CONHEÇA BAMBARA


Foto da banda Bambara

Bambara surgiu em Atlanta, Georgia, estado que deu ao mundo os inesquecíveis R.E.M., que eram de Athens. O projeto surgiu em 2009, na época era a chamada “one man band”, com apenas o vocalista Reid Bateh. Rings, o EP gravado em 2010 e lançado em 2012, é puro experimentalismo noise em faixas instrumentais geralmente curtas.

Dreamviolence (2013), o álbum de estreia é uma pedra bruta de barulho e vocais guturais soterrados. Foi gravado no porão da banda – nessa época já um trio –, que mudou sua sede para o Brooklyn, em Nova Iorque. O título do álbum faz a simbiose perfeita com a sonoridade perpetrada pela banda: violência sonora Lo-Fi com cenas de um pesadelo, remetendo aos primeiros trabalhos do Birthday Party. A banda cita influências do cinema de Wong Kar Wai e David Lynch.

Com Shadow of Everything (2018) o trio abrandou sua sonoridade tempestuosa, enfatizando mais os vocais de Reid, que passou a assumir uma postura de “crooner”. De quebra, acrescentaram outros metais e cordas para enriquecer os arranjos, expandindo suas fronteiras musicais para além dos usuais baixo/bateria/guitarra. É um álbum de transição.

Bambara pode ser considerada uma banda irmã, por exemplo, da Post War Glamour Girls, bebem das mesmas fontes, utilizam as mesmas referências. A diferença é que os britânicos conseguem diluir melhor a dose e fugir da sensação monotemática que persegue os norte-americanos. A associação com Nick Cave, seja através do The Birthday Party ou em carreira solo, é algo que causa certo incômodo inevitável.

Não há exagero em afirmar que Stray (2020) é o álbum mais resolvido da banda, que consegue condensar o lado furioso dos primeiros trabalhos, soar mais diversificado (incluindo nos timbres de guitarra) e ir musicalmente um pouco além no que todos os outros falharam, encontrar um caminho dentro das referências às quais seguem atrelados. A produção de Drew Vandenberg (Deerhunter) responde em muito por esse novo enfoque.

Reid Bateh encarna com mais propriedade a persona de crooner e dá de encontro com nomes como Leonard Cohen e Michael Gira (Swans), enquanto narra suas histórias com personagens deslocados e tendo a morte quase onipresente ao longo das dez faixas.

Bambara é: Reid Bateh (voz e guitarra), Blaze Bateh (bateria e percussão) e William Brookshire (baixo).

| OUÇA “SERAFINA” EM NOSSA PLAYLIST DE 2020:: PLAYLIST URGE! 2020 |


:: Ouça “Strays” na íntegra:


:: Assista show de 2017:

Anteriores The Martinis, o projeto paralelo de Joey Santiago, dos Pixies
Próximo Bolha

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *