CRACK CLOUD | Pain Olympics


Foto do coletivo canadense Crack Cloud

Trivia: Septeto canadense? Errou quem falou Arcade Fire.

Oriundos das mesmas terras geladas do hemisfério norte de onde saiu a banda de Régine Chassagne e Win Butler, o coletivo (como preferem ser chamados) Crack Cloud (nuvem de crack) é mais que uma banda, é uma comunidade de apoio a viciados em drogas que desejam se recuperar.

O grupo não tem uma formação rígida, há sempre integrantes entrando e saindo a todo instante. No percurso discográfico iniciado em 2016, lançaram dois EP’s e em 2020 o surpreendentemente bom álbum “Pain Olympics”, composto por oito faixas carregadas de energia e conexões com bandas como Gang of Four e Talking Heads, mas não só isso. Despreocupados com citações ou referências, as TAG’s usadas em sua página no Bandcamp traz apenas as palavras “world”, “outlaw” e “Vancouver”.

+++ ESSE EU TIVE EM VINIL| FEAR OF MUSIC (TALKING HEADS)

Em entrevista, o vocalista e baterista Zach Choy tenta esclarecer as ideias que permeiam o trabalho do coletivo, afirmando que não são uma banda: “A música é apenas uma coisa neste momento…’Pain Olympics’ é nosso primeiro passo neste mundo onde estamos realmente tentando nos tornar mais multimídia em nossa expressão e você verá isso nos próximos um ou dois anos; vamos continuar e a música será apenas o esqueleto para a imagem maior”, e conclui: “Acho que foi importante para nós sermos transparentes sobre de onde viemos, como viciados e como pessoas com histórias de destruição”.

Algumas dessas histórias são contadas nas letras de Choy. O próprio título do álbum “Olímpiadas da Dor”, já fornece uma antevisão das propostas do grupo que tem na música não só uma válvula de escape como também um veículo para a divulgação do trabalho social desenvolvido pelo coletivo. O bom disso tudo é que a música que Choy e seus companheiros constrói tem qualidades e, apesar das referências, busca encontrar seu próprio brilho. Crack Cloud usa a arte como terapia criativa e forma de expurgar os demônios interiores.

A CONFERIR: “Post Truth (Birth Of A Nation)” e “Tunne Vision”, duas faixas que trazem os momentos mais agitados do disco.

É possível assistir o vídeo de uma apresentação bem enérgica da banda em 2019, clicando AQUI.


CRACK CLOUD – PAIN OLYMPICS

Anteriores Um Clássico Filme de Terror é Bom?
Próximo ENTREVISTA | Armando Louder (Plainsong)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *