MORTE ÀS SEIS DA TARDE | The Plagues of Breslau (2018)


Morte às seis da Tarde, cena do filme

“Mais um serial killer meticuloso num filme que peca por uma trama um tanto quanto instável e personagens mal construídos”

Muitos filmes com a temática de Thriller policial conseguiram fugir do lugar comum e apresentaram ideias novas, até hoje continuam consagrados entre público e crítica e influenciaram muitos diretores. Uma dessas ideias foi colocar nas telas um serial killer que tinha um jeito bem peculiar de assassinar suas vítimas. Em Se7en – Os Sete Crimes Capitais (1995) o assassino mata estrategicamente de forma violenta conforme os 7 pecados capitais, por sua vez, em Ressurreição – Retalhos de um Crime (1999), o assassino pretende reconstruir o corpo de Cristo a partir das vítimas escolhidas por alguma razão.

Presente no catálogo da Netflix, o polonês Morte às Seis da Tarde também apresenta um serial killer que escolhe sua vítimas de forma bem peculiar. Na cidade de Breslávia, o assassino age conforme normas de um antigo soberano que condenava e matava as pessoas de acordo seus pecados morais (calúnia, roubo, corrupção, etc), dizendo assim estar purificando o lugar. Então, espere mortes bem violentas com técnicas cruéis usadas no Século XVIII, todas acontecendo às seis da tarde. O filme é uma adaptação da obra de Marek Krajewski, escritor polonês bem famoso por seus livros de romance policial.

Morte às seis da Tarde, cena do filme

A trama já começa sem muita conversa e o ritmo da ação logo toma início. O primeiro crime atípico surge na cidade e cabe à policial Helena Rus (Małgorzata Kożuchowska) resolver, porém mal sabe ela a sucessão de homicídios que terá pela frente. Helena é uma policial circunspecta, depressiva, dedicada em seu ofício e que detesta a chegada da imprensa e dos olhares curiosos. Sem muita novidade aqui, Helena segue o tipo estereotipado dos filmes de se encaixar como a policial dedicada e experiente com um passado conturbado. Claro que o diretor quer prontamente dar um aspecto bem forte e marcante à personagem, e até consegue (mas isso não vale para os outros policiais do departamento que são bobos, isso inclui até o promotor).

Iwona (Daria Widawska), a outra policial que aparece pra ajudar no caso, merece destaque. Apesar de seu jeito desleixado, é competente, tem frases prontas e consegue conter os ânimos de Helena com seus ensinamentos. É dela que vem uma das cenas mais bonitas do filme que se passa num hospital, a parte mais melancólica da trama.

O segundo crime, também impactante pela extrema violência, rende uma passagem caricata demais. Ao forçar uma cena de pessoas desesperadas pelas ruas tombando por cima de carros, o filme ganha um tom mais cômico que chocante (desnecessário para um longa que não precisa disso para conquistar). A trama volta a engrenar e apresentar mais maturidade com o terceiro crime acontecendo e quando os esclarecimentos sobre o assassino e seu modus operandi começam a ser revelados.

Morte às seis da Tarde, cena do filme

Assim como Seven, temos um serial killer inteligente e cheio de requinte, capaz de enganar os policiais mesmo perto deles e que de uma certa forma até passa uma sensação carismática ao telespectador (depois que ele é revelado). O ruim é que aqui fica fácil adivinhar quem é o assassino, talvez por conta dos escassos personagens bem construídos da trama que nos são apresentados. Então, cabe ao telespectador observar como os crimes foram elaborados e entender toda a história por trás disso (por meio de flashbacks). Mas, sim, os crimes ainda não acabaram e filmes desse tipo tendem a chegar com um final bem surpreendente, sobretudo depois que o serial killer resolve justificar seus crimes para a polícia.

Morte às Seis da Tarde ainda mantém o clima de filme europeu, uma produção bem simples e que parece até feita de uma forma amadora, aqui o cinema blockbuster e explosivo hollywoodiano passa bem longe. O foco maior seria dar realce aos personagens e às situações que estão confrontando, porém isso o filme não faz tão bem. Mas se você gosta de suspenses policias com assassinos bem meticulosos e cenas onde mutilações e autópsias são constantes a sessão garante uma diversão passageira, mesmo que não memorável como os filmes citados no início desse texto.

>>> NOTA: 5.8 <<<


NOTA DOS REDATORES:

Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Marcello Almeida:

MÉDIA: 5,8


LEIA TAMBÉM:

COLUNAS: DROPS # 2 | Milagre na Cela 7, Estranhos em Casa, Resgate & mais
RESENHA: O BAR LUVA DOURADA (The Golden Glove, 2019)


:: FICHA TÉCNICA:

Gênero: Thriller Policial, Ação, Crime, Mistério
País: Polônia
Duração: 1h 47min
Direção: Patryk Vega
Roteiro: Sylwia Koperska-Mrozinska, Patryk Vega
Elenco: Malgorzata Kozuchowska (Helena Rus), Daria Widawska (Magda Drewniak), Katarzyna Bujakiewicz (Nastka), Andrzej Grabowski (Promotor) e outros
Data de lançamento: 14 de Dezembro de 2018
Censura: 18 anos
Avaliações: IMDBROTTEN TOMATOES

 


:: Assista ao trailer:

Anteriores FRANCES HA | S/T (2012)
Próximo IRA! | S/T (2020)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *