THE GREAT DICTATORS | One Eye Opener


Foto da banda The Great Dictators

“Numa época difícil, One Eye Opener é um amigo aceitável e repleto de variadas influências e similaridades”

The Great Dictators é de Copenhagen, teve origem por volta de 2011 e começou sua formação com sete integrantes. Atualmente resumida a um trio, a banda segue liderada pelo vocalista Dragut Lugalzagosi. Christoffer Hein e Jakob Lundorff completam a formação. Os dinamarqueses lançaram o début Liars (2014) que obteve boa repercussão, o que se afirmou no disco seguinte, Killers (2015). A início, a sonoridade apresentava muitas influências de The National, contanto, o grupo foi cada vez mais assumindo outras características e buscando novos horizontes sonoros.

Na página da Bandcamp, Lugalzagosi cita que o novo trabalho ‘chega como um leal amigo em tempos difíceis’ e ainda acrescenta que diversas foram as inspirações para o novo álbum: de Kraftwerk chegando até The Psychedelic Furs. Sim, One Eye Opener transita sua sonoridade em várias influências e similaridades, apresentando faixas que buscam mudanças uma após outra. É um disco que lembra nomes famosos da música que já alcançaram o mainstream (U2, Radiohead), mas que não perde a essência do Indie e que tem associações a grupos como Liars, These New Puritans e Xiu Xiu, tanto que a faixa “By The Throat” tem a participação de Jamie Stewart, líder da última banda citada.

O grupo também pega muita coisa de seus conterrâneos, mas em relação ao Efterklang muda um pouco ao não focar tanto no orquestrado, embora “Moon Howling At Earth” inicie com violinos e bem acústica, depois parte para um Indie Rock com uma cozinha bem pesada em meio a sintetizadores cuidando dos efeitos e ruídos.

A postura Rock abraçada pela herança do Punk também se faz presente em “Creep For Life” que chega envolta em guitarras mais enérgicas. Lógico que o grupo não deixa a eletrônica de lado e abre oportunidades para unir a New Wave 80’s com o Indie Rock atual, isso em “Riot On a Diet” e para a dançante e grudenta “Existential Needs” que conta com a colaboração de Julie Gro, vocalista da banda dinamarquesa de Electro-Pop We Are The Way For The Cosmos To Know Itself.

Num momento mais intimista e buscando o gênero Lo-fi, “One Eye Opener” revela que a melancolia também é rotina da banda, apesar de estar em doses menores no álbum. “Trees Come Trom Hell’ que passa dos sete minutos e que fecha o disco talvez mostre um lado pretensioso da banda. Criar algo épico para se cantar em voz alta nos shows, com refrão grudento, instrumental abrangente e para ser tocado em volume alto.

The Great Dictators foge cada vez mais da sombra do The National, apesar de se aproximar ainda mais de outras bandas que nos chegam a mente a cada audição. Isso não é de todo ruim, sabemos bem. E sobre One Eye Opener, olhem só, Dragut Lugalzagosi estava certo: é mais um disco acima da média que chega em boa companhia numa má hora que faz o mundo ficar dentro de casa.

NOTA: 7.0

::: THE GREAT DICTATORS NA REDE: Bandcamp | Facebook | Spotify | Site Oficial | Twitter :::


NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:
Marcello Almeida:

MÉDIA: 7.0


LEIA TAMBÉM:

RESENHA: EFTERKLANG – Altid Sammen (2019)
RESENHA: THE SLOW SHOW – Lust And Learn (2019)


::FAIXAS:
01. Moon Howling At Earth
02. Killing Fields
03. By The Throat (feat. Jamie Stewart From Xiu Xiu)
04. Existential Needs (Feat. Julie Gro)
05. One Eye Opener
06. Intermission
07. Riot On A Diet
08. Creep For Life
09. Play Dead Together
10. Early In The Mourning
11. Trees Come From Hell

 


:: Ouça no Spotify:

:: Ou no Bandcamp


:: Assista ao videoclipe de “Killing Fields”

Anteriores WATCHMEN | 2019
Próximo Charge do Dia

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *