SHOPPING – All or Nothing (2020)


Foto da banda Shopping para resenha de All or Nothing

“Batidas dançantes e sintetizadores energizados expõe uma atmosfera anos setenta no som da banda Shopping”

Forte influência de bandas como Kraftwerk e Gang of Four fica evidente no novo disco da banda britânica, o quarto na discografia. All or Nothing veio a público no dia 07 de fevereiro e pode ser considerado um desenvolvimento e requinte do seu trabalho anterior, The Offical Body (2018).

A banda optou por não se reinventar e segue ritmando com seu Dance-Punk espiral, com uma produção e sonoridade mais fluída e limpa. Um Pop-Dance esculpido nas entrelinhas por Talking Heads.

O disco confirma e assegura a postura da banda, formada por Rachel Aggs, Billy Easter e Andrew Milk, em busca da batida perfeita e buscando por uma sonoridade mais sofisticada. Um Pós-Punk ligeiro, onde repetições geladas de sintetizadores se encaixam perfeitamente nesse pop pesado e distópico bem anos oitenta.

Um disco que vem a calhar muito bem no Brasil que vivemos hoje.

“Follow Me” começa ritmada em um drum pad, seguida por sintetizadores frios, entregando uma crítica ao excesso de câmeras de vigilância: “Siga me, siga me, vou fazer valer a pena”. A banda coloca em evidencia a exatidão de suas composições que excogitam a banalidade da sociedade no século XXI. Uma abordagem que segue pelas canções “Your Pleasure”: “É difícil, inacreditável. É preciso um muro para encontrar uma coragem para enfrentar tudo isso”; e “Lies”,  que funcionam muito bem em um disco de dez músicas e pouco mais de trinta minutos.

“Body Clock” chega enérgica e impulsiva, denunciando a exaustão de continuar vivo em pleno 2020: “Eu preciso de algo para acalmar meus nervos, eu só preciso acompanhar o ritmo”. Uma analogia ao esgotamento físico, stress e ataques de nervos, ansiedade e pânico que assolam milhões de pessoas em um mundo onde o tempo é sinônimo de escassez. Mas podemos tentar encontrar o equilíbrio, paz e alivio em pistas de danças.

All or Nothing meio que satiriza as grandes realizações, as grandes ambições em seu título, mas o álbum em si soa atraente e frenético. Não representa o renascimento do Pós-Punk, mas pode ser Punk frenético em pistas de danças.

NOTA: 7.5


NOTA DOS REDATORES:

Eduardo Salvalaio: –
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:

MÉDIA: 7,5


Capa do álbum All or Nothing, da banda Shopping

:: FAIXAS:

01. All Or Nothing
02. Initiative
03. Follow Me
04. No Apologies
05. For Your Pleasure
06. About You
07. Lies
08. Expert Advice
09. Body Clock
10. Trust In Us

 


LEIA TAMBÉM:

RESENHA: TINDERSTICKS – No Treasure But Hope (2019)
RESENHA: LOW ROAR – Ross. (2019)


:: Ouça o álbum na íntegra:


:: Assista ao videoclipe de “All or Nothing”:


Anteriores OCTOBER FACTION (October Faction, 2020 – Primeira Temporada)
Próximo ARNALDO ANTUNES – O Real Resiste (2020)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *