JOIAS BRUTAS (Uncut Gems, 2019)



“Adam Sandler entrega em Jóias Brutas sua melhor performance em um filme caótico, furioso e frenético.”

“…da força da grana que ergue e destrói coisas belas…”

Caetano Veloso

A agonia de um homem à beira de um ataque de nervos, refém de uma enorme sequência de escolhas erradas, levando-o rumo ao precipício ético, moral e físico de maneira irreversível.

Numa leitura rápida e preguiçosa, este é o mote de Joias Brutas, produção original da Netflix. Porém o filme vai muito além, trazendo em seu sub-texto uma pesada crítica social que esbarra no poder destrutivo da ganância e das fraquezas humanas fomentadas pelo impiedoso “deus” dinheiro.

A sensação de “areia movediça” na qual o protagonista pisa e se debate o tempo inteiro, sem saber que se debater só o fará se afundar cada vez mais rápido, atravessa a tela e atinge em cheio ao espectador que, mesmo sem nutrir empatia quase alguma pelo personagem, acaba sentindo suas dores devido ao exímio trabalho de direção que com um enfoque ultrarrealista e truques cinéticos e sensoriais faz imergir naquele mundo como se não tivéssemos escolha.

Cena do filme Joias Brutas, de Adam Sandler

A história se passa em 2012 e acompanha mais ou menos uma semana intensa na vida do joalheiro novaiorquino Howard Ratner (Adam Sandler). Viciado em apostas e afundado em dívidas, ele vai tentando enrolar cobradores furiosos, enquanto tenta levantar dinheiro negociando jóias contrabandeadas.

Levando uma vida claramente acima da sua capacidade financeira e com a vida pessoal também em frangalhos, incluindo um casamento profundamente desgastado e uma amante interesseira, os problemas vão se amontoando enquanto Howard vai se distanciando de soluções realistas, sonhando cada vez mais alto com um dinheiro que não cairá do céu.

Tudo no filme é feito pra causar nervoso e desorientação. A correria das idas e vindas do protagonista pelos mesmos lugares, deixam a impressão de confinamento e sufocamento, mesmo tendo a cidade de Nova York inteira como possibilidade.

As pressões, as gritarias dos diálogos truncados, que quanto mais altos menos causam entendimento, a trilha sonora que remete a momentos contemplativos e que portanto não casa bem com a urgência da problemática proposta, enfim, esse estranho desconforto é mérito da direção personalíssima dos irmãos Safdie, mais conhecidos pelo ótimo filme, Bom Comportamento (2017), que sabem exatamente onde querem chegar em meio ao meticuloso caos proposto.

Adam Sandler é outro grande destaque do filme. Após interpretar praticamente o mesmo personagem em incontáveis comédias bobas, salvo raras exceções, dessa vez ele está irreconhecível e surpreende com uma nuance dramática que remete ao trabalho de outros grandes atores como Al Pacino e John Turturro. Sua performance visceral lhe rendeu justamente várias premiações como melhor ator.

Cena do filme Joias Brutas, de Adam Sandler

O dinheiro que move o mundo é o mesmo que sacrifica milhares de vidas escravizadas por ele. E é interessante notar que muitas vezes temos a opção de não sucumbir a essa força, o problema é que a obsessão e os vícios humanos nos tornam cegos aos valores que realmente importam. Essa cegueira é o que move o protagonista do início ao fim catártico do filme.

Joias Brutas é uma experiência sensorial diferente, tensa e enervante, mas impossível de desviar os olhos.

NOTA: 9.5


NOTA DOS REDATORES:

EDUARDO SALVALAIO: –
ISAAC LIMA: –
LUCIANO FERREIRA: –
MARCELLO ALMEIDA: –

MÉDIA: 9.5


:: LEIA TAMBÉM:

RESENHA: INFILTRADO NA KLAN (Blackkklansman, 2018)
RESENHA: A FAVORITA (The Favorite, 2018)


:: FICHA TÉCNICA:

Gênero: Drama, Crime, Thriller
País: Canadá/EUA
Duração: 2h15min
Direção: Benny Safdie, Josh Safdie
Roteiro: Benny Safdie, Josh Safdie, Ronald Bronstein
Elenco:  Adam Sandler, Julia Fox, The Weekend e outros.
Data de Lançamento: 31 de janeiro de 2020 (Brasil)
Censura: 16 anos
Avaliações: IMDB | Rotten Tomatoes

 


:: Assista abaixo ao trailer:


 

Anteriores 10 PERGUNTAS PARA BRUNO AZIZ
Próximo SHOEGAZER ALIVE #2 :: Velveteen, Vyva Melinkolya, Flyying Colours, Cigarettes for Breakfast e Peach Gardens

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *