GET WELL SOON – The Horror (2018)


“Música agregada com cinema nas mãos do experiente Get Well Soon”

Konstantin Gropper é o músico alemão que comanda o Get Well Soon. Para 10 anos de carreira, Gropper lançou consideráveis álbuns e EP’s de estúdio. Também fez trilha sonora para filmes do conterrâneo Win Wenders. E é exatamente essa a peculiaridade do Get Well Soon que logo nos salta aos olhos: casar o cinematográfico com a música. Fazer de seus discos uma espécie de cenas de cinema em vários atos (como se cada faixa correspondesse a isso). Para o ouvinte fica exatamente essa sensação de estar acompanhando um longa metragem ao passar de cada faixa, como se ligássemos cada canção com alguma cena, e pode ser uma cena memorável de algum filme clássico ou preferido de nossas vidas.

Essa característica do artista foi crescendo consideravelmente. “The Scarlet Beast O’Seven Heads” (2012) e “Love” (2016) autenticaram bastante o gosto do músico pelo cinema, e isso é comprovado até nos vídeos bem realizados. Em “The Horror” a atração pela ligação da música com cinema extrapola ao ponto de um mesmo título de música, ‘Nightmare’, ser dividido em três partes e cuidadosamente receber três subtítulos diferentes (o início, meio e fim de um filme?).

Não bastasse isso, a maioria das faixas começa climática, o instrumental sendo o carro-chefe e a voz de Konstantin aparecendo depois de um tempo, como se estivéssemos realmente acompanhando a abertura de um filme. Em ‘The Only Thing We Have To Fear’, por exemplo, a canção abre com uma fala como se fosse uma transmissão radiofônica, a voz de Gropper ganhando espaço e a própria canção sendo interrompida abruptamente por uma explosão de sopros e bateria que arrepiam o ouvinte (três atos, podemos concluir assim?). De nada adianta envolver as duas artes se o talento e a qualidade não surgem. Fique tranquilo com o Get Well Soon.

Apesar de o novo álbum deixar de lado a postura pop-rock do início de carreira (“Vexations”, 2010) e se abrigar mais no clássico e até mesmo no Ambient, o ouvinte continuará contemplando canções fáceis de grudar no cérebro e prontas para serem assoviadas (“Martyrs” e “Nighjogging”).

Claro, as influências de Get Well Soon ficam muito mais visíveis em ‘The Horror’. Não restava dúvidas de que Burt Bacharach e The Divine Comedy foram inspiradores para Gropper, “How To Stay (Middle Class)” e “(Finally) A Convenient Truth” proclamam de vez esse fato. Canções com a orquestração do Burt e parecendo próprias da fase ‘Regeneration’ (2001). do The Divine Comedy, que considero um dos melhores momentos do grupo.

A riqueza instrumental é outro ponto a ser destacado. Disco para ser ouvido com atenção. Nada será fácil de primeira, não hesite em dar replay. Desligar do mundo exterior, bons fones de ouvidos e um quarto escuro (minhas preferências). O músico que é um multi-instrumentista e aprendeu desde cedo a tocar instrumentos variados (guitarra, piano e violoncelo), sabe explorar tudo isso em seus trabalhos. Repleto de nuances e de camadas, algumas faixas necessitam de decifrações. Depois de cinco audições, fui perceber atentamente alguns instrumentos escondidos em “A Misty Bay (At Dawn)”.

“The Horror” talvez seja o trabalho do Get Well Soon que mais exige atenção por parte do ouvinte, entretanto, o resultado final fará valer cada minuto que foi utilizado.

:: NOTA: 8,0

:::

:: FAIXAS:
01 – Future Ruins (Pt. 2)
02 – The Horror
03 – Martyrs
04 – Nightmare No. 1 (Collapse)
05 – An Air Vent (In Amsterdam)
06 – Nightmare No.2 (Dinner IN Carinhall)
07 – The Only Thing We Have To Fear
08 – Nightjogging
09 – A Misty Bay (At Dawn)
10 – Nightmare No.3 (Strangled)
11 – How To Stay (Middle Class)
12 – (Finally) A Convenient Truth

:::

:: Outros trabalhos de Get Well Soon no cinema:
IMDB

:: Mais Informações:
Allmusic
Site oficial
Twitter

:: Ouça abaixo a faixa ‘Martyrs’:

Previous GIRLS NAMES – Stains On Silence (2018)
Next GORILLAZ – The Now Now (2018)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *