Tomb Raider (2013)


‘Com uma revitalização da franquia, a aventura de Lara Croft traz exploração, ação e stealth na medida certa, projetando uma nova e dinâmica visão da franquia tanto para o cinema como para os futuros jogos’.

Nos anos 90, nunca conseguia terminar um jogo de Tomb Raider. Desistia pela metade. Jogabilidade com falhas, mira imprecisa e gráfico aquém do que o console podia gerar. Já na geração PS2, eu considero que os jogos de Lara Croft receberam uma certa melhoria, mas sem aquele charme equivalente de outros grandes jogos que saíram na mesma época.

Em 2013, a arqueóloga heroína ganha nova roupagem. Gráficos equivalentes à nova geração (sobretudo se pegarmos o disco já cansado de 8,5 Gb do Xbox 360), uma Lara mais encorpada e muito mais exploração e tesouros para se descobrir. A jogabilidade também recebeu esmero, mesmo que as acrobacias e os tiroteios continuem nada originais (já visto em jogos como Prince Of Persia e Uncharted).

O jogo se passa numa ilha. Após um naufrágio, Lara e os tripulantes de um navio precisam sobreviver e enfrentar vários inimigos. Claro, a ilha é dividida em seções. Passaremos pela região costeira, por minas e bunkers e não faltam as tumbas escondidas. Procurar por relíquias, documentos, desafios e tesouros escondidos é outro benefício para o jogador, uma vez que tais descobertas ajudarão no aumento de XP’s (os já comuns pontos de experiência do personagem). E isso é importante não apenas para conseguir upgrade em armas, ferramentas e habilidades, como também para se fazer 100% (e você com certeza vai querer fazer tudo). E não se preocupe, a ilha tem seus acampamentos, quando o jogador quiser, ele pode retornar à outras seções da ilha para desvendar os objetos ocultos.

A esmerada produção do jogo se estende até os créditos finais. Numa forma de carinho, a equipe de produtores agradece aos jogadores e também aos inúmeros fã-clubes espalhados pela internet por reverenciar a franquia desde 1996. Lógico que os fãs e jogadores igualmente agradecem pela restauração e repaginada da heroína e suas aventuras. Porque a bem da verdade, Tomb Raider precisava mudar, se inovar e ressurgir com novo fôlego para conquistar não apenas os jogadores novos, como os mais velhos que tiveram uma má opinião formada do jogo. E conseguiu.

O jogo saiu para PC, PS3, PS4, Xbox 360 e Xbox One.

Nota: 9,0

Anteriores Fear of Music (Talking Heads, 1979)
Próximo EDITORS – The Weight of Your Love (2013)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *