10 PERGUNTAS | Sexores


Foto duo Sexores

Atualmente radicados na Cidade do México, o duo central da banda equatoriana Sexores: David Yepez e Emilia Bahamonde começaram sua trajetória musical em 2010, de lá pra cá foram vários singles e EP’s, e mais cinco álbuns. Após um período morando em Barcelona, o duo retornou a Quito (sua cidade natal) e partiram em seguida para o México, onde residem atualmente, e que acabou por influenciar no resultado de seu mais recente álbum, Salamanca. O álbum traz um conceito relacionado a magia, bruxas e também aos processos históricos de luta e reivindicação dos direitos das mulheres.

Nessa entrevista, David nos conta sobre os processos de mudança de lugares e como isso acabou por influenciar na sonoridade dos trabalhos lançados pela banda, sobre o desejo de pausa para o casal nessa jornada ininterrupta de dez anos, e nos permite adentrar um pouco nas ideias por detrás de Salamanca, seu trabalho mais político e também mais “obscuro”. David também fez um faixa-a-faixa das canções desse novo trabalho.


01. Vocês são de Quito (EQ), passaram um tempo em Barcelona (ES) e agora estão sediados na Cidade do México (ME). De forma resumida, o que motivou essas mudanças?
R: De certa forma, sempre sentimos a necessidade de viajar para movimentar nossa música e nossas carreiras; O Equador é um território bastante hostil se você quiser viver da música ou do ambiente artístico.

02. Como foi a experiência de morar em Barcelona? Quando se muda de cidade ou país sempre há os dois lados da balança, como vocês avaliam?
R: Viver em Barcelona foi até certo ponto revigorante, certamente revitalizou nossa criatividade e nos permitiu crescer como músicos. Essa mudança foi o impulso que a banda precisava para ser o que é agora. Além disso, culturalmente a Europa é muito diferente da maioria dos países da América Latina, morar lá ajuda bastante a aprender a ser mais organizado e a ter uma melhor comunhão como cidadão de qualquer território.

03. Assim como as mudanças de lugar, são perceptíveis também na sonoridade ao longo dos discos, há alguma relação entre esses dois elementos?
R: Sem dúvida. Cada cidade que visitamos influenciou os diferentes álbuns que lançamos, em termos de som e letra. A etapa em Barcelona acabou por influenciar na sonoridade de Historias de Frío, é um álbum muito pessoal, como o nosso processo de viver e nos adaptar a essa cidade. Quando retornamos ao Equador, tivemos um estágio relativamente sombrio que influenciou bastante o som dos Red Rooms e para o East/West resgatamos muitas experiências que tivemos quando passamos por Nova York, Berlim, Viena, São Petersburgo e algumas outras cidades. Agora, para Salamanca, a energia que irradia do México e da América do Sul está impressa em todo o álbum.

04. Quando vocês iniciaram o processo de gravação de Salamanca, seu álbum mais recente, já pretendiam trabalhar com esse conceito relacionado à magia, bruxas e empoderamento feminino? Como surgiu a ideia?
R: Sim, sempre que começamos o trabalho de produção de um novo álbum, já temos o conceito estabelecido. É importante para nós seguir uma narrativa. Tudo o que envolve Salamanca é em parte muito místico e às vezes até providencial. O tema da magia era algo que praticávamos em menor ou maior grau há alguns anos, desde que chegamos ao México, nos aprofundamos em algumas técnicas específicas e, por outro lado, nossa conexão com o movimento feminista fortaleceu esse outro lado do álbum que está associado à magia, às bruxas e aos diferentes processos históricos de luta e reivindicação de seus direitos e importância.

05. Já não se queimam mulheres acusadas de bruxaria, mas em alguns países mulheres sofrem mutilações e são condenadas ao apedrejamento, somado a isso o número de feminicídio em países diversos é muito grande, ou seja, os tempos mudaram, mas a mulher ainda sofre com esse modelo de sociedade machista. Como vocês enxergam o conceito de Salamanca dentro desse contexto?
R: Todo o conceito e o trabalho por trás do álbum são de grande importância para o contexto, desde o nosso espaço, que é sem dúvida um privilégio, tentamos elevar nossas vozes com um álbum contestador, é o nosso álbum mais político até hoje.

A ideia sempre foi tornar visível o trabalho e a importância das mulheres na sociedade. Salamanca é um álbum feito em sua maior parte por mulheres, e esperamos que todo o processo e a mensagem sejam uma contribuição para mostrar que ainda há muito a dizer e fazer em relação a esse assunto.

06. Por que o título Salamanca? E o que poderiam nos falar sobre a capa e as influências musicais ou não que estiveram presentes na criação do álbum?
R: Salamanca é uma palavra associada a uma lenda hispânica, em poucas palavras, é um lugar onde bruxas, bruxos e demônios se reúnem para celebrar seus clãs. Além disso, Salamanca, a cidade espanhola, foi considerada o principal local de Necromancia durante o obscurantismo. Isso se espalhou por toda a América Latina e agora qualquer caverna onde esse tipo de ritual é realizado pode levar esse nome. Musicalmente, o álbum foi influenciado por bandas como Virus, Ladytron, Eurythmics, SQÜRL, Clan of Xymox, Siouxsie e Banshees, Damien Dubrovnik e até Pulp.

07. Desde East/West vocês passaram a adentrar de forma mais intensa no uso de elementos do Synthpop e Darkwave em sua música, dando continuidade em Salamanca, é uma tendência a seguir em trabalhos futuros? E poderiam dizer o significado por trás da frase: “el cierre de un ciclo de 10 años de trabajo”, referindo-se a Salamanca?
R: Talvez seja melhor começar no final desta pergunta para chegar ao começo. Nós realmente não sabemos o que vai acontecer no futuro. É a primeira vez que não temos um plano depois de Salamanca. Sempre tivemos um horizonte paralelo para cada álbum, mas desta vez queremos deixar um pouco ao acaso. Emilia e eu temos outros projetos profissionais nos quais queremos nos concentrar por enquanto. Com isso, quero dizer que o próximo álbum do Sexores pode chegar em 6 meses ou 10 anos.
Temos 10 anos de trabalho ininterrupto e, às vezes, o relacionamento dos colegas de banda desgasta um pouco o relacionamento do casal, agora nossa prioridade é a vida de casal.

08. Como funciona o processo de criação em estúdio? E de onde vem a inspiração para as letras? 
R: Normalmente, temos tudo composto antes de entrar em um estúdio, que inclui a parte lírica. Já em estúdio, começamos a fazer arranjos e gravar. As letras deste álbum vieram de muitos livros de magia: Liber Null & Psychonaut, The Lesser Key of Salomon, Enochian Vision Magick, Caliban and the Witch e vários livros de tarô.

09. Sempre que se fala de música latino-americana, a ideia que temos, não sei se acontece o mesmo com vocês, é de que há um maior intercâmbio entre os países de língua espanhola, com o Brasil se aproximando mais de países de língua inglesa. Como vocês avaliam? E já tiveram convite para tocar aqui no Brasil?
R: Sim, é curioso. O Brasil é sempre visto como um continente dentro de outro continente, em parte devido ao seu tamanho e à barreira do idioma. Estive no Rio de Janeiro e, embora culturalmente sejamos muito parecidos, o idioma influencia um pouco a interação. Recebemos alguns convites para tocar no Brasil, infelizmente eles não se concretizaram devido à falta de tempo e choque de agendas, mas com este álbum esperamos que algo aconteça, temos alguns amigos aí e sabemos que também temos seguidores e ouvintes. Adorei o que conheci sobre o Brasil.

10. Diante do momento que vivemos, muitas pessoas tem dado mais valor às artes: literatura, música, filmes, etc. Como artistas e também como pessoas, de que forma vocês tem lidado com todas as mudanças impostas pela pandemia do Coronavírus?
R: É um processo complicado, ainda é difícil saber se teremos que nos adaptar a isso permanentemente ou se será momentâneo, mas até agora tem sido um ir e vir de bons e maus dias. O confinamento é complicado por si só, é como se o tempo não importasse mais e, do ponto de vista artístico, especialmente para a música ao vivo, foi um duro golpe parar todas as atividades. Desta vez, quero ser positivo e estou inclinado a pensar que em breve estaremos em contato com o público novamente.

::: SEXORES NAS REDES: Bandcamp | Instagram | Facebook | Twitter :::


Salamanca comentado por Sexores Faixa-a-Faixa:

“Aqueronte” | serve como um portal para entrar na jornada sombria que Salamanca significa.

“Volantia” | é um tema cheio de energia, é um dos princípios da magia vermelha, controlar a vida mental de alguém e cumprir o restante dos princípios.

“Decretism” | é o segundo princípio da magia vermelha e é resumido na capacidade de transmitir ordens e desejos mentais.

“Hannya” | é o nome de certas máscaras na cultura japonesa que representam demônios femininos consumidos por ciúmes e obsessão. Em parte, é inspirado pelo nosso gato, acreditamos que ele sente que Emilia pertence a ela, está sempre nela e é muito apegada.

“Posism + Tiraclaurism” | são os dois últimos princípios da magia vermelha e são resumidos no uso de posturas para representar estados mentais e no poder da evocação para entrar em contato com entidades invisíveis.

“Nos Lo Dijo La Serpiente” | é sobre o poder que esse animal tinha sobre as mulheres e, especialmente, todo o mito da criação.

“Crapaud” | é o espírito familiar de uma bruxa morando em um sapo. Existe a crença de que os animais que o acompanham são reencarnações de parentes que você teve.

“The Depressing Sounds of the Witch” | é inspirada nos julgamentos e condenações por bruxaria.

“Death by Burning” | é como uma continuação do tema anterior, é basicamente a pior maneira de executar uma bruxa ou qualquer pessoa.

“Mistress of the Marble Hill” | é inspirada na primeira bruxa da Irlanda, Alice Kyteler.

“Lámpades” | é dedicado às ninfas do submundo, companheiras de Hécate.

“Madre” | é sobre a traição de uma mãe puritana em relação à filha acusada de bruxaria.

“Salamanka” | é inspirada nas reuniões de bruxas e tem uma evocação real da Deusa Tripla cantada em quatro idiomas latinos e pré-colombianos.


 

Anteriores CARTER VAIL | Red Eyes
Próximo SHOEGAZER ALIVE #7 | A Place to Bury Strangers, 93MillionMilesFromTheSUn, The KVB, Amusement PArks on Fire & Blush Response

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *