

A banda também vem agregando mais elementos eletrônicos, sem perder a verve roqueira que cultivou desde o início de carreira. Faixas como ‘Quiet Light’ e ‘The Pull Of You’ ganham realces eletrônicos, contudo não impedem a força do poder característico da banda (a guitarra e a cozinha marcantes típicas da escola punk-rock). Também destaque desse oitavo trabalho dos americanos é dar crédito ao coro de vozes nas canções, é onde surge outra colaboração fundamental no trabalho: o Brooklyn Youth Chorus. ‘Dust Swirls In Strange Light’ e ‘Underwater’ abrem uma faceta mais etérea e funcionam muito bem na dinâmica que o The National vem almejando.

:: NOTA: 8,0


NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:

MÉDIA: 8,0


:: LEIA TAMBÉM:
MERCURY REV – BOBBIE GENTRY’S THE DELTA SWEETE REVISITED (2019)
THE NATIONAL – SLEEP WELL BEAST (2017)


::FAIXAS:
01. You Had Your Soul With You
02. Quiet Light / 03. Roman Holiday
04. Oblivions / 05. The Pull Of You
06. Hey Rosey
07. I Am Easy To Find
08. Her Father In The Pool
09. Where Is Her Head
10. Not In Kansas
11. So Far So Fast
12. Dust Swirls In Strange LIght
13. Hairpin Turns /14. Rylan
15. Underwater /16. Light Years


::Mais Informações: Facebook/Site oficial


:: Assista ao vídeo de ‘Light Years’:

Anteriores 7 PERSONAGENS INTELIGENTES DE SÉRIES
Próximo LEGO THE INCREDIBLES (Lego Os Incríveis, 2018)

1 COMENTÁRIO

  1. Ângelo Fernandes
    Ângelo Fernandes
    01/06/2019
    Responder

    Uma banda que mantém um bom padrão de qualidade (regularidade) – já também uma das mais belas capas de álbuns deste 2019 (isso dá uma Lista de 7). Mais uma resenha acertada… Parabéns Salvalaio!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.