DEAD CAN DANCE :: Os tempos que vivemos são tristes, afirma Brendan Perry


Foto Dead Can Dance notícia show em Lisboa

Com dois shows agendados em Portugal, no Aula Magna, em Lisboa, nos dias 23 e 24 de maio, com seu projeto Dead Can Dance, Brendan Perry, uma das metades do núcleo central do grupo (Lisa Gerrard é a outra), concedeu uma entrevista para o site lusitano Blitz (leia a entrevista completa), onde falou sobre o último álbum do DCD, “Donysius”, e a importância do “Mito de Dionísio” na construção do trabalho, Nietzsche, além de sua mudança da Irlanda para a França:

“É uma casa antiga, do século XV ou XVI, e tem um jardim lindo que termina numa floresta que se alonga pelo campo adentro. Temos veados e javalis a atravessar o jardim, às vezes. Sento-me aqui a escrever e a olhar pela janela, para este jardim lindo, e sinto-me abraçado pela natureza.”

O vocalista também falou sobre a situação de xenofobia e intolerância nos dias atuais, quando questionado sobre o fato de Dionísio ser um “deus marginal”:

“Sem dúvida. A razão pela qual temos estes problemas com a imigração prende-se simplesmente com questões econômicas. Vivemos num tempo em que os poderes ocidentais são coniventes com a destabilização de certas zonas do globo, que forçaram a migrações por causa da guerra…Nenhum destes migrantes quer verdadeiramente abandonar o lugar onde vive…Os tempos que vivemos são tristes, verdadeiramente tristes.”

Perguntado se tem acompanhado a situação política no Brasil, Perry afirmou:

“Não muito, mas foi assim que Hitler chegou ao poder, é dessa forma que os fascistas tendem a chegar ao poder… Apontam para um determinado grupo da sua comunidade e fazem dele bode expiatório, transformam essas pessoas no inimigo interno e é assim que ganham o poder.”

Formado em 1981, em Melbourne, o Dead Can Dance está prestes a completar quatro décadas de carreira, com uma discografia não tão extensa (nove álbuns de estúdio) mas de trabalhos marcantes, tendo seus maiores êxitos na década de 80, quando estiveram associados ao selo 4AD.

A música do grupo, inicialmente soturna e logo associada ao sons góticos, ao longo dos anos passou a incorporar elementos musicais de culturas e épocas diversas, passando pelo uso de elementos medievais, tribais, e de países ocidentais. O último álbum lançado foi “Dionysius”, em 2018.


:: Assista ao show do grupo no Grand Rex, em Paris:

Anteriores 10 PERGUNTAS PARA EARLY MORNING SKY
Próximo THE VERVE :: Jagger e Richards devolvem direitos de "Bitter Sweet Symphony" para Ashcroft

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.