ECHO AND THE BUNNYMEN – The Stars, The Oceans & The Moon (2018)


“Momentos interessantes, mornos e decepcionantes compõem novo trabalho dos homens-coelho”

Se tem uma banda que pode se orgulhar (e seus fãs se regojizarem) de ter lançado quatro ótimos álbuns em sequência, num espaço de quatro anos (1980-84), essa banda é o Echo and The Bunnymen.

Surgida em Liverpool (mesma cidade que já havia dado ao mundo outro quarteto musical de envergadura enorme, os Beatles), os bunnyes McCulloch, Sergeant, De Freitas e Les Pattinson pareciam ter a química perfeita para compor mais que canções inesquecíveis, mas álbuns para se guardar na memória numa época em que o conceito de disco incluía ouvir o álbum, saber a sequencia das faixas (em ambos os lados), admirar a arte da capa e tentar entender ou acompanhar as letras.

:: LEIA TAMBÉM:
Echo and the Bunnymen anuncia ‘The Stars, The Oceans & The Moon’
ECHO AND THE BUNNYMEN – Meteorites (2014)

A fórmula começou a não funcionar quando McCulloch deixou a banda em 1988, após o quinto álbum, conhecido como “The Game” (1987) e quando o baterista Pete de Freitas faleceu em um acidente de moto em 1989. E desandou quando, apesar da falta desses dois componentes, a outra metade resolveu lançar “Reverberation” (1990) com outros integrantes.

Após alguns anos de hiato, com o anúncio do retorno e um novo álbum, a pergunta que insistia era: Será que com três quartos dos componentes a fórmula voltará a funcionar?

“Evergreen” (1997), álbum de retorno da banda, mostrou que De Freitas fazia falta mas que os “homens coelho” ainda eram capazes de fazer grandes canções: foram-se a pegada de garagem, as letras de teor metafísico; vieram o aceno ao lado mais pop, e temas mais confessionais e diretos. E entre álbuns interessantes, alguns irregulares e outros claramente pouco inspirados, a banda tem se mantido na ativa durante esses últimos vinte anos, somando inclusive várias coletâneas e álbuns ao vivo que são verdadeiros “caça níqueis”, sobre o pretexto de apresentar a banda às novas gerações.

“The Stars, The Oceans & The Moon” entra direto nesse “seleto grupo” (dos caça níqueis), ao trazer duas faixas inéditas (“The Somnambulist” e “How Far?”) acomodadas estrategicamente entre treze versões para canções de álbuns diversos da banda, indo desde o debute “Crocodiles” (1980) até “What Are You Going to Do With Your Life?” (1999), seu último álbum realmente interessante como um todo.

Parece perspicaz que a banda tenha escolhido duas de suas canções mais emblemáticas para abrir e fechar o álbum. Inusitado que tenham incluído “Angels and Devils”, uma faixa que saiu no lado B de um de seus singles para fazer parte do disco. Frustrante que nesse apanhado de canções retrabalhadas não seja possível encontrar uma versão que desafie a original.

A bela versão acústica ao piano de “The Killing Moon”, adornada por cordas, não consegue superar o trabalho da banda em “Ocean Rain”, álbum do longínquo ano de 1984, de onde também vem também a homônima “Ocean Rain”, outro bom momento; assim como “Zimbo”, também conhecida como “All My Colours”; três dos momentos mais atraentes do disco. Enquanto faixas como “Stars are Stars”, “Rescue” e “The Cutter” foram bastante descaracterizadas, perdendo a essência.

Tirando as citadas e as novas faixas, que são apenas OK, o resultado de “The Stars, The Oceans & The Moon”, apesar da tentativa de enriquecimento com os arranjos de cordas, fica bem aquém do que poderíamos esperar da banda considerando seu passado mais distante (década de 80), embora condizente com o passado mais recente.

NOTA: 5,0

:::

:: FAIXAS:
01. Bring on the Dancing Horses
02. The Somnambulist
03. Nothing Lasts Forever
04. Lips Like Sugar
05. Rescue
06. Rust
07. Angels & Devils
08. Bedbugs & Ballyhoo
09. Zimbo
10. Stars Are Stars
11. Seven Seas
12. Ocean Rain
13. The Cutter
14. How Far?
15. The Killing Moon

:::

:: Ouça abaixo a versão de “The Killing Moon”:

Previous THE DECLINING WINTER – Belmont Slope (2018)
Next NASCE UMA ESTRELA (A Star is Born, 2018)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *