IDLEWILD – Make Another World (2007)


Ainda lembro quando parei num sebo de discos aqui em Vitória (ES), e, por sorte, encontrei o ‘The Remote Part’ (2002), do Idlewild, por um preço módico. Para surpresa, a banda agradou demasiadamente. Entretanto, já admito antecipadamente que o grupo nada mais faz do que um rock básico, aquele bem típico e que todos já conhecem: baixo, guitarra e bateria. Porém, fazem de uma forma cativante e magistral, além de seguirem atentamente a cartilha do punk e do pós-punk (herança dos anos 70 e 80), e ainda no caldeirão da banda há pitadas de pop grudento (os refrões fáceis de lembrar).

Em ‘Make Another World’, a banda está mais segura e madura. Continuam as porradas punks incisivas de apenas dois minutos como em ‘If It Takes You Home’; em contrapartida, há canções com belos trabalhos de sopros, cordas e backing vocals graciosos a exemplo de ‘Future Works’.

Ainda temos outros requisitos interessantes: os músicos estão mais afiados; a voz de Roddy Woomble se intercala entre a agressividade e a doçura sem soar enfadonha; há momentos com solos certeiros de guitarra (sim, eles ainda existem), todavia, nada muito longo e que dá o tom certo para a música ‘Once In Your Life’; além de fortes candidatas a hits radiofônicos como ‘Make Another World’.

E você vai dizer que existem mil bandas que fazem esse mesmo som, um rock básico. Tudo bem, concordo! Mas são poucas como Idlewild, que te pegam desde a abertura do disco até a última faixa sem fazer que você pule alguma canção, inclusive, de obrigar a dar repeat e ouvir tudo novamente com prazer. E em outro aspecto os escoceses foram espertos: condensaram dez músicas coesas em meros trinta e cinco minutos (bem melhor do que colocar outras músicas ruins somente para encher o disco).

Vai haver comparações? Com certeza. Eu mesmo associei, algumas vezes, ao Placebo sem a afetação de Brian Molko (não me levem a mal, fãs da banda), sobretudo quando escutei ‘Competition For The Worst Time’. Por outras vezes, remeteu ao REM da época do ‘Murmur’ (1983) – aliás, disco de referência para muita gente. Quer mais? Me lembrei de quando fui contagiado com o petardo sonoro capaz de dar socos no estômago como foi  o excelente ‘Bizarro’ (1989), do Wedding Present. Enfim, um trabalho honesto de uma banda que optou em ficar mais no anonimato do que ser a queridinha da mídia.


Capa do álbum "Make Another World", do Idlewild

:: FAIXAS:

01. In Competition for the Worst Time
02. Everything (As It Moves)
03. No Emotion
04. Make Another World
05. If It Takes You Home
06. Future Works
07. You and I Are Both Away
08. A Ghost in the Arcade
09. Once in Your Life
10. Finished It Remains

 


:: Assista ao vídeo de “Future Works”:

Anteriores The Wedding Present – Bizarro (1989)
Próximo Sky Force Anniversary (2016)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.