COMO NOSSOS PAIS | 2017


Como Nossos Pais, cena do filme

“Monogamia e liberdade sexual são levantados de forma sutil e madura”

Vencedor de seis Kikitos no Festival de Cinema de Gramado, Como Nossos Pais, o longa de Laís Bodanzky é protagonizado por Maria Ribeiro que interpreta Rosa, uma mulher de 38 anos, em crise no casamento, insatisfeita no emprego e com várias diferenças em relação à mãe.

Rosa é uma mulher real, verdadeira, totalmente crível sem exageros. E assim os demais personagens também são desenvolvidos. Não são pessoas idealizáveis, e muito pelo contrário, convidam o expectador a se identificar facilmente com a narrativa, com os personagens e o que eles representam sobre a nossa sociedade e como vemos o mundo

Dado, personagem de Paulo Vilhena, é um militante ecologista que está muito mais interessado em salvar a Amazônia do que em ajudar a criar as duas filhas ou fazer as tarefas mínimas de casa.

Enquanto Rosa sofre a pressão de ser mulher brilhante, ótima mãe, excelente esposa, boa dona de casa, profissional extremamente qualificada, porém e obviamente ela é falha e vive roboticamente à beira da exaustão.

Há uma bela cena em que ela joga a toalha e assume que não está dando conta. Sonha ser dramaturga mas tem que ganhar dinheiro escrevendo folder. Não é militante, mas não é alienada. Nesse clima melancólico, Rosa percorre uma inspiradora trajetória de transformação, conciliação e autoconsciência.

A narrativa central, sobre as pressões que geram culpa nas mulheres, é um tema oportuno e necessário. A trama, mesmo linear, nos faz levantar questões importantes. O longa é conduzido por uma direção segura de Bodanzky, por uma sensibilidade do roteiro muito bem construído e uma fotografia cativante de São Paulo em tons pastéis.

Um filme que teoricamente parece simples, mas que tem uma profundidade rara de se ver nos dias atuais. Machismo, monogamia e liberdade sexual são levantados de forma sensível, sutil e madura. A desigualdade de gênero é retratada sem a fúria que o tema frequentemente carrega nas redes sociais. Maduro, bonito, leve e reflexivo. Daqueles filmes de dar orgulho ao cinema nacional.


LEIA TAMBÉM:

RESENHA: COMO NOSSOS PAIS (COMO NOSSOS PAIS, 2017) | Por Eduardo Juliano
RESENHA: O FILME DA MINHA VIDA (2017)


Como Nossos Pais, Cartaz do filme

:: FICHA TÉCNICA:

Gênero: Drama
País: Brasil
Duração: 1h42min
Direção: Laís Bodanzky
Roteiro:  Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi
Elenco: Maria Ribeiro, Clarisse Abujamra, Paulo Vilhena, Felipe Rocha, Cazé, Jorge Mautner e outros.
Data de Lançamento: 31 de agosto de 2017
Censura: 14 anos
Avaliações: IMDB | Rotten Tomatoes

 

 


:: Assista ao trailer do filme:


Anteriores ERICA | 2019
Próximo BONO | Músico completa 60 anos e lista 60 músicas que salvaram sua vida

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *