AUSTRA | Hirudin


Austra, foto para resenha do Urge

“Álbum define o equilíbrio da carreira do Austra e apresenta novas possibilidades sonoras”

Foi em 2011 que o Austra surgiu para o mundo. O grupo canadense que começou se apresentando em desfiles de moda, fez logo uma surpreendente arrancada em sua carreira lançando o début Fell It Break e ganhando atenção de crítica e público sobretudo com os hits que o álbum apresentou: “Lose It”, “The Choke” e “Shoot The Water”. No início, os canadenses ganharam várias comparações com Fever Ray, Zola Jesus e Esben And The Witch, apesar disso, o Austra foi seguindo adiante mostrando que não era um grupo de um álbum só.

Trazendo uma sonoridade baseada numa Eletrônica por vezes com toques mais sombrios (Darkwave, por assim dizer), outras vezes mais de caráter Pop e bem dançante, o grupo canadense ficou conhecido sobretudo pelos vocais de Katie Stelmanis (que também é produtora e compositora). Katie teve formação em ópera, e desde os dez anos de idade fazia parte do Canadian Children’s Opera Chorus. A cantora disse em entrevista que é obcecada pela música clássica, mas que não larga de lado as influências de outros grupos como Radiohead, Nine Inch Nails e Massive Attack.

O quarto e novo trabalho do grupo extrapola as qualidades vocais de Stelmanis, num momento a cantora brinca de ser Bjork na estranhamente deliciosa “Your Family”, em outro, mantém o ritmo de nove anos atrás com a mesma facilidade de criar novas canções grudentas como em “It’s Amazing”.

Há faixas interessantes no álbum que fogem um pouco do Austra de início de carreira. “Mountain Baby” tem a colaboração da cantora canadense Cecilia Believe, traz um coral infantil em meio a pianos e batidas espaçadas. “Risk It” conta com vozes que se intercalam e que passaram por um processo de remodelação, além de também destacar batidas diferenciadas e o uso de sintetizadores.

As duas faixas curtas, “Interlude I” e “Interlude II”, dão uma quebra no ritmo eletrônico do álbum para criarem panoramas sonoros acústicos e orquestrados. “Messiah”, que fecha bem o disco, vai crescendo gradualmente, porém a tendência maior da faixa em si é valorizar pianos, camadas vocais e um sentimento mais melancólico, as batidas aqui estão num segundo plano e bem abafadas.

Os nove anos do Austra continuam intactos, mas existem novas possibilidades aqui indicando uma banda cuja carreira pode reservar mais surpresas para os ouvintes.

NOTA: 7.0

::: AUSTRA NA REDE: Facebook | Gravadora | Instagram | Site Oficial | Spotify | Twitter :::


NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:
Marcello Almeida:

MÉDIA: 7.0


LEIA TAMBÉM:

RESENHA: HÆLOS | Any Random Kindness
RESENHA: STEALING SHEEP | Big Wows


:: FAIXAS:
01. Anywayz
02. All I Wanted
03. How Did You Know
04. Your Family
05. Risk It
06. Interlude I
07. It’s Amazing
08. Mountain Baby
09. I Am Not Waiting
10. Interlude II
11. Messiah
::


:: Ouça o álbum:


:: Assista ao videoclipe de “Anywayz”:

Anteriores O ESCÂNDALO | Bombshell (2019)
Próximo Duas resenhas para a série de Ficção | TALES FROM THE LOOP (2020)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *