THE FLAMING LIPS – American Head: Musicalmente acessível e liricamente doloroso


The Flaming Lipas - American Head, Wayne Coyne

Não há dúvidas de que o The Flaming Lips é uma das bandas mais criativas, prolíficas e inquietas da atualidade. Com uma carreira sólida e um nome estabelecido no panteão da música pop, o grupo de Wayne Coyne prefere não permanecer recluso na sua “bolha” lançando álbuns e fazendo shows. É espantosa a quantidade de colaborações, trilhas, tributos e outros projetos paralelos em que a banda costuma se meter ou criar, num processo de contato permanente com artistas dos mais diversos, que inclui Miley Cyrus, Karen O (Yeah Yeah Yeahs), Mick Jones (The Clash), Henry Rollins, o duo Deap Vally,  e tantos outros nomes que encheriam uma página.

Diferente de muitas bandas que se encastelam em sua fama, o grupo de Oklahoma opta pela troca constante de experiências com outros artistas em formatos variados, vide o álbum do projeto Deap Lips (Deap Vally + Flaming Lips), lançado também nesse ano. Às vezes a impressão é de que a banda está em todos os cantos que se olha, levando um pouco de si, trazendo um pouco dos outros. E esse processo parece salutar, já que a chama criativa do grupo parece não se apagar.

Dentro do seu universo, é fácil identificar as correntes encontradas em suas canções, variam de álbum pra álbum, ou podem estar todas juntas num mesmo trabalho. Num retrospecto recente: Embryonic (2009) e The Terror (2013) primam pelo experimentalismo indecifrável; Oczy Mlody (2017) é psicodélico, percussivo, denso e minimalista; King’s Mouth (2019) explora o território mais eletrônico, próximo dos blips e blops de Yoshimi (2002).

American Head, seu décimo sexto álbum de carreira, embrenha-se em paisagens bucólicas com o acústico sendo revestido por arranjos suntuosos e pequenos e sutis elementos que surgem e se vão mas sem tirar a atenção da canção.

É fácil visualizar que o esqueleto foi construído em levadas ao violão ou piano. De certa forma, um retorno à zona de conforto. Volte até 1999 e encontre tudo isso em pequenas variações, volte um pouco mais e você encontrará um banda totalmente lisérgica se derretendo em distorções, experimentalismos e poucas melodias.

É esse olhar para trás que está na base de American Head, não no quesito musical, mas nas letras e nas ideias – a capa é uma foto de 1968 do irmão de Wayne Coyne. De forma temática, Wayne se debruça sobre lembranças do seu passado, sem medo de encarar inclusive as mais dolorosas, e compõe um dos álbuns mais emocionalmente intensos e também acessível, do The Flaming Lips, com refrões épicos de arrepiar, como na linda “Brother Eye”, cuja letra diz: “Brother, I don’t want you to die / Brother, can you live forever? / Brother, I don’t want to cry / Can you live forever?”. As letras tem papel fundamental para o perfeito entendimento do disco, mostram um lado confessional maior do vocalista, mas sem perder aquele senso psicodélico e irreverencia.

Esse The Flaming Lips mais melancólico surge já no início do disco com “Will You Return/ When You Come Down”, em que Wayne dialoga de forma imaginária com amigos que partiram e cujos fantasmas flutuam ao redor da cama e lhes pergunta se eles voltarão e quando irão descer. E prossegue em “Watching the Lightbugs Glow”, que inicialmente seria instrumental, mas a banda conseguiu que Kacey Musgraves fizesse uns “oh oh oh”. Soa quase como um incidental para a faixa seguinte, mas mesmo sozinha é uma bela canção. E não tem como não lembrar de “The Great Gig in the Sky”, do Pink Floyd, que surge a todo instante nas viradas de bateria típicas do ex baterista da banda progressiva, Nick Mason, incluindo em “Flowers of Neptune 6”, em que o medo de acontecer consigo o mesmo que aconteceu com conhecidos é o tema principal cantado por Wayne.

Há várias canções com pré-refrão, espécie de artimanha para provocar a sensação de crescendo, como em “Dinosaur on the Mountain”, em que o vocalista tem visões de dinossauros: “Eu gostaria que os dinossauros ainda estivessem aqui agora / Seria divertido vê-los brincando nas montanhas”. Na verdade, uma letra feita através de lembranças da infância em que viajava com a família. E falando em família, ela aparece em diversos momentos, na arrepiante “Mother I’ve Taken LSD”: “Mãe, eu tomei LSD / Eu pensei que me libertaria / Mas agora eu acho que me mudou / Isso me mudou …/ Agora eu vejo a tristeza no mundo / Sinto muito, não vi antes”, descrita por Wayne como uma canção devastadora, já que conta um acontecimento real com seu irmão, que tomou LSD e falou para a mãe.

Ao trazer à tona momentos do seu passado, família, drogas e perdas se tornam temas recorrentes nas letras, algo que já fica explícito nos títulos das canções: “At the Movies on Quaaludes” (sobre como os irmãos mais velhos iam ao cinema para ficarem chapados); “Brother Eye” (sobre a morte do irmão); “You n Me Sellin’ Weed” (sobre a época em que vendeu maconha, aos 16 anos, e um amigo se suicidou na prisão  após pegar prisão perpétua por matar um traficante que o ameaçava); “Mother Please Don’t Be Sad” (sobre um assalto no qual pensou que iria morrer e dizia essa frase para a mãe); e “When We Die When We’re High” (sobre um amigo que morreu num acidente de carro e os outros ocupantes ficaram desmaiados).

American Head é um passeio pelo passado de seu autor, guarda similaridades em alguns aspectos com de qualquer um que vai envelhecendo e acumulando perdas (mortes) e ganhos (nascimentos). O álbum foi gravado entre o final de 2019 e janeiro de 2020, logo antes do início da pandemia. Consiste num exercício pesaroso de olhar para trás para entender que é preciso seguir em frente. Musicalmente é como uma visita a lugares conhecidos. Já estivemos nesses ambientes, eles e continuam acolhedores, mais acessíveis, por que não visitá-los mais uma vez mesmo que faça sangrar algumas feridas que pareciam cicatrizadas?


The Flaming Lips - American Head Cover

INFORMAÇÕES:

LANÇAMENTO: 11/09/2020
GRAVADORA: Warner Records | Bella Union
FAIXAS: 13
TEMPO: 50:35 minutos
PRODUTOR: Dave Fridmann
PARTICIPAÇÃO ESPECIAL: Kacey Musgraves | Faixas 2, 3, 12
DESTAQUES:  “Will You Return/ When You Come Down”, “Dinosaur on the Mountain”, “Mother Please Don’t Be Sad” “Mother I’ve Taken LSD”, “Brother Eye”
PARA FÃS DE: Mercury Rev, Psicodelia


TAMBÉM PODE INTERESSAR:

FLAMING LIPS | Oczy Mlody (2017)
FLAMING LIPS | The soft Bulletin (1999)


O ÁLBUM:


O VIDEOCLIPE DE “MOTHER PLEASE DON’T BE SAD”:

Anteriores Em Death Of The Party, The Magic Gang prova ser mais que uma versão inglesa do Weezer
Próximo SHOEGAZER ALIVE #26 | Pia Fraus, Ar Se Adre, The Luxembourg Signal, Nothing e For Sure

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *