FLYING LOTUS – Flamagra (2019)



“Peça por peça, Flamagra é um quebra-cabeça que abre várias opções de ser montado e também de ser contemplado”

Por vezes a estratégia do músico é rearranjar a música. Experimentar o máximo que conseguir. Compor novas camadas e texturas. Se possível, até desestruturar a arte para, em seguida, reorganizá-las em fragmentos, juntando os estilhaços em criações cujo objetivo maior seja de que o ouvinte possa interpretá-las de inúmeras formas. Dessa forma se processa o mundo de Steven Ellison. O articulador por trás do projeto Flying Lotus. Um quebra-cabeça formado de peças ligadas por meio de colagens, batidas, efeitos, samplers, ritmos, gêneros e da própria história da música.

São vinte e sete momentos. Curtos ou mais extensos, cada um na sua devida importância dentro de um contexto musical específico de seu criador. O ouvinte poderia até inverter a ordem que nada destoaria do conjunto e que, no final, o encaixe se faria de forma correta e com a mesma função. A pretensão de entender tudo logo na primeira chance é difícil. Busque tentar outra vez. Terceira vez, está preparado?. Não desista, tudo está quase se endireitando e se agrupando no conjunto que você esperava. Difícil? Sim. Na correria da vida e da necessidade de se ter algo para se adorar instantaneamente, perdemos o sentido de apreciar obras com maior cuidado e que dependiam de nossos sentidos num momento mais descontraído da vida (sim, ele ainda há de existir). Erroneamente a interpretação acontece: se depende de um esforço maior, aquilo pode ser jogado numa lata de lixo e nunca mais será recuperado.

Criações intrincadas e extensas assim não são executadas por apenas um único homem, mesmo que a liderança seja dele. No seu amplo universo de maturidade, conhecimento e de amizades, outros artífices também hábeis entram no processo. George Clinton, David Lynch, Shabazz Palaces e Toro Y Moi estão entre eles e ajudam na lapidação das peças.

Investigando a vida de Ellinson, descobrimos que esse articulador sonoro vem de uma família com vários músicos envolvidos no Jazz. Está explicado então? Sim, em termos, pois não basta ter apenas o berço propício a isso, tem que se aprimorar, se redimensionar, sair da sombra de um passado de talento legado pelos parentes para criar um futuro próprio e justificável. Dessa forma, nosso explorador não fica apenas centrado no seu projeto, corre também para outras áreas como trilhas sonoras e colaborações com outros artistas (Thom Yorke, Kendrick Lamar, Burial). Não é à toa que cinco anos separam esse álbum do anterior, ‘You’re Dead’ (2014). Essa empreitada com a sétima arte reflete (pra nossa sorte) no novo trabalho em faixas com paisagens cinematográficas a exemplo de ‘Remind U’, ‘Find Your Own Way Home’, ‘Thank U Malcolm’ e ‘Fire Is Coming’ (que tem a participação de outro mestre do cinema, David Lynch).

Como estamos tratando de um quebra-cabeça que é feito com peças de várias formas e cores, ‘Flamagra’ tende a confundir o ouvinte no melhor dos sentidos e fazê-lo também explorar a montagem final que lhe surge cadenciadamente. A aproximação com o funk de ‘Burning Down The House’, o clima vintage de ‘Say Something’, a herança do Massive Attack em ‘Land Of Honey’. Abraçando o universalismo da música, a queda para a bossanova e o samba em ‘Takashi’ com certeza pode ter vindo da inquietude de Ellison em alcançar territórios mais vastos (quantos discos existem na estante desse montador de quebra-cabeças e que lhe serviram de referência? Imagine.).

Tudo montado? Conseguiu visualizar o resultado final? O panorama? Ainda não? Tente de novo. Eu sei, nada é fácil neste mundo, na música. Esse é um trabalho entregue com cuidado de alguém que gosta da arte para alguém com as mesmas características e que tenha o mesmo zelo. Se preferir, monte tudo de novo e tenha outras conclusões. Várias interpretações não fazem mal num mundo que parece ter perdido a vontade de explorar e apreciar obras de arte.

:: NOTA: 8,5


NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:

MÉDIA: 8,5


:: LEIA TAMBÉM:
THE CHEMICAL BROTHERS – NO GEOGRAPHY (2019)
GANG GANG DANCE – KAZUASHITA (2018)


:: FAIXAS:
01. Heroes
02. Post Requisite
03. Heroes In The Half Shell
04. More (Feat. Anderson Paak)
05. Capillaries
06. Burning Down The House (Feat. George Clinton)
07. Spontaneous (Feat. Little Dragon)
08. Takashi
09. Pilgrim Side Eye
10. All Spies
11. Yellow Belly (Feat. Tierra Whack)
12. Black Balloons (Reprise) (Feat. Denzel Curry)
13. Fire Is Coming (Feat. David Lynch)
14. Inside Your Home
15. Actually Virtual (Feat. Shabazz Palaces)
16. Andromeda
17. Remind U
18. Say Something
19. Debbie Is Depressed
20. Find Your Own Way Home
21. The Climb (Feat. Thundercat)
22. Pygmy
23. 9 Carrots (Feat. Toro Y Moi)
24. FF4
25. Land Of Honey (Feat. Solange)
26. Thank U Malcolm
27. Hot Oct


::Mais Informações: Facebook/Site oficial


::O vídeo oficial de ‘Fire Is Coming’:

Anteriores 60 MINUTOS COM: BEAUTY SLEEP (Be Kind, 2019)
Próximo JOSEPHINE WIGGS - We Fall

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.