LOVE (Love, 2016-2018)


“Chega ao fim a série original da Netflix que aborda temas humanos pesados com uma leveza e despretensão absurda, mas que nem por isso deixa de causar certo desconforto e reflexão”

Criada por Judd Apatow, responsável por algumas comédias de gosto duvidoso porém de muito sucesso no cinema, como “Descompensada” e “O Virgem de 40 Anos”, para o bem ou para o mal, “LOVE” é, em sua essência, uma comédia ironicamente romântica.

Já vimos incontáveis vezes a história daquele casal que, de tão opostos, acabam se atraindo e se repelindo até chegarem a um denominador comum.

Mas eis então que somos surpreendidos por um clima típico de filme independente e um roteiro esperto, distribuído em episódios que, apesar de curtos, constroem personagens sem pressa, injetando em cada um dos trinta e quatro episódios novas camadas e percepções a fim de evitar lugares comuns, dando uma sensação de vitalidade e frescor a esse gênero tão batido.

Em suas três temporadas, acompanhamos o nerd abobalhado Gus tentando estabelecer um relacionamento amoroso com a autodestrutiva Mickey, uma viciada em drogas e em sexo. Vivida com competência pela excelente Gillian Jakobs, Mickey é uma dessas personagens imprevisíveis e fascinantes que te fazem grudar os olhos na tela, acompanhando com certo deleite as suas loucuras e excessos.

Existe até uma certa tensão que brinca com a expectativa do telespectador sobre qual vai ser a próxima bobagem que ela vai fazer ou como ela pode estragar ainda mais a própria vida. Mas sua personagem é tão carismática, humanamente plausível e autêntica, que acabamos torcendo para que tudo dê certo.

Por outro lado, temos o Gus, um cara inseguro, com um emprego medíocre, aspirante fracassado a roteirista e guitarrista em uma banda formada por amigos tão nerds quanto ele, e que se divertem compondo canções tema para filmes das décadas passadas.

Gus é vivido pelo ator e roteirista Paul Rust, que na melhor das hipóteses lembra um jovem Woody Allen, inclusive fisicamente. Impossível não fazer essa comparação, visto que seu personagem remete a vários arquétipos interpretados pelo Woody Allen, com suas paranoias e esquisitices, só falta ao Paul Rust o mesmo talento do Woody Allen como escritor, mas ele se esforça e, apesar de irregular, até se sai muito bem em vários momentos.

Talvez a maior força de “LOVE” resida no fato de que além de bons protagonistas a série traz excelentes personagens secundários, que são fundamentais para a estrutura e relevância dos temas abordados, trazendo pitadas de humor e a leveza necessária para equilibrar o tom sarcástico e ácido.

Não podemos deixar de destacar a participação constante do vocalista Mark Everett da banda Eels, trazendo um lado musical bem interessante a trama.

Cinematograficamente falando, é uma série pobre. As imagens buscam se aproximar o máximo possível do realismo urbano da cidade de Los Angeles e a fotografia e iluminação são bem simples e genéricas. Nota-se que os diretores que se revezaram entre os episódios acreditaram muito no roteiro e na força das personagens para atrair o seu público. Talvez essa simplicidade nas imagens seja proposital e cumpra o papel de fazer de “LOVE” um retrato honesto e realista sobre a construção dos relacionamentos nos dias de hoje.

Pena que quando a realidade proposta fica muito pesada, a série sempre acaba caindo num escapismo bobo a nos lembrar que “LOVE” não passa mesmo de uma comédia despretensiosa e que, apesar de levantar alguns questionamentos e propor reflexões maduras a respeito dos relacionamentos, é uma maratona deliciosa e interessante mas que não se leva e que por este mesmo motivo, também não deve ser levada a sério.

No final das contas, o balanço é mais positivo do que negativo e a depender da bagagem e experiências pessoais de cada espectador, pode até virar um vício.

:: NOTA: 7,5

:::

:: FICHA TÉCNICA:

Emissora (EUA): Netflix
Temporadas: 3
Episódios/Tempo: 34 (média de 50 minutos)
Criadores: Judd Apatow, Lesley Arfin, Paul Rust
Produtores executivos: Judd Apatow, Dave King, Paul Rust, Brent Forrester e outros
Elenco: Gillian Jacobs, Paul Rust, Claudia O’Doherty e outros
Temáticas: Comedia, Drama, Romance
Censura: ?
IMDB: Love

 

 

:::

:: Assista abaixo ao trailer:

Previous HEREDITÁRIO (Hereditary, 2018)
Next MELODY'S ECHO CHAMBER – Bon Voyage (2018)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *