Zola Jesus, Hatchie, Emma Ruth Rundle e mais nos destaques da semana


Colagem com Hatchie, Zola Jesus e Emma Ruth Rundle

O que era para ser uma coisa e acabou virando outra, ou seja, por que criar uma outra coluna se já temos uma para falar das novidades musicais da “semana”? Então a Parabólica vai seguir agora nessa pegada com uma Playlist que engloba os lançamentos da semana, focando mais em singles e EP’s, e no estilo Rápido & Rasteiro, numa homenagem à Revista Bizz.

A Playlist da semana 12 de 2022, finalizou com 30 faixas e quase duas horas de música.

:: Os irlandeses do Fontaines D.C. soltaram a faixa título de seu novo álbum Skinty Fia, a sair em abril, e que deve ser o último single a preceder o disco novo :: Os sumidos do Shearwater, que andaram com alguns projetos interessantes durante a pandemia (como a releitura dos três álbuns da fase Berlim de Bowie: Low, Lodger e Heroes) apresentaram o primeiro single de The Great Awakening, que sai em junho, a longa “Xenarthran” :: Bright Eyes se junta a Phoebe Bridges para homenagear Elliot Smith numa versão guitarreira de “St. Ides Heaven”, faixa do álbum de 1995 do saudoso guitarrista/vocalista, a sair no EP Letting Off The Happiness: A Companion :: Falando em se juntar, dois ícones da música Pop Eletrônica da década de 80, Soft Cell e Pet Shop Boys, estão juntos em “Purple Zone”, que tem vocais divididos entre Marc Almond e Neil Tennant e vai estar no próximo álbum do Soft Cell após um longo “sono”, Happiness Not Included; e Moses Sumney se juntando ao Son Lux na cinematográfica “Fence” :: E aproveitando o início de sua turnê norte-americana, os inclassificáveis do Black Midi lançaram um EP de três faixas com releituras de Taylor Swift, Robert Fripp e Captain Beefheart :: Em pegada totalmente Dream-Pop (lembrou Cocteau Twins), Harriette Pilbeam e seu Hatchie soltam a viciante “Lights On”, como parte de seu segundo álbum, Giving The World Away :: Numa pegada de piano melancólico, Lala Lala AKA Lillie West, apresenta a faixa “Memory”, canção que não saiu em seu disco do ano passado, I Want the Door to Open e que segundo a vocalista é sobre ‘recordação eufórica’ e deixar de lado a fantasia :: Teve também as parcerias entre Trent Reznor e Danny Elfmann, dois artistas tarimbados em trilhas sonoras; Michael Stipe e Mykki Bianco e balada do Red Hot Chili Peppers (todo álbum tem uma ou duas…); e Bauhaus saindo das catacumbas com uma faixa produzida ao estilo “cada um faz sua parte aí e vamos ver no que dá”, também chamado “exquisite corpse” :: Curtimos muito o single dos debutantes do Astrel K, “”Is It It Or Is It Is I?”, um Pop cheio de bucolismo :: Tem mais coisas a serem descobertas na Playlist, e uma das grandes faixas, na nossa opinião, é a nova de Zola Jesus, “Lost”, densa e com uma mensagem forte :: Emma Ruth Rundle segue na melancolia com a acústica “Gilded Cage”, do EP Orpheus Looking Back, bem minimalista :: e esperava um pouco mais do Stars, por seu lado, Kurt Ville segue aquela pegada com influência de Folk-Rock que dificilmente erra :: e mais…

Ufa! É isso. Qual sua faixa preferida da playlist? Ajude a fazer as próximas colunas, mande-nos recomendações para a próxima coluna por aqui mesmo.

Hasta la Vista!

Anteriores A confusão com ‘Ecstasy and Wine’, o disco não autorizado do My Bloody Valentine
Próximo The Sound, a banda que deveria ter sido gigante e fracassou

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *