ECOS NO ESCURO | S/T


Ecos no Escuro, foto do projeto

“Guitarras distorcidas e arranjos eletrônicos, fazem ressoar o projeto mineiro de Pós-Punk e Shoegaze”

Parece que o efeito do isolamento social tem aflorado a mente para processos criativos e ao mesmo tempo para desengavetar projetos antigos e fazer acontecer. É o caso dos músicos mineiros Adriano Bê (Drowned Men/Kaust) e Lucas Nascimento (! Slama/ The Us). Que resolveram dar vida a Ecos No Escuro um projeto de Pós-Punk e Shoegaze que mescla elementos eletrônicos com guitarras distorcidas, o groove do baixo e o soco da bateria, para criar uma atmosfera densa, nostálgica e por hora melancólica.

Ambos os músicos nutrem uma paixão pelo Pós-Punk e Shoegaze e assumem essa paixão nos processos de criação. Vale salientar as influências perceptíveis de Echo & the Bunnymen, Jesus and Mary Chain, Ride e Chapterhouse que discorrem pelas oito faixas do debut homônimo, que abre com melancólica “Outros Mundos”, uma canção melódica marcada por ruídos e distorções que contribuem para sustentar a melancolia proposta pela letra que fala sobre existencialismo e as dificuldades de viver em um cotidiano transpassado pela depressão.

Temática que segue pela emblemática “A Noite”, com uma introdução de bateria, elementos eletrônicos e uma guitarra ruidosa. Uma nostálgica mistura dos gêneros já citados.

Ouvir Ecos no Escuro se torna uma surpresa. Estamos diante de álbum temático, ousado e pessoal. Criado de forma bem peculiar devido ao distanciamento físico. O processo de composição deu vida ao virtual. E as canções carregam essa densidade, essa melancolia de dias incertos e confusos.

Mas a grande surpresa do disco fica por conta da canção “Essas Grades” guiada por uma atmosfera densa, elementos eletrônicos e guitarras distorcidas que se aproximam da sonoridade de bandas como Interpol. A letra faz uma narrativa cinematográfica sobre os anseios de liberdade e a busca por identidade: “E eu recuso essas grades/ Que querem me controlar! / E eu não quero ser/ Como as outras pessoas”, diz a letra.

Ecos no Escuro se torna musicalmente envolvente e ao mesmo tempo nostálgico. Uma cinebiografia de uma sociedade contemporânea sufocada pelos próprios anseios, desejos e vontades. Um cotidiano que se repete dia após dia. Um disco produzido totalmente de forma digital e que inova nos processos de composição. E sobre esse processo de criação Lucas Nascimento explica o seguinte: “crio todos os arranjos virtuais em um programa, que inclui a programação de baterias, teclados, baixos, etc”.  Analisando esse contexto de produção dá para compreender a estética, sonoridade e timbragem que o álbum propõe.

NOTA: 7.0

::: ECOS NO ESCURO NA REDE: Bandcamp | Instagram | Spotify | Youtube :::


NOTA DOS REDATORES:

Eduardo Salvalaio: –
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira: 6.0

MÉDIA: 6.5


LEIA TAMBÉM:

RESENHA: KAUST | S/T
RESENHA: DROWNED MEN | Bats


Ecos no Escuro, capa do álbum:: FAIXAS:

01. Outros Mundos
02. A Noite
03. Distante
04. Essas Grades
05. Nada é Real
06. Palavras
07. Em Sua Teia
08. Vai

 

 


:: Ouça o álbum:


:: Assista ao Lyric Video de “Essas Grades”:

Anteriores THE LAST OF US | 2013
Próximo THE JESUS AND MARY CHAIN | Lembranças do show de 2019 e lançamento da Biografia

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *