MÁRIO BROSS (WRY) | Discos que mudaram minha vida


Foto Mario Bross, WRY
Foto | Ana Erica

Mário Bross, vocalista/guitarrista da banda alternativa WRY, é o nosso convidado especial.

WRY foi formado em 94, em Sorocaba,  tem cinco álbuns de inéditas e um de covers e vários EP’s e singles. Em 2001, a banda se mudou para Londres onde permaneceu até 2009. Na ativa até hoje, estão finalizando mais um álbum, a ser lançado ainda esse ano.

Mário fez uma lista cronológica de discos que mudaram sua vida, numa viagem que começa no início da década de 80. Ouça a Playlist preparada por ele ao final do texto.


No texto abaixo, eu conto sobre as direções que fui tomando na vida, que foram  influenciadas pelos discos que faziam a minha cabeça em determinados momentos. Não se trata de uma lista dos meus melhores discos, mas da força que os citados exerceram em mim depois que os ouvi pelo primeira vez.

Infância e Adolescência


Double Fantasy – John Lennon (1980)
Tenho muitas memórias remotas dos meus primeiros anos. Durante meus 6 e 7 anos, eu costumava acordar por volta das 10 da manhã e colocar esse disco na pequena vitrola que minha família tinha. John Lennon tinha sido assassinado e estava em alta, mas meus irmãos já gostavam, pois lembro de ouvir bastante a coletânea Shaved Fish (1975) também nessa época e viajar na cabeça. Destaques: “(Just like) Starting Over”, “Beautiful Boy (Darling Boy)”, “Watching The Wheels” e “Woman”.

Works – Queen (1984)
Já poucos anos mais velho, na pré-adolescência, 10 e 11 anos, eu ficava trancado no quarto com esse disco nas alturas. É claro que rolavam dublagens, já que eu ficava sozinho dia sim dia não, pois minha mãe era enfermeira e fazia horários alternados. Nos dias que eu ficava sozinho os vizinhos deveriam me odiar. Eu já assistia programas de música e o videoclipe de “Radio Ga Ga” era inspirador e fazia a gente sonhar. Na mesma época eu também ouvia muito o Creatures of the Night, do KissDestaques: “Radio Ga Ga”, “It’s A Hard Life”, “I Want To Break Free” e “Hammer To Fall”.

Flaunt It – Sigue Sigue Sputnik (1986)
O dia que vi o vídeo de “Love Missile F1-11” minha cabeça explodiu. Foi o primeiro disco que comprei com dinheiro que juntei. O balcão da loja era alto, lembro de levantar o braço para pagar. Eu tinha 13 ou 14 anos. Cortei uma camiseta pra cima do umbigo, tipo mini-blusa, e fui pra escola, imagine a revolução numa escola de periferia numa cidade de interior. Mas isso não se compara com o dia que resolvi levar o radio pra escola para dublar “Twenty First Century Boy” na frente de todos da sala no final de uma aula de sexta. A primeira drag queen de Sorocaba nasceu. Destaques: “Love Missile F1-11″, “Atari Baby”, “Sex Bomb Boogie” e “Twenty First Century Boy”.

Cabeça Dinossauro – Titãs (1986)
Logo no mesmo ano o Titãs lançou o Cabeça Dinossauro e era tudo o que a nossa gangue ouvia. Já me achava crescidinho, flertando com punk e o gótico. Organizava mini festinhas e sessões de dublagens na escola. Agora a gente brincava de banda na frente de todos. Esse era o nosso disco nacional na época, ia pra escola dançando cantando música por música, letra por letra. É claro que amávamos outras bandas nacionais também como Legião Urbana e Ira!Destaques: “Homem Primata”, “Igreja”, “Polícia”, “O Que” e “Bichos Escrotos”.

SUB – Coletânea Punk Nacional (1983)
Conheci essa coletânea na mesma época do meu flerte com punk, entre 1986 e 1987. A primeira vez que cantei com um microfone em mãos, foi um som desse disco chamado Buracos Suburbanos do Psykose, com a banda Podres Sororbanos. Eu era moleque e tinha transformado meu uniforme de policial do seriado Chips, que tinha ganhado da minha mãe, em roupa punk, cortando e manchando com água sanitária. São quatro bandas no disco: Ratos de Porão, Cólera, Psykose e Fogo CruzadoDestaques: “Buracos Suburbanos”, “Quanto Vale A Liberdade”, “Parasita” e “Terceira Guerra”.

Never Mind The Bollocks, Here’s The Sex Pistols (1977)
Outro disco dessa fase que formava a minha cabeça e que mudou o rumo da minha vida. Foi por aí que eu já pensava que queria conhecer a Inglaterra, que queria formar banda e queria pixar os muros e buscar a liberdade. Quantos sonhos, quanta vida pela frente. Nessa época tinha sido lançado o filme Sid e Nancy (1986), o que mexeu muito com a cabeça dos adolescentes. Você achava camiseta dos Sex Pistols em lojas comuns do centro da cidade. O Punk ficou popular de novo nesse período. Destaques: “Holidays In The Sun”, “God Save The Queen”, “Submission” e “EMI”.

The Head On The Door – The Cure (1985)
Em 1987 eu já estava mais “dark” curtindo Echo & The Bunnymen, Siouxsie and the Banshees, The Smiths, The Jesus and Mary Chain e The Cure. Mas nunca deixei o Punk de lado. Só estava crescendo e querendo usar roupas pretas. Às vezes emprestava roupa da minha irmã para causar na escola. The Cure era a trilha-sonora principal. Todos queriam ser o Robert Smith. Eu arrepiei o meu cabelo e andava em grupo como uma gangue. Destaques: “Close To Me”, “Inbetween Days”, “Six Different Ways”, “Push e A Night Like This”.


Juventude

The Joshua Tree – U2 (1987)
Desde de 1985, o U2 era aquela banda que, independente de qualquer coisa, eu amava, colecionava tudo e tinha um verdadeiro fã-clube em material. The Joshua Tree caiu como um asteroide devastando todas as outras bandas da época, eu só tinha ouvidos para ele (e Rattle and Hum). Foi um período viciante. Eu ia nas redações de jornais para fazer xerox das matérias que tinha perdido. Eu trocava cartas com fã-clubes e com o vocalista do U2 Cover. Uma vez vi uma camiseta do U2 num varal em uma casa qualquer, chamei a dona da casa e não sai de lá enquanto ela não me vendeu aquela camiseta da banda que ela nem sabia o que era. Destaques: “Where The Streets Have No Name”, “Exit”, “With Or Without You”, “One Tree Hill” e “Bullet The Blue Sky”.

Green – R.E.M. (1988)
Durante essa piração de fanático pelo U2, a banda resolve dar uma parada em 1989 e ninguém sabia se voltaria. Fiquei órfão e o R.E.M. se tornou a banda querida, mas que eu já curtia é claro. As músicas desse disco e do Document fazia eu imaginar imagens futuras. Eu estava crescendo com alguns sonhos já martelando na minha cabeça. Eu já não dublava mais as bandas há algum tempo, era outro tipo de curtição. A gente se juntava nas casas para ouvir os sons alternativos do Sonic Youth, Nirvana, Pixies e Jesus and Mary Chain. Eu já queria ter a minha própria banda. Destaques: “Stand”, “Pop Song 89”, “You Are Everything”, “Get Up” e “Orange Crush”.

The Stone Roses  – The Stone Roses (1989)
Fui numa loja de disco, provavelmente 1989 ou 1990, e levantei dois discos para meus amigos me ajudarem a escolher. Era esse e o Here Today, Tomorrow Next Week! do Sugarcubes (banda da Bjork). O Luciano (WRY) e o Renato (ex-WRY) apontaram para The Stone Roses. Mais um rumo na minha vida foi tomado. Com certeza sou o que sou hoje muito por causa desse disco. Nunca vou esquecer a tarde que o coloquei para tocar e que fiquei vidrado no toca-discos do começo ao fim. Amei cada segundo. Destaques: “Waterfall”, “Don’t Stop”, “She Bangs The Drums”, “Made Of Stone” e “This Is The One”.

Loveless – My Bloody Valentine (1991)
Apaixonado pelo videoclipe de “Only Shallow” que vi na TV, fui pra capital, São Paulo, na galeria do Rock em busca do Loveless. De quebra trouxe um do Pale Saints e uma VHS do The Velvet Underground. Confesso que a primeira vez que ouvi o disco, que foi numa tarde nublada de sábado, fiquei extremamente confuso, mas ao mesmo tempo apaixonado por aquele som muito fora do comum. Loveless é um daqueles discos que nunca parei de ouvir. Destaques: “To Here Knows When”, “Only Shallow”, “Come In Alone”, “Sometimes” e “When You Sleep”.

Screamadelica – Primal Scream (1991)
Esse disco revolucionário é outro que escuto até os dias de hoje. Aliás, 1991 foi um ano que me trouxe muita alegria em forma de discos; entre tantos clássicos e alternativos, ainda tinha Nevermind do Nirvana e Bandwagonesque do Teenage Fanclub. Screamadelica juntou basicamente todos os gêneros em um único álbum, como Rock, Soul, Psicodelia, Blues, Acid-House, Funk e Dub, num estilo moderno, alternativo e único. Destaques: “I’m Comin’ Down”, “Loaded”, “Come Together” e “Slip Inside This House”.

Live MCMXCIII – The Velvet Underground (1993)
Esse “CD” é ao vivo, dos shows que a banda, que voltou à ativa na época, fez de abertura da turnê Zoo TV do U2. E passou no Multishow. Eu e meus amigos da primeira ideia de banda, e que viria a ser tornar o WRY, ficamos viciados; não só nesse disco, como em todos os outros. Porém os outros álbuns tínhamos em cassete, pois não era fácil de se encontrar. Com 20 anos e felizes com as descobertas, a “banda” fazia ensaios de sábado à tarde com violões no meu quarto e tocava “Heroin” e “Sweet Jane”. Foram momentos muito especiais para nossa formação musical autodidata. Destaques: “All Tomorrow’s Parties”, “After Hours”, “Sweet Jane” e “Femme Fatale”.

Weezer- Weezer (1994)
WRY se formou nesse mesmo ano e quando surgiu o Weezer a gente se identificou muito rapidamente. Eu era o típico indie e não tinha vergonha de falar. Já era um momento pós-noise e Shoegaze. O rock alternativo já era mais acessível e popular para as pessoas. A galera mais velha torcia o nariz pro Weezer, mas eu insistia, levando nos rolês, onde geralmente eu fazia parte do grupinho que colocava os sons. Destaques: “My Name Is Jonas”, “Undone – The Sweater Song”, “Buddy Holly” e “Say It Ain’t So”.

Ritual De Lo Habitual – Jane’s Addiction (1990)
Desde a primeira vez que vi a banda, me identifiquei. Mas esse disco em especial; com a voz poderosa de Perry Farrel e a guitarra delirante do Dave Navarro, foi um dos que mais ouvi no meio dos anos 90 e me influenciou demais. No começo da banda o WRY tocava “Mountain Song” e “Jane Says”, do Nothing’s Shocking. A gente curtia tanto que as pessoas até nos relacionava com a banda de Los Angeles por um bom tempo. Destaques: “Obvious”, “Stop”, “Been Caught Stealing”, “Ain’t No Right” e “Classic Girl”.

13 – Blur (1998)
Eu era “Team Blur”. Já curtia muito Blur e de certa forma o nome WRY veio por causa deles; outra hora conto essa história. 13 é um clássico inglês. Outra droga viciante para mim. Sabe que me apaixonei tanto pelo Blur que comecei a vender lanche nos comércios para juntar dinheiro para ir pra Inglaterra ver um show. Eu sou só um pouco louco. Fui e foi inesquecível. Voltei dessa minha segunda viagem à Londres (tinha ido em 1998) com a música The New Radio Station, que virou um pequeno clássico em nossos shows nos anos que vieram depois. Destaques: “Tender”, “Coffee And TV”, “No Distance Left To Run” e “Bugman”.


Vida Adulta

Is This It – The Strokes (2001)
Com 28 anos, me mudei para Londres junto com toda a gangue. Foi aí que realmente a vida adulta começou, pois eu saí da casa dos meus pais. Chegando em Londres parecia que o rock tinha morrido, era estranho. Felizmente bastou alguns meses para eu ouvir um EP em CDr que um amigo mostrou. Era o primeiro EP dos Strokes. Mais um pouquinho saiu Is This It e minha vida mudou mais uma vez. Assim como a vibe em Londres. Todo mundo na mesma sintonia com suas jaquetinhas de couro e amando Ramones e The Velvet Underground tudo de novo. Foi fascinante. Esse álbum é muito importante para mim até hoje. Destaques: “Hard To Explain”, “The Modern Age”, “Last Nite”, “Someday” e “Take it Or Leave it”.

Before The Down Heals Us – M83 (2005)
Desde o final de 2003 tava um pequena onda revival do Shoegaze e sendo um gênero que eu me identificava bastante, acabei conhecendo diversas novas bandas. O revival virou tendência e surgiram muitos grupos sensacionais. Esse álbum do M83 fez minha cabeça. Mas ouvi muito também o Blackout do Amusement Parks on Fire, Takk do Sigur Rós e Ten Silver Drops do Secret Machines. Tudo isso culminou com o WRY assinar com o selo inglês ClubAC30 e lançar o EP mais Shoegaze da nossa carreira que é o Whales and SharksDestaques: “Teen Angst”, “Don’t Save Us From The Flames” e “Moonchild”.

Within and Without – Washed Out (2011)
Depois que o Shoegaze “voltou” eu basicamente só ouvia discos do gênero, antigos ou novos. Os anos passaram e chegou a hora de voltar ao Brasil. Em março de 2009, eu já estava por aqui e abria o Asteroid, bar em Sorocaba. Nessa mesma época o WRY lançava o disco She Science e com a loucura que foi a abertura do próprio negócio, decidimos terminar a banda. Nenhum disco mais fazia a minha cabeça. Até que numa madrugada em 2011 eu assisti na MTV o vídeo de “Eyes Be Closed”. Foi a porta de entrada para a minha imersão no Chillwave, que é uma espécie de Shoegaze transformado e moderno. Para mim esse disco é perfeito. Destaques: “Amor Fati”, “Eyes Be Closed”, “Far Away”, “Soft” e “Echoes”.

Portamento – THE DRUMS (2011)
Esse álbum, mais o primeiro deles “The Drums”, definiu meu estilo nessa época, por um bom tempo. Mudei até o visual por conta desse indie cool que tava rolando. Até usei bigode hahaha. Eu era DJ residente no Asteroid e estava vivendo uma era eletrizante na noite. E o The Drums foi trilha sonora dessa vibe que eu estava vivendo. Se tornou uma banda querida da qual gosto de todos os lançamentos, incluindo os mais recentes. Destaques: “Days”, “How It Ended”, “Money e Book Of Revelation”.

What Did You Expect From The Vaccines? – The Vaccines (2011)
Com a mesma influência, e pelos mesmos motivos do Portamento, esse disco do Vaccines traduzia perfeitamente como eu era nessa época, que foi até 2013 mais ou menos. A diferença foi que What Did You Expect fez nascer em mim de novo uma vontade de tocar em uma banda. Em 2014 o WRY se juntava para fazer um show em celebração aos 20 anos da formação. Eu tinha 40 anos. Foi tão maravilhosos que no segundo semestre de 2014 a gente resolveu voltar em definitivo. Destaques: “Wetsuit”, “Blow it up”, “Post-Break up Sex”, “Wreckin’ Bar (Ra Ra Ra)” e “If You Wanna”.

Currents – Tame Impala (2015)
Depois de ver o Tame Impala no Popload Gig em 2014 eu me apaixonei. Já gostava, mas foi após o show que tudo mudou. Fiquei muito influenciado naquela noite. Quando lançaram Currents eu perdi o rumo, ou melhor “achei” o rumo. Achei o disco tão musical, tão rico, que eu decidi entrar aprender teoria e técnica musical, algo que nunca tinha feito antes. Fiz um ano inteiro de canto e teclado. Prática e teoria. Senti minha vida musical mudar completamente. O baterista atual do WRY, Italo, é formado em música, mas o baixista William e o guitarrista Luciano, também resolveram aprender mais sobre seus instrumentos estudando na mesma escola. Com isso nossas composições se concluíam mais facilmente, os shows melhoraram e nossos ensaios fluíam e ainda fluem, como nunca antes. Sou grato por isso. Destaques: “Eventually”, “The Moment”, “Yes I’m Changing”, “Love/Paranoia” e “Reality In Motion”.

Agradeço demais todos os discos dessa lista e ainda muitos outros que não entraram, por me fazer o que sou hoje. Com certeza daria para dobrar essa lista, mas enquanto fui contando a história das escolhas que fui fazendo ao longo da vida, esses foram os discos que pipocaram na minha cabeça.


:: Playlist:

Anteriores SEX EDUCATION | Segunda Temporada
Próximo SINGLES & VIDEOCLIPES 04/2020 :: Sexores, The Strokes e mais

3 COMENTÁRIOS

  1. Avatar
    Jana Biggs
    07/04/2020

    Acabei de ler e ouvir a play list do Mario Wry. Foi tão gostoso e inspirador.
    Obrigada Mario por fazer parte da minha vida. Saber que cresci é ouvi esses discos no seu quarto nao tem dinheiro que pague, não tem palavras. Isso me ajudou muito na minha escolhas musicaistb ,na nossas Atitudes e no Crescimento como rockeiros.
    Muitoooo Bom Incentivo das pessoas da urgesite. Obrigada por tudo.

  2. Avatar
    07/04/2020

    Que bom que gostou, Eliana. Breve teremos outros artistas pintando por aqui. Esteja à vontade no Urge!

  3. Avatar
    Mario
    09/04/2020

    Valeu Jana!!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *