SEX EDUCATION (Sex Education, 2019)



“Série inglesa apresenta os medos e dilemas da adolescência de forma inteligente”

Por produzir muitas séries, a Netflix nem sempre acerta. Embora muitas séries interessantes sejam deixadas de lado justamente por essa questão da quantidade. Séries consagradas como “Stranger Things”, “Narcos”, “House of Cards” conseguiram sucesso graças a propaganda massiva. Já outras  como “Mindhunter”, “Love”, “Dark”, graças aos comentários positivos ou pela propaganda informal.

É nessa divulgação “informal” que “Sex Education”, uma das apostas da empresa para este ano, tem sua maior arma. Com personagens interessantes, a série tem conquistado bom desempenho entre a crítica especializada e o público desde o seu lançamento

“Sex Education” é uma produção inglesa e tem como personagem principal Otis Milburn (Asa Butterfield, 22). Ele interpreta um adolescente de dezesseis anos, desajeitado e inexperiente. Sua mãe, Jean (Gillian Anderson) é uma terapeuta sexual cheia de franqueza e um senso reduzido de limites. Numa das cenas, em flashback, ela tenta explicar o ato sexual a um muito jovem Otis: “O intercurso pode ser maravilhoso, mas também pode causar uma tremenda dor. E se você não for cuidadoso, o sexo pode destruir vidas.”

Otis tem como melhor amigo o homossexual Eric (Ncuti Gatwa), com quem anualmente se encontra para assistir ao filme “Hedwig” fantasiados. Exuberantemente chamativo em suas vestimentas, mas totalmente ingênuo, Eric está não apenas descobrindo sua sexualidade, mas também o que o faz feliz e, mais ainda, como se inserir no mundo.  Há um grande momento em que Eric, que é negro, admira o esmalte “feroz” de um negro mais velho que o aconselha alegremente: “Fique com os tons de jóia”.

Ainda no elenco principal, há Maeve Wiley (Emma Mackey, com uma semelhança física impressionante com Margot Robbie), uma personagem construída primorosamente . Maeve é inteligente, durona e marginalizada tanto por ser pobre quanto por ser uma garota que faz sexo e gosta disso.

A série acompanha Otis vivendo as ansiedades típicas da fase em que se encontra, incluindo sobre seu corpo e sua sexualidade. Muito disso pode ser atribuído ao comportamento excessivo de sua mãe. Intensificado, inclusive, pelo excesso de informações de teor sexual, com muita arte erótica nas paredes e implementos exóticos em várias gavetas de sua própria residência.

Por outro lado, esse convívio lhe ajuda a compreender e explicar as dúvidas de seus colegas, já que, através de observações involuntárias dos pacientes de sua mãe, conseguiu captar muitas informações. Em uma das cenas, em uma conversa com um colega de classe, ele mostra bastante desenvoltura sobre questões sexuais, situação observada  secretamente por Maeve, que o convence a montar um negócio paralelo como “terapeuta sexual e de relacionamentos” para seus colegas.

É uma premissa absurda, seus colegas que também são seus clientes, mesmo admitem, mas a convivência com sua mãe,  trouxe um conjunto específico de habilidades e percepções, que de alguma forma Otis e Maeve conseguem vendê-los. “É estranho”, um menino popular diz a ele. “Você  tem a minha idade, mas é muito mais sábio. Você é como a minha mãe no corpo de um homem pequeno.”

Idealizada por Laurie Nunn, “Sex Education” é apresentada como uma série de comédia adolescente com o toque de humor inglês. Muitos temas de discussão necessária nos dias atuais são abordados da forma correta e não como tabu: homossexualismo, drogas, bullying (cyberbullying), inadequação, descoberta do corpo. Tudo é discutido de forma  leve e sem grilos.

Outros temas tratados na série com competência dizem respeito as condições psicológicas dos personagens. Um exemplo disso é o personagem de Jackson, um atleta com elevada crise de ansiedade, e que se questiona a todo momento se aquela carreira foi ele mesmo que escolheu ou foi imposta por pessoas a sua volta; outro são os nerds do colégio e sua condição de renegados, “excluídos”, com uma queda pela libertinagem; e os adolescentes agressores malvados com origens simpáticas, mas que no fundo possuem  desvio de conduta.

No elenco secundário, destacam-se Deobia Oparei em um papel pequeno em presença, mas grande em importância, como o pai de Eric, que não concorda com a orientação sexual do filho, mas a todo instante o encoraja para ser o mais forte; e Connor Swindells (Adam Groff) filho do diretor da escola Mr. Groff (Alistair Petrie) é o “bad boy” da escola que,  que vive em busca da aprovação do pai, mas não se sente a altura.

A fotografia  é belíssima, com muitos planos abertos e apresentando paisagens bucólicas para representar a imensidão do lugar. A escola em geral não é representada como um local de aprisionamento como é o costume, mas um local de aprendizado, não das matérias básicas, mas para vida adulta.

A trilha sonora é um espetáculo, há bandas clássicas como Parliament a Talking Heads, passando pelos ingleses The Cure e The Smiths, e menos conhecidas como The Might Lemon Drops. As músicas, por sinal, funcionam como parte da narrativa, com o intuito de transparecer os sentimentos dos personagens. Mas quem dá o tom da trilha sonora na maioria das faixas é o cantor Ezra Fhurman com suas letras sobre amor, gênero e sexualidade.

É uma série obrigatória para quem curte séries que transitam entre o drama e a comédia. Trata adolescentes como adolescentes, sem cair no sexismo excessivo ou na comédia rasgada.  Mostra que pra fazer sucesso uma série não se precisa de fórmulas prontas, mas de um bom roteiro e boas atuações. Prova também que em uma temporada com oito episódios conseguiu muito mais que uma Malhação que diga-se de passagem tem começado a acertar, mas que levou quase 25 anos para isso!

:: NOTA: 8,8


NOTA DOS REDATORES:
EDUARDO JULIANO: –
EDUARDO SALVALAIO: –
LUCIANO FERREIRA: –
MÉDIA: 8,8


LEIA TAMBÉM:

SHARP OBJECTS (Sharp Objects, 2018)
THIS IS US (This is Us, 2016)


:: FICHA TÉCNICA:

Emissora (EUA): Netflix
Temporadas: 1 (renovada para a segunda temporada)
Episódios totais: 8 (cada um com um tempo entre 46 a 52 minutos aproximadamente)
Criadores da série: Laurie Nunn                                                      Produtor(es) executivo(s): Jon Jennings, Jamie Campbell, Ben Taylor

Elenco: Asa Butterfield, Gillian Anderson, Ncuti Gatwa, Emma Mackey, Connor Swindells, Kedar Williams-Stirling e outros.
Temáticas: Comedia, Drama                                                            IMDB: Sex Education


:: Assista ao trailer:

 

Anteriores A BALADA DE BUSTER SCRUGGS (The Ballad of Buster Scruggs, 2018)
Próximo DAMON ALBARN :: Música precisa ser mais política

1 COMENTÁRIO

  1. Ângelo Fernandes
    Ângelo Fernandes
    22/04/2019
    Responder

    Bastante interessante… Mais uma série a entrar na minha lista. Valeu pela resenha, Isaac!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *