Cinder Well e o Folk em seu mais puro tradicionalismo


Cinder Well, No Summer

Cinder Well (aka Amelia Baker) cresceu na Califórnia, numa comunidade judaica, e ainda jovem a cantora sentiu vontade de estudar a música e a cultura irlandesa. Viajou para o Condado de Clare, na Irlanda, lugar onde encontrou inspiração para compor sua música.

O título do álbum, No Summer, traz referência melancólica aos tempos de pandemia em que o isolamento obrigou o fechamento de pubs e cancelamento de shows pela Irlanda, situação bastante sentida pela cantora, que tem paixão pelo lugar.

Ainda usando o nome Amelia Baker, a cantora ganhou bastante experiência durante os tempos em que atuou na Blackbird Raum, banda de Santa Cruz (Califórnia) que mesclava o Folk com o Punk e que ficou conhecida pela atitude frenética nos palcos e por se basear numa política anarquista.

Em carreira solo, Cinder vai em busca de um revival do gênero, prezando pelas características básicas que tornaram o gênero famoso nas interpretações de artistas como Carole King e Bob Dylan.

Enquanto muitos artistas/grupos arriscam pelo Folk, que atravessa territórios sonoros e funde-se a outros gêneros, para Cinder parece funcionar ao contrário. Totalmente imersa nas raízes do gênero, o pensamento da cantora está voltado para a ideia de que quanto mais tradicionalismo melhor.

Produzido por Nick Wilbur, que já trabalhou com Angel Olsen, o álbum é recheado de paisagens intimistas, acústicas e pastoris. Algumas vezes preza pelo minimalismo, destacando primordialmente a voz em meio a uma declamação de poesia, exemplos são as faixas “Wandering Boy” e “The Cuckoo”.

Em faixas como “Our Lady’s” e “From Behind The Curtain” nota-se a dinâmica dos instrumentos típicos do gênero como banjos, violinos e violão.Sem a voz da cantora, “Queen Of The Earth, Child Of The Skies” e a vinheta “ The Doorway” são melhor percebidas com fones de ouvido e funcionam mais como peças experimentais do álbum.

Cinder Well é mais uma artista que não abandonou a arte nestes tempos tão temerosos. Pelo contrário, ganha forças para lançar uma produção que também sente os reflexos de um mundo isolado. Ela retrata isso em suas letras, na sua voz geralmente pungente. Para isso, cria um álbum para fãs ardorosos do Folk em todo seu tradicionalismo, fincado nas raízes do gênero.

DESTAQUES: 

GALERIA:


TAMBÉM PODE INTERESSAR:

MERCURY REV – Bobbie Gentry’s the Delta Sweete Revisited (2019)
MARISSA NADLER – For My Crimes (2018)


OUÇA O ÁLBUM NA ÍNTEGRA:


ASSISTA AO VIDEOCLIPE DE “NO SUMMER”:

Anteriores 'Uma Beleza Fantástica' fala de amor e amizade de forma metafórica
Próximo SPECTRES | Nostalgia (2020) :: OUÇA

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *