BECK – Colors (2017)


“Sinta as cores, sinta-se vivo”

Quão bom ser surpreendido, ainda mais duas vezes.

Assim ocorreu com este álbum, pelo seu lançamento e sua excelência! E o que está em questão aqui? Bem, a arte de se reinventar. Algo que não é fácil, ainda mais quando a ideia é dar um 180° e fazer algo completamente diferente do que já foi produzido. E, o mais importante, com competência e boa qualidade sonora.

Há muito que Beck não tem pressa, vem lançando álbuns com intervalos de tempo consideráveis. Maturidade de artistas que não se deixam levar por imposições ou pressões, seja de gravadora, mídia, fãs ou por si mesmo. Também sabedoria de quem sabe que devagar e sempre, com zelo e esmero, se chega lá. E qual a “bola da vez”? Soltar-se com leveza, entrar na pista despreocupado. Se divertir alegremente – clima de festa.

“Colors” é Beck se jogando num pop dançante, desfilando prováveis hits radiofônicos, capazes de animar qualquer tipo de evento.

Vista sua roupa mais colorida e descolada, se liberte e caia na gandaia num sábado à noite. Bem provável que esta seja a ideia do álbum.

“Colors”, a faixa homônima de abertura, já mostra seu cartão de visita: “let’s dance and have fun” (Vamos dançar e nos divertir). Música contagiante, com interessantes elementos eletrônicos. “Seventh Heaven” segue mantendo o “groove” e a pegada do início. Atenção, algo bacana está prestes a acontecer, é “I’m So Free”, uma perfect pop song com sua explosão sonora de melodias e refrão marcante/delirante. “Dear Life”, quarta faixa, tira o pé do acelerador pra falar dos conflitos e “demônios” que atormentam a alma e uma mente confusa – a influência dos Beatles se faz presente através da guitarra e piano. Destaque ainda para a vibrante “Dreams” e a “romântica” “Fix Me” (belíssima canção).

Beck neste trabalho beira a perfeição.

Letras interessantíssimas, intensidade sonora e produção impecável. Seria perfeito se não fosse a repetição desnecessária de “Dreams” e “Wow”: um hip-hop pop deslocado em relação às outras faixas, mas ainda assim bacana. Talvez uma caricatura de músicas do gênero, mostrando a facilidade de compor com competência, utilizando-se de novas ideias e ao mesmo tempo de fórmulas repetitivas. Coisa que só os mestres sacam!

NOTA: 9,5



FAIXAS:

01 Colors
02 Seventh Heaven
03 I’m So Free
04 Dear Life
05 No Distraction
06 Dreams (Colors Mix)
07 Wow
08 Up All Night
09 Square One
10 Fix Me
11 Dreams


:: Assista ao clip de “Up All Night”:

Anteriores Calexico anuncia 'The Thread That Keeps Us', seu novo disco
Próximo BETO CUPERTINO – Tudo Arbitrário (2017)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.