THE BAND OF HOLY JOY – Manic, Magic, Majestic (1989)


“A vida e sua montanha russa de sentimentos”

Até aqui tenho comentado sobre discos que foram uma espécie de pilar na minha formação musical, muitos deles reconhecidamente influentes na vida de muitas outras pessoas e na história da música.

Mas nem só de standards era feita minha pequena discografia. Entre eles, lá estavam diversos álbuns e bandas pouquíssimo conhecidas e comentadas, mas que acabaram se tornando parte da minha história de vida e se tornando muito queridos.

Dentre esses, destaco este “Manic, Magic Majestic” da The Band of Holy Joy, cujas informações eram pouquíssimas ou nenhuma na época que comprei. Hoje estou informado que a banda surgiu em Londres e que esse é o seu oitavo álbum, numa carreira iniciada nos primeiros anos da década de 80.

Como minha “carreira” de comprador de discos e pesquisador de novas bandas passou por fases diversas, não tenho como ser exato sobre que tipo de som estava ouvindo na época que comprei o disco, afinal sua sonoridade foge completamente aos padrões musicais que costumava escutar na época, muito provavelmente bandas pós punk inglesas ou com guitarras barulhentas.

A música que sai do disco é recheada de elementos folclóricos e certo ar circense. Não há guitarras distorcidas. Não há baixos densos. Não há baterias tribais. Os elementos clássicos do chamado rock’n’roll, não são os elementos básicos, mas metais, cordas, pianos e até xilofone, em arranjos bem construídos que compõem canções muitas vezes repletas de saudade como nas inesquecíveis “Tactless”, “Manic Magic, Majestic”, “What the Moon Saw” e “Blessed Boy”.

Era um dos discos que ouvia quando queria “refrescar” minha mente de guitarras barulhentas ou canções densas. Um disco que aprendi a gostar e descobrir sua beleza.

Lembro que comprei a um preço mais baixo que o normal porque a primeira faixa estava arranhada e provocava um chiado a partir de determinado momento, algo que inicialmente não me incomodou, mas que com o tempo começou a me deixar chateado, pois comecei a gostar do disco a tal ponto que pensava ser uma injustiça que num disco de tantas qualidades houvesse acontecido algo tão “cruel”.

Ouvindo-o hoje em dia, percebo que o mesmo pouco envelheceu e que algumas de suas canções poderiam facilmente estar tocando nas rádios e muitas pessoas pensariam ser um disco lançado recentemente.

Não o tenho em CD, fiz algumas pesquisas e percebi que até no EBAY é difícil de encontrá-lo. Esse é mais um da minha lista a ser recuperado. Não faz parte das listas de discos clássicos da música, mas faz da lista da minha vida.

:: FAIXAS:
01. Route To Love
02. Baubles, Bangles, Emotional Tangles
03. Nightjars
04. Tactless
05. You’ve Grown So Old In My Dreams
06. Killy Car Thieves
07. Where It Hurts
08. Bride
09. Manic, Magic, MaJestic
10. What The Moon Saw
11. You’re Not Singing Anymore
12. Blessed Boy

:: Assista ao vídeo de “Tactless”:

Anteriores WILD BEASTS – BOY KING (2016)
Próximo Black Mirror (Black Mirror)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.