THE CHEMICAL BROTHERS – No Geography (2019)



“No Geography é o The Chemical Brothers juntando o passado e o futuro da música eletrônica numa relação coesa e prazerosa.”

The Chemical Brothers cai naquele ciclo infindável que a música, por sorte, criou. Influenciado por muitos artistas/grupos, também deixou sua influência para toda uma geração de novos nomes da música eletrônica. Aprendizes e agora mestres. Com todo o respeito que criaram com seus devidos méritos, Ed Simmons e Tom Rowlands provaram que a eletrônica tem cérebro (ao contrário do que muitos teimam em dizer por décadas) e que ela pode se misturar com vários gêneros, inclusive com o rock e suas guitarras poderosas (‘Dig Your Own Hole’ de 19997 é um bom exemplo). O duo também ficou conhecido e teve o privilégio de trabalhar com muita gente de peso e de contar com grandes colaborações em seus discos: Jonathan Donahue, Richard Ashcroft, Bobby Gillespie, Noel Gallagher, Hope Sandoval, Bernard Summer, Beck e St Vincent.

‘No Geography’, o nono disco de estúdio, é lançado depois de um hiato de quatro anos. Os álbuns da dupla sempre chegam cercados de expectativas, apesar do anterior, ‘Born In The Echoes’ (2015), não ter feito tanto estardalhaço. Para o novo álbum, as colaborações são poucas. Nada de nomes tão famosos, temos dois convidados um tanto quanto desconhecidos do cenário musical: a cantora norueguesa Aurora Aksnes e o rapper japonês Nene. Ambos os colaboradores mostram responsabilidade e se encaixam na sintonia do The Chemical Brothers.

A voz de Aurora e Nene soam como uma sirene perfeita em pleno apocalipse sonoro com efeitos, colagens e samplers sendo explorados a vontade na abertura de ‘Eve Of Destruction’. O duo avisa logo nos primeiros minutos que está em boa forma, sabe trabalhar com a cena eletrônica e que vai passar pelos gêneros mais distintos, da acid-house até a música destinada às raves. Uma sonoridade estilhaçada e em certo ponto caótica deixando o ouvinte atônito, porém satisfeito com o panorama sonoro criado.

Apesar de o disco ser indicado para as pistas de dança, o ouvinte deverá estar disposto a escutar o álbum em muitas ocasiões, para dar conta de decifrar as estruturas complexas e criadas com camadas estilhaçadas, pois ‘No Geography’ não cai na eletrônica de fácil assimilação, sobretudo para quem está conhecendo agora os ingleses.

The Chemical Brothers nunca teve medo ou vergonha de expor suas influências. É muito bonito ver como o duo, inclusive, insere isso de forma inventiva em seus trabalhos. ‘Bango’, uma das melhores faixas do disco, vai terminando sob a sombra do Kraftwerk com lindos sintetizadores. Fecha de forma climática uma sonoridade que parecia estar imersa no caos. Da mesma forma, chegando aos 3 minutos e trinta (3:30) da faixa ‘The Universe Sent Me’, não será difícil lembrar da melodia de ‘Spacelab’ (presente no disco ‘The Man Machine’ de 1978 do quarteto alemão). Vozes robóticas que foram tão comuns na época da disco music e até mesmo na New Wave 80’s dominam a dançante e incontrolável ‘Free Yourself’.

Para quem curte explorar a história da música, pode encontrar múltiplas referências que chegam nas canções. Os samplers usados pela dupla são inúmeros. Exemplo é ‘MAH’ que a princípio soa estranha e bem experimental, a canção utiliza samplers de El Coco que também era uma dupla de produtores famosos por vários trabalhos nos 70’s no gênero Disco. Por sua vez, ‘Got To Keep On’ que mescla o disco e funk traz samplers de ‘Dance With Me’, famosa música de Peter Brown, um produtor e compositor americano que atuou entre o final de 70 e o início da década de 80.

O álbum fecha com ‘Catch Me I’m Falling’ por meio de uma sonoridade mais branda, com menos batidas e a voz de Aurora bem tímida, entretanto a fórmula complexa da dupla continua sólida. Recapturando o espírito criativo eletrônico 90’s sem perder a atmosfera musical da atualidade, Simmons e Rownland difundiram criteriosamente o laboratório sonoro que aprenderam a cuidar, lembrando de tudo e de todos que serviram de inspiração para eles. ‘No Geography’ é um resultado maduro que deu certo porque os criadores e o processo de criação vieram cercados de talento, experiência e dedicação.

:: NOTA: 8,0


NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira: 8,5

MÉDIA: 8,25


::LEIA TAMBÉM:

TAMARYN – DREAMING THE DARK(2019)


::FAIXAS:
01. Eve Of Destruction
02. Bango
03. No Geography
04. Got To Keep On
05. Gravity Drops
06. The Universe Sent Me
07. We’ve Got To Try
08. Free Yourself
09. MAH
10. Catch Me I’m Falling
::
::


:: Mais Informações: Facebook/Site oficial


:: Assista o vídeo oficial de ‘Got To Keep On’

Anteriores Assista ao video de 'Stadium West', da L7
Próximo THE HANDMAID'S TALE :: 3ª temporada estreia junho com três horas de duração

2 COMENTÁRIOS

  1. Um dos grandes álbuns de 2019. “Free Yourself” é ótima também, rememora “Hey Boy, Hey Girl”; e “MAH” é um delírio sonoro. Boa e necessária resenha.

  2. Avatar
    Eduardo Salvalaio
    03/05/2019
    Responder

    Valeu pelo comentário, caro Luciano. Digamos até que suas palavras podem servir de anexo para minha resenha. Boa observação. De início, considerei um disco difícil, pensei que não entraria como um dos meus preferidos desse ano. Mas discos bons sempre são assim, conquistam aos poucos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.