O 3º ANDAR – TERROR NA RUA MALASAÑA (Malasaña 32)


Cena do filme Malasaña 32

“Quando a proposta de um filme de terror se torna um terror de filme”

Durante algum tempo a Espanha se manteve presente na lista dos países com boas produções no gênero terror, O Labirinto do Fauno (2006), REC (2007) e O Orfanato (2008) foram filmes que atraíram as atenções para filmes de assustar falados em língua espanhola, ainda que o primeiro citado traga também elementos de drama e fantasia.

Em tempos recentes, filmes do gênero produzidas em terras do pintor Francisco de Goya tem variado entre o mediano e o fraco. Em outros gêneros, segue trazendo ideias surpreendentes, como no ótimo O Poço (2020).

O 3º Andar – Terror na Rua Malasaña entra no rol da produções fracas, recomendamos fortemente que você não perca seu tempo, cerca de cem minutos, com esse filme. Caso queira assistir, boa sorte, mas “Não Diga Que Não Avisei”!.

Cena do filme Malasaña 32

O filme começa em 1972, quando dois irmãos adentram um dos apartamentos do prédio onde moram, em busca de uma bola de gude, lá descobrem que a proprietária está morta.

Passados quatro anos, a família do casal Manolo e Candela, os três filhos e o pai de Manolo, está radiante pela mudança para o seu novo lar em Madrid, o funesto apartamento, que permanece do mesmo jeito desde que sua dona faleceu. A família está em dificuldades e o preço pelo imóvel foi abaixo do mercado.

Já vimos uma infinidade de filmes com essa temática, o mais conhecido talvez seja Poltergeist. A diferença é que, embora feito em 1982, o filme de Spielberg conseguia não só efeitos especiais melhores, um nível de suspense incomparável em relação ao filme do diretor Albert Pintó, escrito a oito mãos, e uma história bem amarrada.

Tirando os efeitos sonoros que até são envolventes e a fotografia correta e até acima do que o filme oferece, tudo conspira para que as coisas não funcionem, principalmente a relação familiar, em que não houve uma preocupação em mostrar o relacionamento das pessoas daquela família, mas parece que cada um vive em seu próprio mundo.

As cenas de suspense são mal construídas e apelam para jumpscares para provocar alguns sustos, há vários clichês do gênero: o telefone que toca ou a TV que se descontrola, a atuação dos atores não convence (eles parecem assustados antes mesmo que algo assustador aconteça) e, o pior, há falhas terríveis: um vinil coberto de poeira tocar normalmente numa vitrola, um idoso que num momento mal conseguia andar sozinho, em outro consegue descer rapidamente as escadas do terceiro andar e por aí vai.

Cena do filme Malasaña 32

Uma subtrama envolvendo a história da moradora até poderia levar a uma discussão interessante, mas como o filme segue raso e sem aprofundamento em qualquer questão, é um assunto tratado de forma rápida. Uma outra subtrama com um dos filhos tem início e não é desenvolvida, ficando no ar.

Enfim, toda a trama do filme é mal desenvolvida e até mesmo o final vai de encontro a uma regra básica de qualquer filme de terror que se preze. Passe longe.

NOTA: 3.0


NOTA DOS REDATORES:

EDUARDO SALVALAIO: –
EDUARDO JULIANO: –
ISAAC LIMA: –
MARCELLO ALMEIDA: –

MÉDIA: 3.0


:: LEIA TAMBÉM:

RESENHA: ATERRORIZADOS (Aterrados, 2017)
RESENHA: HAUNT (Haunt, 2019)


Cartaz do filme Malasaña 32

:: FICHA TÉCNICA:

Gênero: Terror, Suspense
País: Espanha
Duração: 1h 44min
Direção: Albert Pintó
Roteiro: Ramón Campos, Gema R. Neira, David Orea e Salvador S. Molina
Elenco:  Begoña Vargas, Iván Marcos, Bea Segura, Sergio Castellanos  e outros.
Data de Lançamento: 22 March 2020 (Brazil)
Censura: 13 anos
Avaliações: IMDB | Rotten Tomatoes

 

 

 


:: Assista abaixo ao trailer:


 

Anteriores SONIC YOUTH | Daydream Nation
Próximo VIVENDO DO ÓCIO | Vivendo do Ócio

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *