O DISCO “ESQUECIDO” DO PRIMAL SCREAM


Foto da banda Primal Scream em 1987

“Guitarras Rickenbacker, canções melódicas e influências sessentistas”

A história do Primal Scream começa quando os colegas Bob Gillespie e Jim Beattie (também conhecido como Jim Navajo) se juntam para formar uma banda com influências de The Byrds e Velvet Underground. Tiraram o nome da teoria do psiquiatra Arthur Janov, autor do best-seller “The Primal Scream”, de 1970. Segundo a teoria, “as doenças e neuroses são resultados de dores e neuroses reprimidas na infância e no parto, a solução é reviver a dor e soltar o berro”.

Diferente do que possa sugerir o nome da banda, a música no início da carreira era guiada por dedilhados melódicos de guitarra que remetiam a bandas sessentistas que incluíam também o Love, paixões de Beattie, assim como as guitarras Rickenbacker de doze cordas e seu som característico, marcadamente melódico.

Paralelamente ao Primal Scream, Gillespie tocava bateria (em pé) no The Jesus and Mary Chain, abandonando esse side project quando a carreira dos irmãos Reid se tornou mais sólida, voltando assim a se dedicar ao Primal Scream.

Entre 1985 e 1986, o Primal Scream lançaria dois singles, “All Fall Down” (com “It Happens” no lado B) e “Cristal Crescent”, que em seu lado B trazia a emblemática “Velocity Girl”, que fez mais sucesso do que todas outras lançadas. A faixa entrou na cultuada compilação em K7, chamada C-86, contendo bandas emergentes da cena britânica naquele ano. Lançada pelo semanário inglês NME a compilação continha nomes como: The Wedding Present, The Bodines, The Mighty Lemon Drops, The Soup Dragons, dentre outros. A banda chamou também a atenção de John Peel, logo participando do seu programa de rádio.

Em pouco tempo o Primal Scream entraria em estúdio para gravar seu primeiro álbum. Sonic Flower Groove foi gravado duas vezes, uma com Stephen Street (conhecido na época por seus trabalhos com os Smiths) e outra com Mayo Thompson (ex-The Red Krayola e que naquele ano produziu Brave Words dos australianos The Chills). Entre brigas ocasionadas por divergências musicais e gastos acima do esperado (cerca de cem mil libras), o grupo conseguiu finalizar o seu début. A versão final apresentada foi a produzida por Thompsom.

O álbum teve uma recepção fria e críticas não muito positivas da imprensa, que o achava excessivamente lapidado e por ser demasiado calcado na música sessentista, principalmente dos Byrds.

Não deixa de ser verdade que Sonic Flower Groove bebe direta e excessivamente nas suas referências musicais, e o que brota disse é quase como uma releitura sob uma nova roupagem. Apesar de melodicamente marcante e atraente, deixa bastante a desejar no quesito novidade, já que está preso ao modelo original de forma um tanto excessiva.

Nada disso tira o frescor emanado pelo conjunto de canções composto pelo grupo, que em nenhum outro momento voltaria a repetir a dose, até porque Beattie deixaria a banda logo em seguida para formar o Spirea-X e o Primal Scream tomaria outros rumos quatro anos depois com o clássico Screamadelica. Interessante observar que dois anos depois os Stone Roses lançariam o seu aclamado primeiro álbum bebendo nas mesmas fontes e com sonoridade idêntica a perpetrada aqui.

Lançado em vinil pela Elevation Records, uma joint venture da Creation Records com a WEA, em outubro de 87, Sonic Flower Groove trazia dez canções em sua versão original, cinco em cada lado, totalizando pouco mais de trinta minutos. Nenhum dos singles lançados previamente entrou no álbum. Seria lançado no formato CD em 1991, e na versão japonesa com cinco faixas bônus.

Talvez tenha sido lançado num momento errado e por isso tenha padecido de certa má vontade por parte principalmente da imprensa. Fica a dúvida se teria melhor sorte se lançado em 1989, quando o “mundo” parecia mais receptivo para essa sonoridade e possivelmente não teria se tornado o “disco esquecido” do Primal Scream, e a história do grupo poderia ter tomado um outro caminho.


Capa do álbum "Sonic Flower Groove" do Primal scream

:: FAIXAS:

01. Gentle Tuesday
02. Treasure Trip
03 .May The Sun Shine Bright For You
04. Sonic Sister Love
05. Silent Spring
06. Imperial
07. Love You
08. Leaves / 
09. Aftermath
10. We Go Down Slowly Rising


:: LEIA TAMBÉM:

SPIREA X – SURFANDO NAS ONDAS SESSENTISTAS
YOUNG MARBLE GIANTS – Música Contra Toda a Apatia


:: Assista ao vídeo raro de uma apresentação da banda em 1987:

Anteriores WHAT REMAINS OF EDITH FINCH (Giant Sparrow, 2017)
Próximo PURPLE PILGRIMS – Perfurmed Earth (Flying Nun, 2019)

1 COMENTÁRIO

  1. Avatar
    Anônimo
    13/08/2019

    Realmente a “teoria” do lançamento no momento “errado” procede… Talvez, num universo paralelo, “Sonic Flower Groove” tenha o mesmo poder que o debut “The Stone Roses” (também o rumo tomado seria o mesmo deste?) Matéria oportuna, pra não dizer interessante, que traz um passado esquecido de uma banda que se consolidou seguindo diferentes rumos sonoros do proposto inicialmente – viva “Screamadelica”!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *