DEMO DE RESIDENT EVIL 3: RACCOON CITY (Resident Evil 3: Raccoon City Demo, 2020)


Cena do jogo RESIDENT EVIL 3: RACCOON CITY DEMO

“Demonstração de Resident Evil 3 não faz feio e aumenta a expectativa pelo jogo completo”

Demos sempre são interessantes, sobretudo se o jogo vem cercado de expectativas e é um grande ícone entre os jogadores do mundo todo. O problema maior é deixar aquela sensação de ‘água na boca’ e muitas vezes não ser um produto final, que necessitará de muitos retoques e transformações. Da mesma forma que aconteceu com Resident Evil 2, a Capcom entrega previamente a demo do tão aguardado Resident Evil 3.

Quem jogou RE2, sentirá bastante afinidade com RE3. A coleta de itens e a forma de combiná-los, o uso de pólvoras para criação de munições (da mais comum até a mais rara), o sistema de mira, o temor em abrir cada porta, documentos espalhados pelos cantos contando os fatos sobre a epidemia, cenários com muitos detalhes. Podemos concluir que as novidades incluídas aqui se tratam da esquiva que poderá ser acionada pelo próprio jogador através de um botão (essencial para fugir do Nêmesis) e da faca que passa a ser uma arma com mais importância e que não quebra (ao contrário de RE2). Isso no conteúdo apresentado pela demo, claro.

A Capcom cumpre com a promessa de que a demo de RE3 viria muito menos limitada que a de RE2. Estamos diante de uma demo que exige bastante exploração. Abrir todas as lojas, passar em vários caminhos e encontrar detalhes vai exigir um tempo maior. Importante é que o jogador não foque em atingir apenas o objetivo principal (encontrar determinado item para finalizar a demo), e sim, procure por segredos escondidos pela própria empresa. Existem, inclusive, vinte bonecos (o Mr. Charlie) espalhados em locais estratégicos, alguns precisarão de uma determinada tarefa do jogador para serem encontrados. Vários vídeos circulam pela internet com as variadas descobertas dos jogadores, e olha que a demo mal foi lançada.

Agora vem o mais importante: RE3 continua sendo o jogo da franquia que mais explorou os ambientes exteriores de Raccoon City até hoje, isso até os jogos não partirem para outros lugares e começarem a tomar uma característica mais ligada aos filmes blockbusters de Hollywood (RE4, RE5 e RE6). E essa demo serve para justificar isso, a cidade continua deslumbrantes em todos os aspectos.

É muito bom enfrentar as ruas de Raccoon City novamente, numa nova roupagem. Um belo trabalho da Capcom que faz um cenário com belas locações numa arquitetura magistral. Becos que se interligam com ruas, barricadas afastando zumbis mas que podem se quebrar a qualquer momento, escadas que podem te ajudar a escapar de um zumbi, detalhes que saltam aos olhos e que no futuro renderão muitos easter eggs (podem ter certeza). Tudo tem vida, cor, e funciona bem nessa nova geração de consoles potentes. Em certa hora, foi interessante passar por um beco apertado e, de longe, ver a sombra de um zumbi atacando uma pessoa no chão (quando o survival horror realmente precisa passar medo).

Os puzzles também surgem com mais vida, apesar de que alguns se espelham bastante na versão do jogo original. Tudo indica que, novamente, estarão espalhados muitos cofres pelo jogo (e você precisará decifrar muitos documentos para obter as combinações). De qualquer forma, o básico de RE está intacto: encontrar algum item que será essencial para avançar em alguma parte do jogo. Um detalhe que consideramos bem importante: alguns lugares e armários não abriram, nem atirando ou usando alguma ferramenta específica, mas, mesmo assim, parecem ter uma espécie de tranca especial. Será algum dispositivo novo? Só o jogo completo dirá.

Agora, eis a cereja do bolo: o Nêmesis. Figura implacável do jogo original, agora não perde a pose e vem bem irritante seguindo bastante a personagem Jill Valentine, chegando ao ponto de pular, cercar passagens e com tentáculos que atrasarão a vida dos jogadores. Talvez exista até um exagero para um jogo de survival horror por conta de que Nêmesis esteja mais para um personagem de jogo de luta do que para um monstrengo, porém isso não tira o brilho, de uma forma geral. Com certeza as batalhas serão épicas e estratégias serão necessárias para seguir adiante. O jogo sai no dia 03 de abril e, novamente, Resident Evil será bem falado por algum tempo.

NOTA: 9,5


:: NOTA DOS REDATORES:

Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:
Marcello Almeida:

MÉDIA: 9,5


::LEIA TAMBÉM:

RESENHA: RESIDENT EVIL 2 (2019)
RESENHA: CALL OF CTHULLU (2018)


::FICHA TÉCNICA:
Desenvolvedora: Capcom
Publicado por: Capcom
Gênero: Survival Horror
Diretor: Kiyohiko Sakata
Produtores: Masachika Kawata e Peter Fabiano
Duração: 20 a 40 minutos (dependendo da exploração do jogador)
Classificação: 16 anos (violência extrema, conteúdo sexual, linguagem imprópria)
Preço: gratuito
Plataforma: PS4 (versão testada), Xbox One e PC
Lançamento: 19 de Março de 2020
Mais Informações: Resident Evil 3


::Assista ao trailer do jogo (que sairá em 3 de abril):

Anteriores Charge do dia
Próximo THE BOYS (The Boys, 2019 - Primeira Temporada)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *