SHOEGAZER WORLD #16 | Ohio Mark, Somali Yacht Club, Young Prisms, Belly Up & Dead Horse One


Shoegazer World 16

O disco pesado do Dead Horse One e o Shoegaze que vem da Ucrânia

O universo Shoegaze tornou-se bastante amplo, e as bandas hoje têm infinitas influências sonoras para moldar o seu estilo – ou mesmo para mudá-lo. Os ucranianos do Somali Yacht Club fincaram um dos pés no Shoegaze e outro no Post-Rock, e a mistura é bastante agradável. Já o Ohio Mark trabalha com o som tradicional do estilo, linha My Bloody Valentine, principalmente. O Young Prisms traz em seu novo trabalho as mesmas características (mezzo Shoegaze mezzo Dreampop) que fizeram sua fama já em 2009. O Belly Up também traz influências do Post-Rock, em uma mescla mais favorável ao Shoegaze, enquanto o Dead Horse One… Bem, o Dead Horse One é outra história. Começou na década retrasada como uma emulação de Ride e em seu novo trabalho trocou os efeitos de guitarra suaves por peso, muito peso, e também aumentou o volume das mesmas.

Estes são os cinco discos da semana que precisam ser ouvidos.


Ohio Mark – In Utopia (2022)

“In Utopia” é o primeiro single extraído do próximo álbum do Ohio Mark, Whoever, que sairá no próximo dia 15 de abril em sua página do Bandcamp. A banda belga faz um Shoegaze clássico, mesclando influências de Ride e My Bloody Valentine, que agradará em cheio os fãs mais tradicionais do estilo. Ohio Mark não é uma banda que varia muito seu estilo. As músicas – ao menos as disponíveis no Bandcamp – são bem parecidas, desde “Lucid Lake”, de 2018, até o single destacado, lançado em 11 de fevereiro passado.

>> Mais em: https://www.facebook.com/ohiomarkband


Somali Yacht Club – The Space (2022)

Uma das bandas europeias que faz com maior perfeição o crossover Shoegaze/Post-Rock, o Somali Yacht Club, está para lançar disco novo, The Space, no próximo dia 22 de abril. Já há uma música disponível em sua página no Bandcamp, Silver, que está mais para um Shoegaze com tonalidades psicodélicas, estilo The Verve. A coluna deseja de todo coração que a banda consiga lançar o disco completo e que esteja bem neste momento, afinal, seus membros são ucranianos de Lviv, e vivem no país.

>> Mais em: https://www.facebook.com/Somaliyachtclub


Young Prisms – Drifter (2022)

Na linha que divide o Shoegaze e o Dreampop estão os californianos do Young Prisms, uma das bandas mais queridas do cenário norte-americano e que nos últimos dez anos gravaram apenas um single – “Yourside”, segunda música do álbum Drifter, previsto para sair dia 25 de março, e lançada em outubro passado. Todos os elementos que caracterizam a banda desde sua criação, em 2009, estão lá, destacando-se o vocal etéreo e encantador de Stephanie Hoddap.

>> Mais em: http://instagram.com/youngprisms


Belly Up – Haven (2022)

Vale muito a pena dar uma fuçada no catálogo do pequeno label norte-americano Candlepin Records, especializado em lançar cassetes e demo tapes de bandas totalmente desconhecidas. É possível encontrar em sua página do Bandcamp pérolas do Shoegaze, Dreampop, Grunge, Garage-Pop e gêneros semelhantes. Em termos de Shoegaze destaca-se o Belly Up, que tem seu segundo disco, Haven, lançado em 18 de março. Aqui os arranjos são arrastados, no estilo Post-Rock, mas ainda com bastante noise e vocais melancólicos típicos do Shoegaze.

>> Mais em: https://www.instagram.com/candlepin_records/


Dead Horse One – When Love Runs Dry (2022)

Em seus três primeiros trabalhos (Heavenly Choir of Jet Engines, de 2012, Without Love We Perish, de 2014, e Seasons of Mist, de 2017), os franceses do Dead Horse One pareciam uma versão gaulesa do Ride, com tudo de bom e ruim que isso possa significar. Em The West Is the Best, de 2019, as influências são menos notórias, mas a banda continua soando como Ride, até porque o disco foi produzido por Mark Gardener. A partir do single “Static King”, de 2021, e presente neste novo trabalho, houve uma mudança significativa, com a introdução de guitarras mais pesadas. O Dead Horse One passou até a se classificar como Heavy Shoegaze. Não é possível dizer se vai agradar os velhos fãs com a nova configuração musical. Mas admiradores do Alice In Chains vão gostar, com certeza.

>> Mais em: https://www.facebook.com/deadhorseone/

Anteriores The Jesus and Mary Chain no canal ARTE Concert; Assista
Próximo A confusão com ‘Ecstasy and Wine’, o disco não autorizado do My Bloody Valentine

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *