PEAKY BLINDERS – SANGUE APOSTAS E NAVALHAS (Peaky Blinders, 2013)


“As sequelas de uma guerra e o mundo da Máfia no começo de século bem delineados na série da BBC2”

O ano é 1919. O lugar é Birmimgham, Inglaterra. Muitos ainda sofrem o reflexo da Primeira Guerra Mundial que terminou. A economia está abalada. Traumas e sequelas que não se curam facilmente. Pessoas tentando sobreviver. Guetos tomam conta do cenário e é neste ambiente que vamos encontrar a família Shelby. Gangsters de peso, trabalhando com apostas, tomando conta dos pubs da região e resolvendo as situações complicadas com porradas e navalhas em seus bonés (isso quando as palavras não funcionam).

Entretanto, apesar de seguir uma temática de Máfia relacionada a início do Século XX como ‘Boardwalk Empire’, ‘Peaky Blinders’ opta pela não extrema violência ou pelo caminho da eliminação de seus personagens (como foi já na citada série finada que tinha Steve Buscemi como protagonista).

A série tem como personagem principal Tommy Shelby (Cillian Murphy), e podem ter certeza que Tommy é aquele gangster mais articulador e estratégico do que violento e imprudente. Ele consegue ludibriar seus inimigos, assim como colocá-los uns contra os outros em prol de sua família e por sua liberdade nos negócios das apostas de cavalos. Até negociar com seu inimigo ele é capaz, como no caso do chefe de polícia Chester Campbell (Sam Neill), que está pressionado para prendê-lo. No universo do seriado nos há vários grupos distintos: ciganos, italianos, seguidores do IRA e até bolchevistas (Freddie Thorne, interpretado por Iddo Goldberg).

Apesar da figura fria e calculista de Tommy, o espectador sente certo remorso pela carga dramática que o personagem carrega. Em muitos momentos nos deparamos com os traumas do gangster tendo pesadelos e voltando a pensar nos horrores da guerra da qual participou, da mesma forma como o personagem tenta ajudar os companheiros que estão na mesma situação.

A série retrata bem o espírito da época, o da crise econômica pós-Guerra Mundial. Grupos separados, pobreza, descaso com a população, ruas sem estrutura, os pubs como refúgio de uma vida sem esperança e depressiva. O figurino e a ambientação dos cenários conferem bem esse clima.

“Peaky Blinders” expõe seus personagens de forma gradual. Muitos demoram a se desenvolver, outros estão com sua fragilidade pronta para explodir, como Arthur Shelby, irmão de Tommy, que iniialmente parecia ser inabalável (uma boa interpretação do ator Paul Anderson).

Com um elenco de novatos e conhecidos, a produção dá equilíbrio e vez a todos os integrantes, não se sustentando apenas na figura de Tommy. Ao longo das temporadas, juntam-se ao elenco veteranos do cinema como Tom Hardy e Adrien Brody, realçando ainda mais os conflitos e criando mais impasses e interesses na trama.

De forma comedida, o seriado não extrapola no exagero de personagens como foi, por exemplo, “Boardwalk Empire”. A série busca trabalhar mais, e dessa forma contribui para que todos tenham sua vez na narrativa.

Quanto a trilha sonora, “Peaky Blinders” também não falha, traz músicas bem agressivas, a maioria segue a linha rock, o que combina bastante com a paisagem muitas vezes lamacenta das ruas de Birmingham. Nomes de peso como White Stripes, Radiohead e Johnny Cash tocando na telinha, inclusive com direito a canção “Red Right Hand”, de Nick Cave and the Bad Seeds, de forma majestosa como tema de abertura.

Os fãs de filmes que trazem a Máfia como destaque irão se encontrar em “Peaky Blinders”. Bastante influenciado por clássicos como “O Poderoso Chefão” e tendo como criador Steven Knight, que já é bem experiente em produções com essa temática (a exemplo de ‘Senhores do Crime’ de 2008), o seriado vem cumprindo o que promete e pode ser um dos novos queridos nesses tempos de internet.

:: NOTA: 8,5

:::

:: FICHA TÉCNICA:
Emissora (EUA): BBC Two (No Brasil tem no catálogo da Netflix)
Temporadas: 4
Episódios até o momento/Tempo: 24 (cada um com média de tempo entre 50 a 60 minutos)
Criador: Steven Knight
Produtores executivos: Caryn Mandabach, Greg Brenman, Steven Knight, Jamie Glazebrook,
Frith Tiplady
Elenco: Cillian Murphy, Sam Neill, Helen McCrory, Paul Anderson, Iddo Goldberg, Annabelle Wallis
Temáticas: crimes, drama, ficção histórica, gangues, traumas de guerra
Censura: 18 anos
IMDB: Peaky Blinders
Rotten Tomatoes: Peaky Blinders

 

 

:::

:: Assista abaixo ao trailer:

Anteriores IORIGUN :: Single "Fight to Forget" e Videoclipe
Próximo SUEDE - The Blue Hour (2018)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *