Ameen Nayfeh e a metáfora dos muros em ‘A 200 Metros’


Imagem do filme a 200 Metros

Mustafa (Ali Suliman) mora na Cisjordania com sua mãe. Salwa (Lana Zreik) mora em Israel com os três filhos. Mustafa e Salwa são casados. Por motivos pessoais, Mustafa prefere continuar vivendo com sua mãe do outro lado do muro que separa os dois territórios. Da sacada de suas casas, separadas por apenas aproximadamente duzentos metros de distância (daí o título do filme) – ainda que em territórios diferentes -, Mustafa dá boa noite às filhas e esposa com jogo de luzes, numa interação repleta de uma ludicidade impossível com a ligação telefônica.

Mesmo com esse distanciamento físico na maior parte do tempo, os laços familiares estão mantidos. Quando juntos, Mustafa é um pai e marido amoroso. Por seu lado, Salwa se sente sobrecarregada por ter que cuidar dos filhos e ainda trabalhar para sustentar a família enquanto o marido está desempregado. Vivendo entre dois territórios para poderem estar próximos, não há como escapar de alguns desentendimentos internos e externos: uma família palestina vivendo em Israel, com o filho mais velho tendo que enfrentar a discriminação na escola.

Esse momento inicial que apresenta o drama familiar, adquire ares mais tensos quando um incidente com o filho obriga Mustafa a fazer a travessia para o outro lado. Vendo-se impedido por questões burocráticas, para literalmente contornar a situação (já que terá que contornar o muro), ele parte em uma jornada de caminhos obscuros e situações inusitadas num percurso que se multiplica por mil, tendo agora que percorrer uma trilha de 200 quilômetros.

Imagem do filme "A 200 Metros"

Esse arco dramático é o ponto de partida para discussões sociais e políticas mais amplas em A 200 Metros, premiado longa de estreia do diretor Ameen Nayfeh. Ele já havia explorado anteriormente o tema da separação de pessoas por muros construídos para separar territórios no curta The Crossing, de 2017.

Mustafa embarca então numa viagem relativamente longa e tendo que conviver com situações de ilegalidade que se somam ao drama da situação que lhe espera do outro lado, Mustafa encontrará pessoa estranhas, travando alguma aproximação, e atritos com outras. Momentos de tensão e perigo também serão presença constante.

Nessa trajetória, o espectador tem a oportunidade de vislumbrar a realidade das pessoas que vivem numa região palco de conflitos intensos e constantes entre Israel e a Palestina, um lugar inóspito pela sua natureza desértica, mais inóspito ainda pela aridez das atitudes humanas.

A direção de Nayfeh, que também é roteirista, é segura e funciona dentro do limites do gênero a que se propõe, um drama com momentos de aventura, algum suspense e histórias secundárias que se entrelaçam com a principal para dar uma maior dimensão ao drama vivido por Mustafa ao longo do caminho. Os personagens são bem construídos e desempenham seu papel de forma bastante convincente, destaque para a atuação da atriz Anna Unterberger no papel da fotógrafa Anne.

+++ CRÍTICA | O Cavaleiro Verde (The Green Knight, 2021)

O propósito de Mustafa é atravessar o muro devido a um incidente com o filho, mas na maior parte do filme acabamos até por esquecer disso. O drama da travessia, uma distância a ser transposta que parece ser maior do que realmente é, dificultada por obstáculos diversos, bem como as subtramas ganham relevância ao ponto da premissa maior ficar em um segundo plano.

‘A 200 Metros’ não fala sobre muros, fala sobre pessoas e distância. Os muros são construções nossas para separar algo ou alguém. São muros reais e muros invisíveis. Enquanto os primeiros são transponíveis com alguma dificuldade, os invisíveis, no mais das vezes, parecem impossíveis de serem rompidos, estão enraizados dentro nós, arraigados a nossa cultura e crenças políticas ou religiosas. E seguem nos separando até mesmo daqueles que temos mais motivos para estarmos juntos.


Poster do filme A 200 Metros

FICHA TÉCNICA:

Título Original | Ano: 200 Meters | 2020
Gênero: Drama
País: Jordania
Duração: 1h36min
Direção: Ameen Nayfeh
Roteiro: Ameen Nayfeh
Elenco: Ali Suliman, Anna Unterberger, Lana Zreik, Motaz Malhees, Gassan Abbas  e outros.
Data de Lançamento: 17 de setembro de 2021 (Brasil)
Censura: 16 anos
Avaliações: IMDB | Rotten Tomatoes
Disponível: Netflix

 

 


O TRAILER:

Anteriores A-ha - The Movie acompanha os altos e baixos do grupo
Próximo SHOEGAZE WORLD #7 | Veteranos revigoraram a cena em 2021

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *