Assista My Secret World – The Story Of Sarah Records


Poster do documentário My Secret World - The Story of Sarah Records

“My Secret World” é o título de uma canção da banda escocesa The Golden Dawn (uma das muitas do selo) e também de um documentário sobre o selo inglês Sarah Records. My Secret World – The Story Of Sarah Records, de Lucy Dawkins, é um documentário feito por fã e para os fãs da cultuada gravadora de Bristol. Isso em nada diminui o material apresentado, seja no que tange a servir como registro histórico seja em termos de qualidade do conteúdo: entrevistas, fotos e cenas da época, além de uma edição dinâmica e utilização de recursos gráficos que casam perfeitamente com as ideias do selo, mostrando variados locais da cidade onde a gravadora esteve sediada durante sua existência (1987/1995).

Claire Wadd e Matt Haynes, os fundadores do selo, contam em detalhes seu envolvimento com a música e os fanzines, e relembram o primeiro encontro que deu início à amizade, a relação e, na sequência, a gravadora, que desde o princípio buscou se diferenciar em tudo dos outros selos, iniciando pelo uso de um nome feminino e seguindo com a maneira bastante pessoal como administravam e até como contatavam e contratavam as bandas, colocando a música em primeiro lugar. Não só isso, assumiam uma postura política no que diz respeito a valorizar e respeitar as mulheres no mundo da música, na forma de tratar os ouvintes e até no valor cobrado pelos discos.

Recheado de muitas imagens e cenas da época, shows e videoclipes, o documentário traz também entrevistas com músicos, bandas e críticos musicais, que inclusive relatam a maneira como a grande imprensa musical na época tratava com desdém e até certo ódio qualquer lançamento das bandas do selo – até passaram a usar o termo Twee de forma pejorativa ao referirem-se a música lançada pelo selo. O DJ John Peel, ao contrário, é mostrado como um grande entusiasta e incentivador da música que a Sarah lançava.

Com cerca de cem minutos de duração e utilizando recursos gráficos e narrativos dinâmicos, o documentário acompanha a história da gravadora desde o primeiro lançamento até o último, a coletânea chamada “There and Back Again Lane”, que traz na capa uma famosa ponte de Bristol, e consta um manifesto escrito pelo casal dando por encerradas as atividades. Há espaço ainda para falar sobre os rumos tomados por seus fundadores após o fim do selo e a influência que a gravadora exerceu ao redor do mundo. Nesse momento, relatos de fãs ao redor do mundo, inclusive de um dos integrantes da banda americana The Drums.

Numa época em que não havia internet, os fanzines (também bastante comentados no documentário) eram uma das formas bastante utilizadas para divulgação de bandas independentes, foi a partir deles que a Sarah Records surgiu e deu ao mundo tantas bandas. Seria algo do tipo possível nos dias de hoje? Aliás, seria possível uma gravadora como essa nos dias de hoje?

TAMBÉM PODE INTERESSAR:

ESPECIAL | Sarah Records, mais que um selo independente


My Secret World – The Story Of Sarah Records com legendas em espanhol:

Anteriores CRÍTICA | Unwed Sailor - Truth or Consequences
Próximo CRÍTICA | The Weather Station – Ignorance

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *