A CAÇADA (Hunters, 2020 – Primeira Temporada)


Cena da série Hunters do Amazon Prime

“Hunters alterna momentos bons e outros desnecessários, derrapando no desfecho inverossímil,  “

Nova Iorque, 1977. O Filho de Sam está a solta matando jovens. Nazistas estão infiltrados nos Estados Unidos em diversos setores e devem ser caçados pelos crimes cometidos durante a Segunda Guerra. Esses são os elementos de Hunters (A Caçada), nova série do canal Amazon Prime. Al Pacino é o grande nome presente na série, que tem o diretor Jordan Peele (Corra!, Nós) como Produtor Executivo. Logan Lehrman (As Vantagens de Ser Invisível, Corações de Ferro) é outro dos personagens centrais. Meyer Offerman (Pacino) é um judeu milionário que sobreviveu aos horrores dos campos de concentração e o líder de uma organização oculta que irá caçar nazistas que cometeram crimes durante a segunda guerra e estão vivendo incólumes na America.

O INÍCIO

A fotografia de cores quentes e o figurino tipico dos anos 70, que estará presente ao longo de todos os episódios, surge de forma intensa já na primeira cena da série, durante um churrasco em que uma convidada reconhece o anfitrião como um nazista. Essa primeira cena serve como uma pequena amostra do que virá ao longo dos dez episódios: humor negro, verborragia, doses de violência com morte sangrentas e frase de teor racista e antissemita.

O NÚCLEO HEIDELBAUM

Constituído por Jonah e sua avó Ruth, uma judia sobrevivente dos campos se concentração nazista e responsável por acender o pavio da caçada. É aqui que a série explora com certa profundidade os vínculos afetivos, com a tocante relação entre neto e sua safta (avó).  Noah tem um elevado QI e se torna, após algumas porradas, um dos personagens essenciais de Hunters. Ruth, que é assassinada já no primeiro episódio, quem tem noventa minutos de duração, será seu elo de ligação com os caçadores e protetora moral e espiritual do neto. A história de Noah traz referências tanto a de Bruce Wayne quanto a de Peter Parker.

OS CAÇADORES

Formado por um grupo diversificado e um tanto caricato, constituído por: Sister Harriet (Kate Mulvany), uma freira durona com ligações com o MI-6 e cheia de segredos escusos; Joe (Louis Ozawa), um atormentado ex-soldado da Guerra do Vietnã; Lonny Flash (Josh Radnor), um decadente ator judeu, sedutor e responsável por boa parte do alívio cômico da série, com frases e tiradas sacanas; Roxy Jones (Tiffany Boone), uma jovem mãe negra divorciada; Murray e Mindy (Saul Rubinek e Carol Kane), um casal judeu sobrevivente dos campos de concentração.

OS NAZISTAS

Estão espalhados por toda a sociedade. Alguns ocupam cargos estratégicos do alto escalão do poder, na NASA e influenciam a política norte-americana. São retratados como pessoas sem escrúpulos, capazes de atos sórdidos. Estão camuflados e utilizam outros nomes. Muitos foram levados pelo próprio governo dos EUA por deterem conhecimentos científicos, outros fugiram para lá por medo de serem julgados pelos crimes cometidos nos campos de concentração. Nesse núcleo, destacam-se a Coronel (Lena Olin); Biff Simpson (Dylan Baker) o subsecretário aparentemente bobo e lerdo, mas que é um assassino frio e perverso, também conhecido como “O Açougueiro de Arlav”; e Travis (Greg Austin), desde já um dos vilões mais assustadores em série; um facínora inteligente e sagaz, é um psicopata; é uma espécie de faz-tudo para os alemães, nasceu nos Estados Unidos mas simpatiza com a causa nazista, que quer implantar o Quarto Reich.

O FBI

Representado pela inteligente e incansável agente Millie (Jerrika Hington), que logo que começa a juntar as pontas ao longo da investigação consegue chegar tanto ao núcleo nazista quanto aos caçadores, tornando-se um obstáculo a ser removido ou uma peça no xadrez a ser usada. Como os nazistas estão espalhados e possuem influências em diversos setores, não é diferente com a agência de investigação, que passa a dificultar o trabalho da agente, cujos dramas familiares e de relacionamento são apresentados.

Al Pacino e Logan Lerman em cena de Hunters

A NARATIVA

A narrativa mescla presente e passado para explicar as motivações e histórias dos personagens, centrando em Meyer/Ruth, Mindy/Murray, Joe e Sister Harriet. Alguns recursos são interessantes, como as intervenções aparentemente fora de contexto, mas que servem de elemento “esclarecedor/cômico”, apesar de algumas desnecessárias. A série é recheada de frases racistas, misóginas, antissemitas e machistas, geralmente pronunciadas pelos nazistas, principalmente Biff e Travis.

A CAÇADA

Inicialmente o objetivo dos caçadores é eliminar os nazistas, mas logo percebem que, em represália, também estão sendo caçados. Descobrem que há um plano terrível sendo gestado pelos alemães com consequências terríveis. Durante a caçada aos nazistas, por vários momentos a justiça feita com as próprias mãos é questionada, principalmente por Noah, sendo rebatida por Offerman com uma das várias frases fortes da série: “Talvez nós sejamos monstros, mas não iguais a eles. Temos uma desculpa. A guerra nos criou”.

CULTURA POP

Noah e seu desbocado amigo Jonah, parceiro junto com Cheeks (inclusive no uso de drogas lícitas e ilícitas), trabalham numa loja de revistas em quadrinhos, são fissurados pelas histórias e dramas do Homem-Aranha e Batman, e constantemente fazem paralelo com os dilemas que enfrentam em suas vidas. São também fãs de cinema, Stars Wars, principalmente. Velvet Underground (que também está na trilha) e Patti Smith estão na parede do quarto de Noah. A trilha sonora traz momentos marcantes pontuados por canções de Bee Gees (Staying Alive),  Talking Heads (Psycho Killer), The Doors (The End) e até da obscura banda punk The Weirdos(I Got a Neutron Bomb), em um das melhores cenas; tem até Tim Maia (No Caminho do Bem). (PLAYLIST ABAIXO)

CONCLUSÃO

Hunters mistura drama, ação, comédia, mistério, crime e doses de violência e uma linguagem bastante crua, em vários momentos remetendo aos filmes de Tarantino, inclusive em alguns diálogos, mas também por se passar na década de 70.

A série não deixa o desfecho para o último episódio, já que revelações bombásticas e surpreendentes estão reservadas nele. Essas revelações são bastante inverossímeis, destroem em grande parte o roteiro que até então seguia razoavelmente coerente, apesar de algumas pontas soltas e soluções fáceis para situações intricadas.

Outro problema da série é o tom um tanto caricato, talvez de forma propositada, principalmente quando apresenta os nazistas. Além disso, temas “sensíveis” que poderiam ser explorados com maior profundidade, são mostrados de forma superficial e, em alguns casos, com uma comicidade desnecessária e duvidosa.

NOTA: 7,5


NOTA DOS REDATORES:

EDUARDO SALVALAIO: –
ISAAC LIMA: –
EDUARDO JULIANO: –
MARCELLO ALMEIDA: –

MÉDIA: 8,0


LEIA TAMBÉM

RESENHA: PEAKY BLINDERS – SANGUE APOSTAS E NAVALHAS (PEAKY BLINDERS, 2013)
RESENHA: O CONTO DA AIA (THE HANDMAID’S TALE, 2017)


Cartaz da série Hunters

:: FICHA TÉCNICA:
Temáticas: Ação, Drama, Mistério, Crime
Emissora (EUA): Amazon Prime
Temporadas: 1
Episódios: 10 (tempo aproximado de 60 minutos cada)
Criadores da série: David Weil
Diretores: Nelson McCormick (03), Michael Uppendahl (02), Wayne Yip (02), Alfonso Gomez-Rejon (01), Dennie Gordon (01) e Millicent Shelton (01)
Elenco: Al Pacino, Logan Lerman, Lena Olin, Saul Rubinek, Greg Austin, Tiffany Boone e outros.
Avaliações: IMDB | Rotten Tomatoes

 

 


:: Ouça a Playlist com canções tocadas na série:


:: Assista ao trailer:

Anteriores HAUNT (Haunt, 2019)
Próximo Motorik, a batida do Krautrock, e a sensação de movimento

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *