THE JESUS AND MARY CHAIN – Damage and Joy (2017)


“Apesar do clima de continuidade, irmãos Reid compõem um álbum atraente”

Lá se vão dezenove anos desde que os irmãos Reid (Jim e William) entraram em estúdio para gravar um álbum de inéditas, ‘Munki’ (1998). A frase acima contém dois erros. Primeiro que o relacionamento dos irmãos na época da gravação de ‘Munki’ era tão difícil que não gravavam as canções no mesmo ambiente. Segundo que ‘Damage and Joy’ não se constitui em um álbum de inéditas apenas, várias das canções presentes já haviam sido gravadas pelos irmãos em seus diversos projetos paralelos, seja com o Sister Vanilla, Freeheat ou solo.

Pode parecer um punhado de canções requentadas, mas não é. As versões aqui soam bem melhor arranjadas do que em suas versões anteriores, talvez a exceção seja “Facing Up The Facts”, que em sua versão original tem uma pegada mais guitarreira e mais interessante que o arranjo polido do álbum sob a alcunha JAMC.

Jim Reid explica a opção por regravar algumas canções antigas: “Essas versões eram muito obscuras, e eu simplesmente não queria que essas músicas desaparecessem na obscuridade. E também esse material que foi gravado anteriormente, eu diria que eu estava talvez em meu pior momento e quando elas saíram quase ninguém prestou atenção”.

A produção de Youth (Killing Joke), que também tocou baixo nas gravações, não só apaziguou a tensão entre os irmãos como deu novos ares a várias das canções, além das participações especiais, que são várias e todas femininas: Sky Ferreira (que já havia cantado com o Primal Scream), Isobel Campbell (ex-Belle And Sebastian) e a desconhecida Bernadette Denning, namorada de William, que participou de alguns shows com a banda cantando “Just Like Honey”, clássica canção de seu primeiro e clássico álbum ‘Psychocandy’.

É possível encontrar ao longo das quinze faixas que compõem ‘Damage and Joy’ canções que entrariam tranquilas em quaisquer dos álbuns da carreira da banda, exceto de ‘Psychocandy’, que primava pela microfonia e chuva de ruídos.

Essa era a sensação que também escorria de ‘Munki’, logo não seria errado afirmar que mais parece uma continuação do álbum de 98.

Os irmãos Reid aplicam em suas canções o que pode ser chamado de estética JAMC, algo semelhante ao que os Ramones faziam. Não há tentativa de reinvenção ou algo parecido, mas de apresentar canções desenhadas na estrutura verso/refrão mas com o selo que caracterizou a carreira do grupo.

Como conjunto, ‘Damage and Joy’ é um álbum coeso, redondo. Peca pela quantidade incomum de faixas nos discos atuais, embora não deixe a peteca cair em momento algum. Algumas com letras mais corrosivas como “Amputation”, onde Jim canta: “I’m a rock and roll amputation”. Ou em “Simian Split”: “Eu matei Kurt Cobain. Dei um tiro bem no cérebro dele. E a mulher dele me deu a droga porque eu sou um babaca gordo e mentiroso”. Antes que alguém queira matar o vocalista, ele explica: ” Pode parecer bobo, mas é divertido. É ficção! É total ficção! Não é para ser levado a sério. É só uma coisa que eu inventei e ninguém precisa ficar bravo com isso”.

Musicalmente, os duetos conseguiram dar ares renovados às canções, especialmente em “Black and Blues”, “Song for a Secret” e “Always Sad”, apesar dessas duas últimas parecerem bastante com “Sometimes Always”, faixa do álbum ‘Stoned and Dethroned’ (1994) e das canções mais bonitas produzidas pela banda. “Mood Rider” e “War on Peace” são outas canções que se destacam, essa última uma balada acústica ao estilo ‘Darklands’, que nos instantes finais ganha velocidade e distorção.

Cinquentões, os irmãos Reid não pretendem revolucionar musicalmente nada, apenas compor e gravar suas canções. Seu legado mais precioso pode estar no passado, em seus quatro primeiros álbuns, mas para hoje a dupla continua compondo canções certeiras para os velhos e novos fãs.

NOTA: 7,2

:: FAIXAS:
01. Amputation
02. War On Peace
03. All Things Pass
04. Always Sad
05. Song for a Secret
06. The Two of Us
07. Los Feliz (Blues and Greens)
08. Mood Rider
09. Presidici (Et Chapaquiditch)
10. Get On Home
11. Facing Up to the Facts
12. Simian Split
13. Black and Blues
14. Can’t Stop the Rock

:: Assista ao vídeo de “Mood Rider”:

Anteriores BOOGARINS – Lá Vem a Morte (2017)
Próximo Lowlife, de Grangemouth para o mundo

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.