HAUNT (Haunt, 2019)


Cena do filme Haunt (2019)

“Apesar dos clichês e previsibilidade, as boas ideias rendem um bom filme”

Vamos falar de Haunt, filme de terror dos bons lançado em 2019?

O filme foi dirigido pela dupla Bryan Woods e Scott Beck – é bom ficar de olho nessa dupla para bons filmes de terror no futuro -, e conta com a produção de Eli Roth. Essa mesma dupla trabalhou como co-autores, junto com John Krasinski, do roteiro de Um Lugar Silencioso (2018).

Analisando a premissa de Haunt em seus primeiros minutos, você pode até pensar que é mais do mesmo, mas não é! A coisa aqui ganha proporções mais densas e dramáticas. O filme remete a atmosfera do Slasher, até esteticamente falando. A fotografia, trilha sonora e as características dos personagens têm certas influencias de obras dos anos 90 ou até mesmo do clássico cult, como Pague para entrar, Reze para Sair (1981), do diretor Tobe Hooper.

A história acompanha um grupo de jovens a procura de diversão em uma noite de Halloween, que vão parar em uma casa assombrada, estilo parque de diversões, com pessoas fantasiadas, sendo logo na entrada são recebidos por um palhaço silencioso. Daí para frente o ritmo começa a ficar frenético. Tão logo eles adentram a tal casa, vão sendo apresentados a outras figuras de palhaços e se envolvendo em situações cada vez mais tensas.

Há um emaranhado de clichês que já conhecemos, mas que funcionam muito bem. O roteiro é bem construído e consegue trabalhar bem as situações da trama.

Tem suas falhas, mas os acertos sobressaem, incluindo aí uma das protagonistas, a personagem Happer (Katie Stevens), que tem um background sombrio, denso, e inclusive apanha do namorado. Assim, além do gore envolvido, o filme faz uma crítica social a violência contra mulher.

Têm suas derrapadas, e algumas cenas são previsíveis. Em outras, que você acha que sabe o que vai acontecer, ele surpreende. Sem contar que o filme passa a maior parte do tempo dentro dessa casa. Com cerca de noventa minutos de duração, não se torna aquela coisa repetitiva e cansativa.

O filme ainda traz na trilha sonora uma ótima cover de “Dragula”, de Rob Zombie, em uma versão mais pop, na voz da cantora Lissie.

E, é esse pacote, com cenas surpreendentes, momentos tensos e uma boa trilha sonora, que fazem de Haunt um filme interessante. Não é uma obra revolucionaria do gênero, mas um filme que está acima da média, se comparado com outras produções do gênero realizadas recentemente. Dito isto, Haunt vale a pena, sim! Assista com uma expectativa moderada e você irá se divertir com certeza.

NOTA: 7,0


NOTA DOS REDATORES:

EDUARDO JULIANO: –
EDUARDO SALVALAIO: –
ISAAC LIMA: –
LUCIANO FERREIRA: –

MÉDIA: 7,0


:: LEIA TAMBÉM:

RESENHA: ATERRORIZADOS (Aterrados, 2017)
RESENHA: AO CAIR DA NOITE (It Comes At Night, 2017)


Cartaz do filme Haunt (2019)

:: FICHA TÉCNICA::

Gênero: Terror, Suspense
Duração: 1h32min
Direção: Scott Beck, Bryan Woods
Roteiro: Scott Beck, Bryan Woods
Elenco:  Katie Stevens, Will Brittain, Lauryn Alisa McClain, Andrew Caldwell e outros.
Data de Lançamento: 13 de setembro de 2019 (EUA)
Censura: 16 anos
Mais Informações: IMDB | ROTTEN TOMATOES

 

 

 


:: Assista ao trailer:


Anteriores AVES DE RAPINA: ARLEQUINA E SUA EMANCIPAÇÃO FANTABULOSA (Birds of Prey, 2020)
Próximo A CAÇADA (Hunters, 2020 - Primeira Temporada)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *