VIKINGS (Vikings, 2013-)



“Vikings é recheada de ação, cenas de combate e reviravoltas, mas não foca nos costumes e cultura dos nórdicos”

Para muitos, a cultura/mitologia nórdica passou a ser mais reconhecida através de produções como “Thor”, criação da Marvel. Thor, Odin e Lóki passaram até a fazer parte de comentários das crianças pelas ruas. Em se tratando de série de TV, a temática de trazer os costumes e a história dos nórdicos não engrenou como deveria. Ainda é um tema que pode estar em débito nas variadas produções cinematográficas atuais. “Vikings” trata da famigerada civilização escandinava. Exploradores destemidos, grandes marinheiros, bravos guerreiros.

Na série, de produção irlando-canadense, o personagem central é o lendário Ragnar Lothbrok (Travis Fimmel), considerado como um dos mais importantes heróis vikings. O seriado traça uma narrativa que aborda o início de Ragnar (quando ainda era apenas um jovem guerreiro e fazendeiro), passando por seu momento de poder quando assume uma liderança máxima e indiscutível entre seu povo (mais detalhes são descartados aqui para não entregar spoilers).

O povo viking tem seu comércio, agricultura e seu povoado, mas Ragnar, um homem inquieto e visionário, sente a necessidade de explorar outros lugares, de navegar além de suas terras. A partir de então, ele segue numa série de expedições além de seu povoado junto a outros guerreiros. Demonstrando ousadia e espírito aventureiro, terras novas não demoram a surgir. O explorador também é uma pessoa curiosa, e a cada lugar, ele busca compreender as diversas formas de costumes dos povos desconhecidos, sobretudo no que se toca ao assunto da religião católica, mesmo que isso gere certa discórdia entre alguns membros do grupo a exemplo do enigmático Flóki (Gustaf Skarsgård). Com esse choque cultural e religioso, claro que nada será fácil e combates acontecerão a todo instante.

Ponto alto da série também são as relações entre os personagens. Alianças surgem, inimigos afloram, amizades são feitas, porém muitas são desatadas. Desconfianças, traições, até mesmo o sentimento de irmandade entra em jogo (exemplo é Rollo, irmão de Ragnar).

Outros personagens também são essenciais na trama e a cada temporada ganham mais força, o que já é um mérito por não focar apenas numa pessoa central, por abrir várias perspectivas de como a série pode engrenar (ou mesmo terminar). É o que acontece mais tarde com a abordagem dos filhos de Ragnar com destaque para alguns que assumirão a mesma postura do pai. As personagens femininas também não ficaram esquecidas. O exemplo maior é a esposa de Ragnar, Lagertha. Com as temporadas, torna-se crucial para o avanço da trama. Apesar de também ser ótima combatente, traz um equilíbrio entre corpo e mente ao trazer um lado mais estratégico e reflexivo, sem perder suas características de mãe zelosa. Paciente, sabe o momento exato de atacar e quais planos vai usar.

O seriado possui belas locações, em parte realizadas na Irlanda, resgatando o tema pastoril/bucólico de uma época remota. Lagos, campos e florestas ganham destaque muitas vezes contracenando com batalhas épicas e um tom mais desolador e sangrento. Mas também o seriado apresenta cenas místicas e sombrias vividas por alguns personagens sob efeitos de alucinógenos ou em sonhos. Acrescente a isso o próprio oráculo e ancião da vila que, ao prever o destino de alguns vikings, traz a profecia em imagens assustadoras e repletas de suspense.

‘Vikings’ recebeu boa recepção por parte de público e crítica. Mesmo que chegue ao final após a sexta temporada, deixará algumas séries derivadas. Em contrapartida, pesquisadores e historiadores encontraram erros e alguns desajustes por parte da cultura que os vikings tiveram. Então, poderíamos dizer que para um estudioso a série ganha pontos na ficção e como entretenimento, entretanto perde ao ser um documento cinematográfico com seus desacertos e por falhar em buscar maiores informações acerca do povo viking. Nem tudo é perfeito, apesar de que o History Channel poderia ter caprichado mais. Um seriado indicado a fãs de ação/aventura. Espere por muitas lutas, reviravoltas, descobertas, surpresas, alianças e traições. Se você não faz tanta questão da ficção ser tão verídica à História, pode se sentir bem que a série não decepciona, sobretudo no quesito entretenimento.

:: NOTA: 7,5


:: NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:

MÉDIA: 7,5


: :LEIA TAMBÉM:

RUSSIAN DOLL (Boneca Russa2019)
PEAKY BLINDERS – SANGUE APOSTAS E NAVALHAS (Peaky Blinders, 2013)


:: FICHA TÉCNICA:

Temáticas: História, guerras, povos antigos, aventura, drama
Emissora: History
Temporadas: 5 (a sexta temporada será a última)
Episódios totais: 69 até agora (cada um com tempo entre 45 a 50 minutos aproximadamente)
Criador: Michael Hirst
Produtores Executivos: Morgan O’Sullivan, Sheila Hockin, Sherry Marsh, Alan Gasmer, James Flynn, John Weber, Michael Hirst
Elenco: Travis Fimmel, Katheryn Winnick, Clive Standen e outros
Censura: 16 anos
IMDB: Vikings


:: Assista ao trailer oficial da série:

Anteriores TAMARYN – Dreaming The Dark (2019)
Próximo THE SMITHS - A História das Troy Tate Sessions

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.