Tuyo, Hanging Freud, Mannequin Trees


tuyo

Com algum atraso, certa angústia e muita saudade, retornamos com a seção Parabólica da semana, mapeando o país em busca de “novos sons”, alguns já conhecidos de um público maior, caso da paranaense Tuyo, e outros um tanto obscuros, vide o duo Hanging Freud. Entre um e outro, o surpreendente projeto Mannequin Trees. Seguimos o lema e lançamos a pergunta: Por que procurar fora se temos tanto aqui? Não é o caso de abandonar, mas de incluir, de enxergar e mostrar o que se faz aqui dentro, com qualidade.

::

Tuyo – Pra Curar

O trio paranaense Tuyo (foto de destaque), após promissor EP, “Pra Doer”, apresenta seu primeiro álbum, “Pra Curar”. O nome de cada lançamento soa sugestivo, como uma espécie de complemento de ideias, algo feito propositadamente. Formado pelas irmãs Lio e Lay Soares, responsáveis pelos vocais, e pelo músico Jean Machado, o grupo elabora canções que optam pela delicadeza, ao tempo que incorporam influências folk, trip-hop, dream-pop e também da MPB, envoltas em uma aura de melancolia que se espalha principalmente pelas letras. Destaca-se o trabalho de vozes de Lio e Lay, que seduzem entre o sussurro e o etéreo. Em alguns momentos a conexão foi com a banda americana His Name is Alive. Detalhe, a banda esteve por essas terras, tocaram no segundo dia do Festival Feira Noise 2018.

::

Hanging Freud – Nowhere

O casal Paula Borges (vocal e sintetizadores) e Jonathan Skinner (programação e sintetizadores) formam o duo mezzo brasileiro mezzo britânico radicado em São Paulo, Hanging Freud. “Nowhere”, produzido e arranjado por Paula elançado de forma independente, é o nome de seu mais recente álbum, contendo dez canções que passeiam pelo ethereal e pela darkwave através de batidas eletrônicas, synths densos e ambientes escuros, gélidos, convidativo a uma dança no mesmo lugar em câmera lenta ou a simples contemplação imóvel. Destaca-se os belos e etéreos vocais de Paula. Com uma carreira discográfica iniciada em 2010, com o álbum “Sunken”, o duo tem um punhado de singles e EP’s na discografia, toda disponível no Bandcamp próprio. Aparentemente um projeto de estúdio, o duo mantém certa aura de mistério, sem muita exposição visual nem mesmo na Fanpage, deixando sua música falar por si.

::

Mannequin Trees – Daydream

Mannequin Trees é um projeto do músico sergipano radicado em São Paulo Ícaro Reis, ao estilo one man band, mas que ao vivo conta com músicos convidados. “Daydream” é o nome de primeiro álbum, gravado ao estilo “faça você mesmo”, que sai com o selo da gravadora Balaclava Records, vindo ao mundo em pouco menos de um ano do lançamento do EP auto intitulado. Ao longo de dez faixas, um passeio por um indie-pop de melodias, sutilezas e inspirações psicodélicas, elementos retrôs que se conectam tanto com a chillwave quanto com o hypnagogic pop. Em solo nacional, a sonoridade do Mannequin Trees encontra conexão direta com a do músico Frabin. Para quem gosta de fazer coletâneas, vá direto no viciante single de mesmo nome.

:: LEIA TAMBÉM: PARABÓLICA #2 – Adorável Clichê, Early Morning Sky e Homeminvisivel

Anteriores OLHOS FAMINTOS 3 (Jeepers Creepers 3, 2017)
Próximo CAM (Cam, 2018)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.