DISSECTION | S/T (2020)


Dissection, imagem do jogo

“Dissection vai contra praticamente todos os requisitos que conquistam um jogador ao escolher um jogo”

Não é pela questão de gráficos ultrapassados e precários demais. Muito menos pelo preço barato. Muitos jogos uniram os dois recursos e foram agradáveis dando ao jogador um prazer indescritível ao serem apreciados. O problema (melhor dizendo, os problemas) de Dissection são vários que, na soma final, garantem ao jogador uma experiência horrível, esquecível e até tortuosa.

O jogo nos coloca no interior de uma casa onde precisamos encontrar objetos até conseguir a chave final da residência e fugir dela. Só existe um inimigo que te persegue pela casa, bem fácil de ter os movimentos antecipados e estudados. Caso você seja pego pela criatura, você volta ao começo (sem stress pois o jogo não é longo, pelo contrário).

Não há história pra contar. Isso não é de todo ruim no mundo dos jogos onde muitos trabalharam com essa perspectiva. Entretanto, não existir documentos espalhados pela casa para, ao menos, entreter o jogador com uma adicional narrativa e mais itens a se vasculhar, mesmo que tudo fosse clichê ou caricato, desaponta.

Ao contrário de alguns jogos em primeira pessoa onde o personagem vai descobrindo sobre ele mesmo e o lugar em atmosferas brilhantes e assustadoras (a exemplo de Here They Lie, What Remains of Edith Finch e Everybody’s Gone to the Rapture), Dissection não aproxima personagens muito menos a narrativa com o jogador.

O fator replay é nulo, o jogo acaba agradando somente ao jogador do PS4 que almeja mais troféus fáceis a sua coleção. O jogador mais apressadinho acaba olhando guia no Youtube e fazendo as duas jogadas possíveis em 20 minutos no total. Aliás, duas jogadas que não se alteram em nada, inclusive o final (pois nem existe um interessante). Uma jogada difere da outra por mudar em duas ou três ações a mais que você faz no jogo para coletar uma ferramenta extra e que sequer passa de 1 minuto.

A casa possui um ambiente que sequer passa de 10 compartimentos totais. Em jogos desse tipo, o cenário contribui muito para o medo e imersão do jogador. Subterrâneos e porões são sempre interessantes de explorar, o que fica faltando aqui. Depois de saber por onde seguir e quais ferramentas pegar para o avanço da fuga, não existe nada a fazer. Se por acaso os objetos fossem randômicos a cada jogatina e houvesse exigências diferentes para vários níveis de dificuldade, o jogo seria um pouco mais longo e permitiria contar mais com a habilidade do jogador do que com guias pela internet.

A mecânica é falha. Em certo momento, pode ser fácil deixar uma chave no chão e não encontrá-la depois. Esconder-se pelos armários para fugir da criatura seria até uma ideia bem aproveitada, caso funcionasse direito.

Quando a imagem de um olho surge na tela, o jogador precisa estar ciente que a criatura o avistou. Nesse tempo, você precisa entrar no armário até que o perigo se afaste. O jogo possui um sistema instável e desbalanceado, onde em algumas ocasiões ele te oferece muito tempo para se esconder, em outros momentos basta nem 3 segundos para o inimigo estar a sua frente (mesmo que ele estivesse longe de sua presença).

E quanto a sonorização? Em jogos desse gênero, é fundamental que o jogador perceba tudo ao redor, onde o inimigo está andando, o som de porta batendo e de elementos metálicos. Em Dissection o som é estridente quando não precisava ser e muito confuso nos momentos que mais precisamos. Na intenção de causar temor, a trilha sonora acaba estragando a experiência e a deixando mais empobrecida, irritante até.

Mas nada se salva? Talvez a nostalgia. Velhos jogadores do gênero lembrarão dos antigos jogos de PC em cenários parecidos. Da mesma forma, a ideia (embora batida) de pegar chaves para abrir portas e cofres, como também de encontrar ferramentas para determinadas tarefas criam um saudosismo de jogos como Resident Evil e Silent Hill. Porém é muito pouco num jogo onde o gênero acaba sacrificado e o único terror é não encontrar satisfação em praticamente nada nele.

>>> NOTA: 2,0 <<<


LEIA TAMBÉM:

NÃO DIGA QUE NÃO AVISEI: O 3º ANDAR – TERROR NA RUA MALASAÑA | Malasaña 32
RESENHA: WHAT REMAINS OF EDITH FINCH | Giant Sparrow (2017)


:: FICHA TÉCNICA:
Desenvolvedor: S.R.L. “RandomSpin-Games”
Publicado por: S.R.L. “RandomSpin-Games”
Gêneros: Terror, Stealth
Tamanho no HD: 230Mb
Duração: entre 20 minutos a 1 hora
Classificação: 12 anos
Preço: R$19,90 (costuma ficar na promoção com até 60% de desconto)
Plataformas: PS4 (usada para a resenha), Steam
Lançamento: 24 de Março de 2020
Mais Informações: Dissection

 


:: Assista ao trailer do jogo

Anteriores BOB DYLAN | Rough and Rowdy Ways
Próximo AS BOLOTAS FÁ, SOL E LÁ #6

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *