INFILTRADO NA KLAN (BlacKkKlansman, 2018)


BlacKkKlansman

“Infiltrado na Klan, novo filme de Spike Lee, é o retorno do diretor ao seu melhor”

O mote pode parecer surreal: em 1978, um policial negro, Ron Stallworth (John David Washington), através de ligações telefônicas, consegue fazer contato com um dos membros da Klu Klux Klan, marcando um encontro e, posteriormente, passando a fazer parte da organização. Se o mote é surreal, o primeiro ponto a se esclarecer é mais surreal ainda. Como Stallworth obviamente jamais seria aceito pela seita, em acordo com os superiores, fica decidido que em seu lugar será enviado o policial branco Flip Zimmerman (Adam Driver).

Se o roteiro parece ter saído da cabeça de um Michael Gondry, o filme do diretor americano Spike Lee se baseia no livro “Black Klansman: Race, Hate, and the Undercover Investigation of a Lifetime”, do policial de Colorado Springs (CO), Ron Stallworth, lançado em 2014. Ou seja, “Infiltrado na Klan” é baseado numa história real. Acompanha o início da trajetória de Stallworth desde o momento em que se apresenta para entrevista no Departamento de Polícia da cidade, que até então não possuía policiais negros, mas que resolveu adotar uma política de cotas para as minorias, nas palavras de um de sues entrevistadores ele seria o primeiro passo “para abrir o caminho da diversidade” dentro do Departamento.

Com uma rápida passagem pelo setor de arquivos, Stallworth logo é transferido para a Divisão de Narcóticos, e sua primeira missão é se infiltrar com uma escuta e monitorar uma reunião em que um ex-membro dos Panteras Negras, Kwame Ture (Corey Hawkins) irá palestrar para um grupo de estudantes negros. Após convencer seus superiores de que não há perigo algum dentro do Movimento Negro Estudantil, retorna para sua rotina de trabalho, quando ao pegar um jornal local se depara com um anúncio constando o telefone de contato da Klu Klux Klan do Colorado.

Desde o início fica perceptível que, mesmo abordando um tema sério, o filme de Lee buscaria adicionar os chamados “alívios cômicos”, e eles estão espalhados em momentos diversos ao longo das mais de duas horas de duração. Está lá nas perguntas sem sentido da entrevista inicial de Stallworth, já no início, e também no último telefonema que ele dá para David Duke (Topher Grace), um dos líderes da KKK, já próximo do final.

Lee faz de seu filme, desde as primeiras cenas, um manifesto contra a discriminação racial, em paralelo mostra a trajetória da KKK desde os seus primeiros dias até os atuais.

Na abertura ele utiliza uma famosa cena em plano geral de “E o Vento Levou”, num grande campo de soldados feridos, onde a bandeira dos confederados, símbolo dos estados sulistas e escravagistas, tremula; e no discurso inflamado discurso racista do fictício Dr. Kennebrew Beauregard (Alec Baldwin) em frente a um projetor que mostra cenas do filme “O Nascimento de uma Nação” (1915), de D. W. Griffith, para muitos um clássico do cinema, mas que Lee mostra como um dos grandes responsáveis pelo ressurgimento da Klu Klux Klan com maior intensidade.

Inclusive o filme de Griffith será utilizado em uma outra cena, numa exibição para membros da KKK, que antecede a iniciação de Stallworth (Flip, na verdade) como membro organização. Sua trajetória dentro da Klan é um sucesso, apesar dos percalços com um dos membros, que insiste que ele é judeu. Mesmo assim, consegue adquirir o respeito dos outros membros a ponto de ser cotado para um cargo maior.

A trama precisa de um desfecho, de algo que cause uma reviravolta em seu último ato, e ele vem na forma de um atentado, frustrado graças ao trabalho de Stallworth como infiltrado, a ser promovido por um dos membros da Klan contra um dos membros do Movimento Negro Estudantil, o outro universo em que se divide a trama.

Mesmo com o teor biográfico da história, o diretor imprime seu estilo de direção, seja na sobreposição dos rostos sob um fundo escuro na cena na reunião ou no uso do movimento dolly de câmera, que faz com que o ator flutue no ambiente, na cena em que a dupla Stallworth e Patrice vão abrir a porta da casa e se deparam com a cruz em chamas, símbolo da KKK.

Apesar de centrado nos movimentos do Stallworth infiltrado na Klan (Adam Diver), o filme apresenta um segundo núcleo, o do movimento negro estudantil, ancorado na figura da ativista Patrice Dumas (Laura Harrier), que o verdadeiro Stallworth conhece na reunião e mantém um relacionamento de amizade. A partir dessa divisão de núcleos, “Infiltrado na Klan” apresenta um belo trabalho de edição, ao alternar a reunião promovida pelos membros da KKK, onde o filme “O Nascimento de uma Nação” é exibido para uma plateia ensandecida; e a promovida pelo Movimento Negro, em que Jerome Turner (Harry Belafonte) narra o linchamento brutal de Jesse Washington e como o filme de D. W. Griffith influenciou para o acontecido.

Lee já havia retratado em outro filme a maneira como os negros foram representados de forma preconceituosa por muitas década nos filmes de Hollywood, em “Bamboozled” (2000); e já havia tratado do tema do preconceito em “Faça a Coisa Certa” (1989) e “O Verão de Sam” (1999). Aqui ele expõe de forma mais forte sua aversão ao preconceito e ao ódio, ao inserir, nos minutos que antecedem os créditos, cenas reais dos acontecimentos na cidade de Charllotesville, inclusive o atropelamento de uma multidão que protestava contra o racismo, que deixou várias pessoas feridas e causou a morte de uma jovem.

Em entrevista recente, o diretor afirmou que o filme já estava pronto quando viu as cenas do ocorrido na TV e resolveu inseri-las. Há também imagens de falas de Donald Trump e de David Duke.

Com boa dose de humor e certo sarcasmo, “Infiltrado na Klan” é um dos filmes mais contundentes de Spike Lee nas últimas décadas, mostra o diretor em boa forma e interessado em falar de temas sérios que recrudesceram não só nos EUA mas ao redor do planeta.

:: NOTA: 8,5
___________________________
NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano: 8,0
Eduardo Salvalaio: –
Isaac Martins: –

MÉDIA: 8,3
__________________________

:: LEIA OUTRAS RESENHAS DE: Filmes | Séries

:::

infiltrado-na-klan-blackklansman-spike-lee

:: FICHA TÉCNICA:

Gênero: Biografia, Crime, Drama
Duração: 2h15min
Direção: Spike Lee
Roteiro: Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee (Baseado no livro de Ron Stallworth)
Elenco: John David Washington, Adam Driver, Alec Baldwin, Robert John Burke, Harry Belafonte, Laura Harrier e outros
Data de lançamento: 22 de novembro de 2018 (Brasil)
Censura: 14 anos
IMDB: Infiltrado na Klan

 

 

 

:::

:: Assista abaixo ao trailer do filme:

Anteriores Atom Pop, Glue Trip, Emerald Hill
Próximo GUIDED BY VOICES :: Tudo sobre novo álbum e single

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *