INTERPOL – Interpol (2010)


“O que poderia ter sido e o que é ou o SE não existe, e o Interpol segue a fórmula”

Duas coisas intrigantes em relação ao novo álbum do Interpol: o nome da banda se desfazendo na capa, ou se reintegrando, dependendo do ponto de vista; e em um quarto álbum a banda usar o próprio nome, mais comum no disco de estréia.

Dito isto, vamos imaginar? Não custa nada.

Vamos então imaginar que a ideia do baixista Carlos D fosse de um álbum com elementos orquestrados, como chegou a comentar Paul Banks em entrevista, já que o baixista andou envolvido em trilhas sonoras, e que não foi dado espaço para essas idéias.

Após esse exercício de imaginação, voltemos ao novo álbum do Interpol que temos em mãos: alguma orquestração? Algo de “totalmente” novo, como Banks chegou a comentar?

Seria esse o novo álbum do Interpol que teria o baixista em mente?

O novo álbum do grupo novaiorquino, longe de mostrar algo de novo, traz uma coleção de canções que poderiam constar em qualquer dos seus três álbuns, mas sem acrescentar-lhes nada, para melhor ou para pior. Há, sim, a adição de pequenos elementos eletrônicos em várias canções, como em ‘Summer Well’, ‘Try it On’ e ‘All of the Ways’.

Percebe-se que o Interpol alcançou um ponto que muitas bandas conseguem após alguns discos: possuem domínio sobre sua música, conseguem compor canções com o que podemos chamar de “selo de qualidade”. Em muitas bandas, isso gera acomodação, lançam álbuns que, apesar de não serem ruins, apenas repetem fórmulas de outrora. E é assim que soa o novo álbum da banda. Não é ruim, e consegue ser superior a muitos dos lançamentos desse ano, mas isso não o tira do que se pode chamar de contentamento com a medianidade, que a banda parece se encontrar.

Talvez a banda esteja sofrendo com o que disse o baterista Sam Fogarino em entrevista: “A perda da inocência”, o que se reflete no conjunto da obra. Voltemos então ao nosso exercício de imaginação do início, para imaginar como soaria um disco do Interpol com orquestrações? Fica para um próximo álbum então?!

:: NOTA: 7,2

:::

:: FAIXAS:
01. Success
02. Memory Serves
03. Summer Well
04. Lights
05. Barricade
06. Always Malaise (The Man I Am)
07. Safe Without
08. Try It On
09. All of the Ways
10. The Undoing
11. Crimewaves
12. Gavilan

:::

:: Assista abaixo ao vídeo de “Lights”:

Anteriores Psychocandy (The Jesus and Mary Chain, 1985)
Próximo Big Troubles, Amusement Parks on Fire, Alcest

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.