Blunt Bangs e o Power-Pop de tons noventistas de ‘Proper Smoker’


Blunt Bags Band

Difícil assistir ao videoclipe de “She’s Gone”, faixa de abertura de Proper Smoker (Ernest Jenning Record Co.), álbum de estreia do combo Blunt Bangs (um tipo de franja despojada), e não se encantar com a homenagem prestada a vários ícones da música norte-americana dos anos 90, referenciados através da capa de seus álbuns, de The Replacements a Nirvana, passando por Sonic Youth e Weezer.

Formado por membros de bandas diversas, o power-trio Blunt Bangs – atualmente sediado em Athens, terra do R.E.M. – lançou um álbum de estreia que deve agradar em cheio a fãs de Power-Pop e também da música alternativa feita no início dos anos 90, em conexão com nomes como Teenage Fanclub, Gumball e Weezer, e misturando distorções fuzz e feedbacks com belas harmonias vocais em canções ganchudas, logo não estranhe se encontrar também algo de Superchunk ou Lemonheads.

“A banda me dá a oportunidade de tocar com meus amigos a música  que eu amaria ouvir. Fizemos o disco que gostaríamos de escutar”, afirma o baterista Cash Carter (Tracy Shedd, The Cadets), que tem ao seu lado no time o guitarrista e vocalista Reggie Youngblood (Black Kids), Christian “Smokey” DeRoeck (Woods, Deep State, Meneguar, Little Gold), também vocalista e guitarrista.

+++ CRÍTICA | I Was a King – Slow Century

Com tantas referências, pode até parecer que não há muito que se encontrar no trabalho dos caras, pelo contrário, o álbum é redondinho da primeira a última faixa em seus trinta minutos, com destaque (claro!) para a ótima “She’s Gone”, mas guardando outros momentos de deleite como as vibrantes “Decide” e “Silence is Golden”, dois dos singles do álbum. Dito isto, é difícil não se contagiar com a estreia do trio, que ainda comove com a quase balada “Sick Moves” e convida para um stage divng “Eau Caroline”.

A CONFERIR: “She’s Gone”, “Silence is Golden”, “Sick Moves”.


BLINT BANGS – Proper Smoker:

Anteriores Kristin Hersh e Throwing Muses, Porque Arte e Insanidade Formam Um Par Perfeito
Próximo Em 'Hey What', mestres do Slowcore acertam de novo e aprofundam sua revolução sônica

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *