THE BIG MOON – Walking Like We Do (2020)


Foto do quarteto The Big Moon

“Quarteto The Big Moon explora o amadurecimento musical em segundo álbum”

Juliette Jackson (vocalista e guitarrista), Soph Nathann (guitarrista), Celia Archer (baixista) e Fern Ford (baterista) fazem parte do grupo londrino The Big Moon. Alguns singles lançados a partir de 2014 e o grupo chegou ao début em 2017, Love In The 4th Dimension. Não bastasse isso, o reconhecimento chegou logo com uma indicação ao Mercury Prize daquele ano. Não faltaram comparações a grupos como The Breeders e Elastica.

O cuidado para o segundo disco, o compromisso com a responsabilidade e o sucesso que chegou de forma bem precoce influenciaram bastante na produção de Walking Like We Do. O álbum chega com caráter bem ambicioso e uma produção requintada. A sonoridade abre espaço para um instrumental mais amplo e próximo a arranjos complexos. Logo na abertura com “It’s Easy Then” é notável escutar uma canção que junta tudo no caldeirão e funciona avisando que o álbum funciona dessa forma: piano, efeitos, coro de vozes, sopros e violino. Embora o quarteto revele uma influência nítida com a New Wave 80’s a la Blondie (“Your Light”) ou os vocais de Juliette ganhem mais sensibilidade e lembrem a poesia de Chrissie Hynde (“Dog Eat Dog”), é bem significativo esse processo de amadurecimento e de ousadia.

O grupo continua sim com uma veia pop-rock, porém a guitarra de Soph Nathann aparece harmoniosamente e de forma mais comportada entre sopros e pianos. Pop-rock aqui se faz presente, entretanto não tão básico e com mais detalhes instrumentais.

A flauta que abre “Barcelona” esconde uma faixa que aos poucos deseja ganhar um contorno mais pop radiofônico com uma bateria bem performática (uma das que talvez ainda lembre The Breeders).

Outro fato importante é a visão do grupo em relação às letras (embora seja Juliette quem compõe a maioria das canções). O olhar da banda chega focado para os medos, as ansiedades e acontecimentos do mundo atual. “Dog Eat Dog” (citada anteriormente) fala sobre a divisão de classes e a injustiça social no Reino Unido.

A produção do disco ficou por conta de Ben Allen (Animal Collective, Gnarls Barkley) e isso soma pontos uma vez que o produtor tem em sua bagagem trabalhos com artistas de variados gêneros, o que combina com a intenção do The Big Moon. Seja flertando com as girl-groups 60’s (“Why”) ou experimentando o R&B (“Waves”), esse quarteto quer levar sua ambição adiante e deixa muitas promessas para o futuro.

NOTA: 7,1


NOTA DOS REDATORES:
Eduardo Juliano:
Isaac Lima:
Luciano Ferreira:

MÉDIA: 7,1


:: LEIA TAMBÉM:
MUNA – SAVES THE WORLD (2019)
THE LADLES – THE LINE (2019)


:: FAIXAS:
01. It’s Easy Then
02. Your Light
03. Dog Eat Dog
04. Why
05. Don’t Think
06. Waves
07. Holy Roller
08. Take a Place
09. Barcelona
10. A Hundred Ways To Land
11. ADHD

 


:: Mais Informações: Facebook/Site oficial


:: Ouça o álbum na íntegra:


:: Assista ao videoclipe de “Your Light”:

Anteriores THE CHAP – Digital Technology (2020)
Próximo Untitled

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *