Álbum de covers, ‘Imposter’ tem a alma de Dave Gahan


Dave Gahan & Soulsavers, , The Dark End of the Street

É possível falar de um disco solo de Dave Gahan sem falar de sua banda, o Depeche Mode. Mas à vista das declarações recentes do vocalista em entrevistas, em que fala abertamente do “território hostil” que encontrou dentro da banda – especificamente na figura de Martin Gore – quando começou a querer que suas composições fossem utilizadas nos álbuns do grupo, é praticamente impossível.

Ao longo de vinte anos e dez álbuns, Dave manteve-se como intérprete das canções de Martin, creditado como responsável por todas as canções do Depeche Mode, de Speak & Spell (1981) até Exciter (2001). Somente a partir de Playing the Angel (2005), que Gahan começou a ter canções suas em álbuns do grupo, após uma espécie de acordo, variando entre três ou quatro, todas com outros parceiros de composição. Parceria com o companheiro de banda em apenas três faixas, lançadas como bônus.

Com Paper Monsters (2003), seu primeiro álbum solo, Dave deu seu grito de “independência”, passando a cantar suas próprias composições. Imposter é a continuidade, entre aspas,  desse desejo de dar voz a suas próprias criações, já que é um álbum composto apenas por versões de canções de terceiros e que de alguma forma são parte d avida do músico.

Imposter é fruto da parceria com o produtor e multi-instrumentista Rich Machin, mais conhecido como Soulsavers – com quem Dave trabalhou em seus dois álbuns anteriores  -, e conta com cerca de dez músicos convidados.  Gravado no estúdio Shangri-La, de Rick Rubin, onde a banda se enfurnou por quatro semanas, o álbum segue o ritmo de trabalhos anteriores, com a eletrônica deixada de lado e forte influência de gêneros como Blues, R’&’B e Gospel, algo que fica até claro na escolha de algumas canções, como o Blues rasgado de “I Held My Baby Last Night”, canção do bluesman Elmore James, considerado o “Rei da Slide Guitar”, em que Dave adentra de corpo e alma na interpretação da canção, ou em “The Dark End of Street”, de Jame Carr.

É o que o músico faz ao longo de todas as doze faixas do álbum. Mais que cantá-las, ele mergulha em cada canção, dando-lhes sua própria feição, no que o próprio vocalista compara a um complexo processo de desnudamento.

E é interessante poder acompanhá-lo nessa jornada, porque seu grupo nunca foi afeito a versões. Nesses raros momentos, fizeram para “Heroes”, homenagem a um de seus ídolos, David Bowie. Gahan já havia gravado também uma versão para “Nothing Else Matter”, do Metallica.

Aqui ele tem um conjunto maior de canções e gêneros diferentes para lidar, numa espécie de desafio autoimposto, e ao mesmo tempo, processo de descoberta, tornando-se  o mais íntimo possível de canções que lhe falam tanto. Fazer álbum de covers é um recurso bastante comum, já houve caso de artistas que deram um up em sua carreira utilizando-se desse artifício, não é o caso de Dave. Mais parece como um aprendizado e um processo inspiracional para futuros trabalhos.

+++ Projeto de Dave Gahan com Soulsavers libera a faixa “The Dark End of the Street”

Entre versões de artistas consagrados e amplamente conhecidos Bob Dylan, Neil Young (numa versão arrepiante para “Man Needs a Maid”), Imposter reserva momentos com artistas e canções não tão conhecidos do grande público, como “Shut Me Down”, de Rowland S. Howard, guitarrista do The Birthday Party. Seu deslize acaba sendo a desnecessária versão para a bastante surrada “Always on My Mind”. Seu ponto alto é a sequência que vai da citada faixa de Neil Young até “Where My Love Lies Asleep”, de Gene Clark, dos Byrds, com passagens por Cat Power (na ótima interpretação para “Metal Heart”).

Se o título do álbum vem com certa pitada de ironia, mais irônico ainda é que o “impostor” está bem confortável em sua própria casa.


 

Capa de Imposter, de Dave GahanINFORMAÇÕES:

LANÇAMENTO: 12/11/2021
GRAVADORA: Columbia
FAIXAS: 12
TEMPO: 46:48 minutos
PRODUTOR: Rich Machin e Dave Gahan
CURIOSIDADES: A foto da capa do álbum foi tirada por Stella Rose Garden, filha de Dave  | O estúdio Shangi-La, onde o álbum foi gravado, é o mesmo que Johnny Cash gravou um de seus álbuns de covers
DESTAQUES: “I Held My Baby Last Night”, “Man Needs a Maid” e “Metal Heart”


O ÁLBUM ‘IMPOSTER’, DE DAVE GAHAN & SOULSAVERS


O VIDEOCLIPE DE “METAL HEART”:

Anteriores Como Tim Burgess entrou para o Charlatans
Próximo Eddie Vedder disponibiliza a inédita "The Haves"

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *